segunda-feira 13 julho, 2020
Home Notícia Na angústia da pandemia, uma grande ofensiva do Papa
A QUESTÃO SOCIAL

Na angústia da pandemia, uma grande ofensiva do Papa

Francisco, pontífice apostólico católico romano, leu com rapidez e segurança as conseqüências socioeconômicas negativas da pandemia global causada pelo novo coronavírus e lançou uma iniciativa comprometida em alcançar a centralidade na próxima agenda. Aqui estão alguns esclarecimentos a esse respeito:

Em sua edição de sexta-feira, 17/04/2020, a revista espanhola Vida Nueva oferece uma meditação manuscrita do Papa Francisco, que possui alguns fragmentos que confirmam a ofensiva do líder dos católicos apostólicos romanos em ocupar o espaço vago pelo Governantes seculares para ajudar as pessoas afetadas pelo terrível impacto socioeconômico causado pela praga causada pelo Covid-19.

Vida Nueva apresenta a carta do papa como "Um plano para ressuscitar a humanidade após o coronavírus".

Deixando definitivamente para trás desgaste que causou a Igreja Católica o número de queixas e condenações de abuso sexual repetido nas mais diversas dioceses, Francisco encontra na pandemia o espaço suficiente para implantar uma iniciativa que  necessariamente compartilharão multidões que condiciona em primeiro lugar os próprios oponentes do papa no catolicismo do Vaticano.

Esses eventos também ocorrem nos dias em que os evangélicos mais proeminentes - ambos dos EUA, se aproximam do presidente Donald Trump, que em novembro irá às eleições contra o católico Joe Biden; como os do Brasil, proximos de Jair Bolsonaro - eles estão em um cenário complexo por causa do apoio a dois governantes que são altamente questionados em seu comportamento quase irresponsável em dias terríveis.

No contexto de dor, angústia e incerteza, o pontífice lançou, envolto em uma dialética poderosa e difícil de não compartilhar, uma iniciativa para a unidade global.

"Estaremos dispostos a mudar os estilos de vida que mergulham tantos na pobreza, promovendo e encorajando-nos a levar uma vida mais austera e humana que permita uma distribuição equitativa de recursos?"

Na revista espanhola, Francisco escreveu:

  • "(...) Se conseguimos aprender alguma coisa durante todo esse tempo, é que ninguém se salva. Fronteiras caem, muros desmoronam e todos os discursos fundamentalistas se dissolvem diante de uma presença quase imperceptível que manifesta a fragilidade da qual estamos  somos feitos. (…) Este é o momento favorável do Senhor, que nos pede para não nos contentarmos ou nos conformarmos e ainda menos nos justificarmos com lógica substitutiva ou paliativa que nos impede de assumir o impacto e as sérias conseqüências do que estamos vivenciando. Este é o momento propício para nos encorajar a uma nova imaginação do possível com o realismo que somente o Evangelho pode nos proporcionar. (...)".
  • "Nesse período, percebemos a importância de“unir toda a família humana na busca de um desenvolvimento sustentável e abrangente ”(). Cada ação individual não é uma ação isolada, para o bem ou para o mal, tem consequências para os outros, porque tudo está conectado em nossa casa comum; E se as autoridades de saúde ordenam o confinamento em casa, são as pessoas que tornam isso possível, conscientes de sua corresponsabilidade de interromper a pandemia. "Uma emergência como o COVID-19 é derrotada em primeiro lugar com os anticorpos da solidariedade." (...) Não podemos nos dar ao luxo de escrever a história presente e futura de costas para o sofrimento de tantos. É o Senhor que nos perguntará novamente "onde está seu irmão?" (Gên. 4: 9) e, em nossa capacidade de responder, espero que a alma de nossos povos seja revelada, aquele reservatório de esperança, fé e caridade em que fomos gerados e que, por tanto tempo, anestesiámos ou silenciamos."
  • "Se agirmos como um povo, mesmo diante de outras epidemias que nos aguardam, podemos ter um impacto real. Seremos capazes de agir com responsabilidade contra a fome que tantos sofrem, sabendo que há comida para todos? Continuaremos a olhar para o outro lado com um silêncio cúmplice diante das guerras alimentadas por desejos de domínio e poder? Estaremos dispostos a mudar os estilos de vida que mergulham tantos na pobreza, promovendo e encorajando-nos a levar uma vida mais austera e humana que permita uma distribuição equitativa de recursos? Nós, como comunidade internacional, tomaremos as medidas necessárias para conter a devastação do meio ambiente ou continuaremos negando as evidências? A globalização da indiferença continuará ameaçando e tentando a nossa jornada ... Espero que ela nos encontre com os anticorpos necessários da justiça, caridade e solidariedade. Não tenhamos medo de viver a alternativa da civilização do amor, que é “uma civilização da esperança: contra angústia e medo, tristeza e desânimo, passividade e fadiga. (…)".
Proposta de Francisco, em sua própria caligrafia.

