quarta-feira 8 julho, 2020
Home Entrevistas "Califato": vulnerabilidade como estratégia de recrutamento
COMENTÁRIO

“Califato”: vulnerabilidade como estratégia de recrutamento

A produção da Netflix revela as ações de uma célula fundamentalista muçulmana para atrair novos seguidores, embora também tenha sido uma tática usada em menor escala por outras religiões e seitas. Embora ainda seja uma ficção, gera uma abordagem para o conflito internacional na Síria.

"Califato": a vulnerabilidade como uma estratégia de recrutamento para novos seguidores é a razão pela qual a vida dos personagens acaba sendo extrema e aparentemente absurda.

Este é um dos gatilhos em que a série estreou em março na Netflix, localizada espacialmente no epicentro da guerra síria iniciada em 2011 entre o exército oficial e o exército rebelde, com seus correspondentes apoios internacionais.

Embora uma data exata não seja especificada ao longo da história, segue-se que a história contada ocorre entre a proclamação do Califado do Estado Islâmico (IS) em 2014 e a expulsão em 2017 de seu exército de Al Raqqa, uma cidade considerada sua capital.

No entanto, a coprodução sueco-jordaniana ainda é uma peça de entretenimento e não uma crítica ao conflito de nove anos de trajetória.

No entanto, ao mesmo tempo em que revela uma visão ocidentalizada da situação, consegue uma abordagem mais humana para entender o limite entre a liberdade de decisão e a coerção religiosa exercida pelos protagonistas.

Três mulheres o El

As diferentes estratégias focadas no uso da idade das pessoas, vulnerabilidade social, de gênero, emocional ou econômica para recrutá-las e transferi-las para o foco da guerra na Síria, são o fio condutor da história da produção de oito capítulos.

O "Califato" aborda diferentes aspectos do sistema que o Estado Islâmico (ISIS em inglês ou Dahesh para os árabes) preservou por anos, localizado em uma de suas células militares. A partir da convicção de que o Ocidente não tolera sua religião, até o recrutamento, a vida familiar e, finalmente, o chamado para se imolar em nome de Alá.

O nome que leva a estréia da plataforma sob demanda refere-se ao proto-estado que dominou grande parte do território iraquiano e sírio. Originalmente, "Califa" era o termo dado pelos discípulos de Maomé no chefe do sistema de governo religioso que o profeta havia instituído.

Com o tempo, passou a representar a idéia de um governo que implementa um sistema político baseado na lei islâmica e depois a radicalização perpetrada em 2011, mas construída anos antes na região.

Diálogada em sueco, árabe e principalmente em inglês, a série é contada da perspectiva de três mulheres:

  • Pervin migrou para participar da causa com seu marido jihadista para Al Raqqa, que foi a cidade dominada por quatro anos (2013-2017) pelo IS.
  • Fátima é uma policial sueca que tenta descobrir os planos de um grupo terrorista e seus aliados na Europa, mas deve primeiro passar por dificuldades em seu próprio trabalho.
  • Sulle é uma jovem cujos pais de origem muçulmana emigraram para a Suécia, mas os liberais despertam nela o interesse de descobrir a religião pessoalmente, influenciada pela curiosidade e rebelião característica da época.
"Califato" é, como "Não ortodoxo", outro olhar sobre a situação das mulheres disponíveis na Netflix

Humildade não é vulnerabilidade

Em busca de yanna, esse paraíso muçulmano além da morte, tanto os homens de ficção quanto a realidade procuram se tornar mártires enquanto devastam cidades e edifícios caracteristicamente cristãos.

A verossimilhança nas cenas descreve voluntários dispostos a deixar tudo para se tornar supostos heróis. No entanto, seu início no movimento religioso foi determinado pela rebelião e cansaço em comparação com todo o resto.

No "Califato", um assistente estudantil na Suécia, mas um guerrilheiro na Síria, dedica-se ao recrutamento de jovens. Progressivamente, abre as "verdades" esquecidas do Corão e as convence quase imperceptivelmente a se juntar à organização extremista.

Dessa forma, a decisão dos novos seguidores parece ser descartada, porque eles não têm mais nada a defender, nada a que se apegar ou perder.

Infelizmente, esse panorama também foi o procedimento realizado por vários grupos e seitas religiosas que manipularam o conceito de humildade para aproveitar a vulnerabilidade das pessoas.

Na Argentina e no mundo, muitos se lembram da seita chamada Filhos de Deus ou A Família, liderada pelo pastor cristão David Brandt Berg. Argumentando por contenda, humildade e amor filial, eles cometeram crimes como corrupção de menores e abuso sexual.