Os conceitos de Francisco têm muito a ver com a mensagem 'Urbi et Orbi' ('para a cidade [de Roma] e para o mundo') a que ele se dirigiu cinco dias antes, a partir do Altar da Confissão, na Basílica de São Pedro , Domingo 04/12, domingo de Páscoa, a festa culminante da Páscoa.

Em um fragmento que exibia uma preocupação notável, tanto global quanto pontual, Francisco mencionou aspectos da agenda atual que não aparecem na maioria das manifestações públicas de líderes nacionais.

Entre a carta do Papa e seu discurso, há um eixo que ele usa como fundamento de sua iniciativa, que é a palavra "solidariedade".

O site da cidade-estado teocrática, Vatican News, o reproduziu assim:

  • «(…) Este não é o momento da indiferença, porque todo mundo está sofrendo e deve estar unido para enfrentar a pandemia. O Jesus ressuscitado dá esperança a todos os pobres, aos que vivem nos subúrbios, aos refugiados e aos sem-teto. Não deixe que esses irmãos e irmãs mais fracos, que povoam cidades e subúrbios ao redor do mundo, sejam deixados em paz. Não permitimos que eles percam as necessidades básicas, que são mais difíceis de encontrar agora que muitas atividades estão encerradas, assim como medicamentos e, acima de tudo, a possibilidade de atendimento médico adequado. Levando em consideração as circunstâncias, as sanções internacionais que inibem a possibilidade de os países que os recebem prestar o apoio adequado aos seus cidadãos e se colocam em uma posição em que todos os Estados possam satisfazer as maiores necessidades do momento (...) »
  • "Este não é o momento do egoísmo, porque o desafio que enfrentamos nos une a todos e não faz diferença para as pessoas. Entre as muitas áreas do mundo afetadas pelo coronavírus, coloquei um pensamento especial na Europa. Após a Segunda Guerra Mundial, este continente conseguiu crescer graças a um espírito concreto de solidariedade que lhe permitiu superar as rivalidades do passado. É muito urgente, especialmente nas circunstâncias atuais, que essas rivalidades não recuperem vigor, mas que todas se reconheçam como parte de uma única família e se sustentem. Hoje a União Europeia enfrenta um desafio do tempo, do qual dependerá não somente o seu futuro, mas o de todo o mundo. (…)"
  • "Este não é o momento para divisões. Que nossa paz ilumine aqueles que têm responsabilidades em conflitos, para que tenham a coragem de aderir ao apelo a um cessar-fogo global e imediato em todos os cantos do mundo. Não é hora de continuar produzindo e traficando armas, gastando enormes quantidades de capital que devem ser usadas para curar pessoas e salvar vidas. Em vez disso, é hora de finalmente acabar com a longa guerra que sangrou a amada Síria, o conflito no Iêmen e as tensões no Iraque e no Líbano. Que seja a hora de israelenses e palestinos retomarem o diálogo, encontrar uma solução estável e duradoura que permita que ambos vivam em paz. O sofrimento da população que vive nas regiões orientais da Ucrânia cessa."
  • "Este não é o momento do esquecimento. A crise que estamos enfrentando não nos faz esquecer muitas outras emergências que levam ao sofrimento de muitas pessoas. Que o Senhor da vida esteja próximo das populações da Ásia e da África que estão passando por graves crises humanitárias, como na região de Cabo Delgado, no norte de Moçambique. Aqueca o coração de muitos refugiados e pessoas deslocadas devido a guerras, secas e fomes. Você protege os muitos migrantes e refugiados, muitos dos quais crianças, que vivem em condições insuportáveis, especialmente na Líbia e na fronteira entre a Grécia e a Turquia. E não quero esquecer a ilha de Lesbos. Permitir que a Venezuela alcance soluções concretas e imediatas, destinadas a permitir ajuda internacional à população que sofre com a grave situação política".
O Papa Francisco entra na sua mensagem 'Urbi et Orbi': «Pensamos no projeto de desenvolvimento humano que ansiamos, focado no protagonismo dos povos em toda a sua diversidade e acesso universal aos três T que ele defende: terra, telhado e trabalho , terra, telhado e trabalho«.

Para reforçar esse discurso, naquele mesmo domingo, 12/04, Francisco - em uma demonstração de atividade - publicou uma "Carta do Santo Padre Francisco aos Movimentos Populares", organizações sociais que representam cidadãos empobrecidos, marginalizados e pauperizados. O patrocínio, ou a criação dessas organizações, permitiu à Igreja Católica competir em um espaço onde as igrejas evangélicas carismáticas estão crescendo fortemente, especialmente alguns cultos agrupados nas Assembléias de Deus ou nos Pentecostais. Ambos, por sua vez, corroeram as idéias políticas da esquerda classista, que costumavam tentar se estabelecer nesse estabelecimento sócio-econômico-cultural.

O pontífice avançou com uma iniciativa que rapidamente se estabeleceu em várias latitudes: o salário básico universal:

  • "Eu sei que você foi excluído dos benefícios da globalização. Não desfrute dos prazeres superficiais que anestesiam muitas consciências. No entanto, você deve sempre estar danificado. Os males que afligem todos os afetam duas vezes. Muitos de vocês vivem diariamente, sem nenhuma proteção legal para protegê-lo. Os vendedores ambulantes, os recicladores, os alfaiates, os pequenos agricultores, os trabalhadores, os alfaiates, todos aqueles que realizam atividades de assistência. Vocês, trabalhadores da economia informal, independente ou popular, não têm um salário estável para enfrentar este momento ... E as quarentenas são insustentáveis ​​para você. Talvez tenha chegado a hora de pensar em um salário universal que reconheça e dê dignidade às obras nobres e insubstituíveis que realiza."
  • "Gostaria também de convidá-lo a pensar no 'depois', porque esta tempestade terminará e suas sérias conseqüências já estão sendo sentidas. Você não é imprevisível, tem a cultura, a metodologia, mas, acima de tudo, a sabedoria que se mistura ao fermento para sentir a dor do outro como sua. Pensamos no projeto de desenvolvimento humano que ansiamos, focado no protagonismo dos povos em toda a sua diversidade e acesso universal aos três T que eles defendem: terra, telhado e trabalho, terra, telhado e trabalho. Espero que esse momento de perigo nos separe do piloto automático, abale nossas consciências adormecidas e permita uma conversão humanista e ecológica que ponha fim à idolatria do dinheiro e coloque dignidade e vida no centro. Nossa civilização, tão competitiva e individualista, com seus ritmos frenéticos de produção e consumo, seus luxos excessivos e enormes lucros e ganancias para poucos, precisa desacelerar, repensar e se regenerar. Vocês são construtores indispensáveis ​​dessa mudança inegável; Além disso, possui uma voz autorizada para testemunhar que isso é possível. Você conhece crises e privações ... que com modéstia, dignidade, comprometimento, esforço e solidariedade você consegue se transformar em uma promessa de vida para suas famílias e suas comunidades."
"Então o papa é socialista? Pode parecer que sim, e alguns críticos o denunciam por isso. No entanto, ele já havia endossado outra visão econômica. Alguém que é profundamente religioso."

Certamente, é altamente contraditório, quase incongruente, que apelos à compaixão pelos pobres são feitos no luxuoso Vaticano, onde as cerimônias são abundantes em enfeites e magnificência. Mas quase ninguém percebe essa pergunta.

Alguns vão além e afirmam que o Vaticano ainda não conseguiu resolver as contas irregulares de seu próprio banco IOR, mas sim palestras sobre fome e necessidades.

Nesse contexto, Daniel Di Santo, da revista Trumpet, saiu para o cruzamento de Francisco.

O Trumpet é uma publicação da Igreja de Deus da Filadélfia (PCG, por Philadelphia Church of God), que tem suas raízes na Igreja de Deus Mundial (WCG, da Igreja de Deus Mundial), fundada por Herbert W. Armstrong. Mas após a morte de Armstrong, a WCG rejeitou sua negação da Trindade (Deus, o Pai, Deus, o Filho e o Espírito Santo), e foi assim que aqueles que defenderam Armstrong fundaram a PCG.

O colunista acima mencionado declarou:

"(...) O papa promoveu" mudanças estruturais "e criticou a" economia de exclusão e desigualdade ", que ele diz ser culpada por quem sofre de dificuldades financeiras. (…) »Pode ser o momento de considerar um salário básico universal que reconheça e dignifique as tarefas nobres e essenciais que ele realiza», escreveu ele. "Isso garantiria concretamente e alcançaria o ideal, tanto humano como cristão, de nenhum trabalhador sem direitos".