Prometendo liberdade real, total e espiritual, o carismático criou um evangelho alternativo e usou a mesma estratégia dos fundamentalistas do EI para perpetuar sua ideologia e garantir seus interesses.

Nos dois casos, continua a ser feita uma pergunta: qual é o limite entre a capacidade individual de tomada de decisão e a coerção anteriormente exercida pelos recrutadores?

David Brandt Berg (1919-1994).

O ponto certo entre razão e emoção

O desejo de pertencer a algo maior, pesando emoções sobre evidências racionais, leva a fazer e acreditar em coisas nunca imaginadas.

Essa atitude, somada à condição de vulnerabilidade, leva Sulle a se convencer de que o ataque de 11 de setembro de 2011 às Torres Gêmeas foi um evento planejado pelos Estados Unidos para justificar seus ataques subseqüentes à comunidade muçulmana.

Também está convencido de que o ataque ao jornal satírico parisiense Charlie Hebdo foi um ato heróico, porque estava alinhado com o que o Corão ordena.

Os jihadistas optam por se apegar à verdadeira consciência de sua situação de segregação no Ocidente e à invasão de suas terras por fanatismo. Como resultado, os recrutas aderem a um movimento fundado em vingança e ressentimento.

Na seita Filhos de Deus, o panorama é semelhante. Lá todos tiveram que participar de atos sexuais, mesmo os menores, porque, segundo os líderes, era a maneira de demonstrar amor pela divindade. Os pertences pessoais eram proibidos e o controle emocional era absoluto.

Por meio dessa metodologia, os líderes da organização manipularam a consciência dos membros e vítimas, sem nenhuma evidência mais certa do que a fé de que Deus lhes comunicou as ordens.

Fundamentalistas, seitas ou grupos religiosos que ponderam sobre a autoridade de alguns reabrem a questão de saber se existe um ponto justo entre emoção e razão.

Realidade além da ficção

Apesar do fato da ficção deixar em aberto a possibilidade de uma segunda temporada, para os espectadores interessados, há muitas informações, se você quiser saber o que a guerra se tornou.

Nove anos após o início da guerra civil, cerca de 500 mil pessoas perderam a vida devido a interesses geopolíticos entre a Síria e o Estado Islâmico, com a interferência da Rússia, Irã, Israel, Turquia, Arábia Saudita e Estados Unidos.

De qualquer forma, as circunstâncias atuais são decisivamente diferentes do contexto em que a série se enquadra, já que em março se passou um ano desde a proclamação do fim do Califato por Mustafa Bali, porta-voz das Forças Democráticas Sírias. (SDS), depois de conquistar Baguz, o último território do EI.

Além disso, o movimento jihadista continuou enfraquecendo em outubro, após a imolação de seu líder califa e fundador, Abu Bakr al-Baghdadi, encurralado pelos militares dos EUA, segundo o presidente Trump.

Por outro lado, e apesar de sua perda territorial, ainda existem células espalhadas na África Ocidental, Líbia, Egito, Afeganistão, Filipinas e partes da Europa. Em todo o mundo, nota-se que pode voltar à vida, uma vez que o cenário é agravado pela presença do ideal do Califa no imaginário de seus descendentes.

Atualmente, cerca de 100.000 sobreviventes são deixados em campos e prisões sírios guardados pelo exército oficial, como Al Hol, Ain Isa ou Al Roj. Desse total, milhares de estrangeiros aguardam repatriamento e julgamento em seus países de origem, embora sem resposta. Somente o Kosovo optou por receber de volta os ex-membros do EI, a maioria na prisão domiciliar e aguardando julgamento.

No contexto da pandemia do COVID-19, as circunstâncias pioram nos assentamentos, onde um contágio maciço está em perigo devido a condições de vida não saudáveis.

Al Hol acampamento na Síria, onde vivem 70.800 pessoas, principalmente mulheres e crianças, esposas e filhos de combatentes jihadistas.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

- Advertisment -

más leídas

O Belgrano que não conhecemos

200 anos após a morte de um patriota latino-americano, Manuel Belgrano. Mas o que sabemos sobre Belgrano? Quando ele...

Por trás da culpa e da baixa auto-estima está o medo do sucesso

Por trás da culpa e da baixa auto-estima está o medo do sucesso, que geralmente é encontrado ao se aprofundar nas crenças...

Jeffrey Epstein é apenas a ponta da pirâmide

Jeffrey Epstein é apenas a ponta da pirâmide na série "Jeffrey Epstein: Filthy Rich". -------------------------------------------- Jeffrey...

“Síndrome da cabana”: um processo adaptativo

"Síndrome da cabana": um processo adaptativo e normal que se espalha após meses de quarentena na Argentina e em outros países do...
Y conocerán la verdad, y la verdad los hará libres.