(...) O papa falou negativamente no passado do capitalismo e dos Estados Unidos. Sua carta de 2013, 'Evangelii Gaudium' (Alegria do Evangelho), chamou as economias capitalistas de livre mercado de "ingênuas" porque "elas confiam na bondade daqueles que exercem poder econômico". Então, ele chamou o capitalismo de "uma nova tirania" e "um sistema financeiro que governa em vez de servir".

(...) Falando sobre o capitalismo em julho de 2015, o Papa Francisco citou um bispo do século IV que chamou a caça gratuita por dinheiro de "esterco do diabo". Em 2016, ele visitou a fronteira entre os Estados Unidos e o México. Respondendo a uma pergunta sobre o plano do então candidato Donald Trump de construir um muro lá, ele disse: "Uma pessoa que pensa apenas em construir muros, onde quer que esteja, e não em construir pontes, não é cristã".

Então o Papa é socialista? Pode parecer que sim, e alguns críticos o denunciam por isso. No entanto, ele já havia endossado outra visão econômica. Alguém que é profundamente religioso.

O Papa Leão XIII promoveu uma ideologia chamada "Terceira Via" em sua exortação apostólica de 1891, 'Rerum Novarum' (Sobre condições de trabalho). Foi uma reação contra o capitalismo e o socialismo, que promoveu uma sociedade corporativista sob a hierarquia católica. O Papa Francisco reconheceu que sua carta de 2013, 'Evangelii Gaudium' (Alegria do Evangelho), é amplamente baseada na exortação de Leão XIII.

Algumas nações tentaram brevemente essa "Terceira Via": o ex-chanceler austríaco Engelbert Dollfuss, o ditador espanhol Francisco Franco e o argentino Juan Peron, todos os quais posteriormente abandonaram ou foram afastados do poder.

Isso é mais do que um acordo econômico. Também é profundamente religioso. Afeta todas as facetas da vida, desde quem tem autoridade do governo até como o governo lida com dinheiro e direitos dos trabalhadores. Sob a "Terceira Via", o Estado controlaria a economia. O governo administraria a sociedade dividindo-a em departamentos separados, como as guildas de artesãos da era feudal. Tudo isso estaria sob a orientação moral e espiritual do catolicismo.

Por que o Papa está se alinhando às causas sociais de esquerda? Estes defendem ideais socialistas que se opõem ao sistema de livre mercado americano. Suas declarações recentes sugerem que o capitalismo causou sofrimento desnecessário durante a crise do coronavírus. No entanto, diferentemente dos socialistas, sua solução é religiosa. (…) »

O brasão de armas do Estado da Cidade do Vaticano, com as duas chaves cruzadas, uma de prata apontando para a direita e a outra de ouro apontando para a esquerda; ambos ligados a um cordão de gules ou azul. Acima das chaves, na cabeça está representada a tiara do pontífice.

Di Santo percebe para onde está indo a estratégia discursiva de Francisco, embora ele não a compartilhe. É evidente que as hipóteses sobre a Nova Ordem pós-pandêmica, que tanto se falou nos últimos dias, provavelmente deveriam contemplar essas questões fundamentais.

Mas Di Santo é uma agulha no palheiro diante da esmagadora influência de Francisco na multimídia global, em uma estrutura de grande necessidade das multidões para encontrar paz e segurança diante do medo do caos e da fragilidade.

Sem dúvida, o apelo de Francisco prevalecerá sobre a raiva e denúncia the Trumpet.

O estágio dinâmico está em movimento. Terá que ser seguido com cuidado.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

- Advertisment -

más leídas

Melhor do que levantar uma Bíblia é lê-la … e aprender

Na tarde de segunda-feira, 06/01, o presidente Donald Trump parou em frente à histórica Igreja Episcopal de São João., no centro de...

4 lições para os cristãos após o mês do orgulho LGBT

4 lições para os cristãos após o mês do orgulho LGBT, especificamente após 28 de junho (Dia Internacional do Orgulho LGBT).

Argentina em quarentena: as chamadas para o número 144 aumentaram 48% (violência de gênero)

Argentina 2020: Houve 48% a mais de ligações para 144 durante o confinamento, o que mostra que as desigualdades ainda são profundas...

O Belgrano que não conhecemos

200 anos após a morte de um patriota latino-americano, Manuel Belgrano. Mas o que sabemos sobre Belgrano? Quando ele...
Y conocerán la verdad, y la verdad los hará libres.