quinta-feira 22 outubro, 2020
Home Entrevistas Adoração em tempos de isolamento
CRISTÃOS E CORONAVIRUS

Adoração em tempos de isolamento

A mudança abrupta nas rotinas desde o início da quarentena compulsória também teve um impacto nos hábitos religiosos e as circunstâncias atuais podem ser a estrutura que nos permite repensar o conceito de adoração e distingui-lo do que é serviço ou culto.

A adoração em tempos de isolamento força a repensar qual é seu verdadeiro papel na vida dos cristãos. Por que é importante saber a diferença entre adoração e culto?

Adoração em tempos de isolamento

Adorar é reverenciar ou adorar um ser considerado de natureza divina e, por outro lado, o culto é uma manifestação externa dessa condição interna.

Definições diferentes, mas relacionadas, são frequentemente misturadas na vida espiritual diária dos fiéis. Talvez o isolamento obrigatório fosse necessário para repensar quais são as idéias verdadeiras e erradas sobre o culto e onde ele diverge do culto congregacional.

Algumas das características são:

Pessoal

A quarentena enfrentou a obrigação de suportar cultos opostos aos habituais, pois se desenvolvem na solidão e despojados da liturgia. Consequentemente, foi exposto o princípio do dever cristão incorporado em Romanos, onde se destaca a qualidade infalível de prestar adoração a partir de motivações pessoais:

"Então, irmãos, eu imploro pelas misericórdias de Deus, que apresentem seus corpos como um sacrifício vivo, santo, agradável a Deus, que é o seu culto racional."
Romanos 12:12

Partilhado

No entanto, o que para muitos tem sido uma novidade, outro grupo de paroquianos já havia enfrentado o dilema de fazer um esforço para frequentar um local físico ou "participar" á distancia devido a facilidades virtuais e acesso à Internet.

É praticamente desnecessário esclarecer que a adoração conjunta não é a mesma que na solidão, embora ambos tenham seu tempo e lugar na vida de um crente. Porém, quando compartilhada, a mensagem é mais do que o conteúdo, mas também é composta pela estrutura que a gera e pela experiência pela qual a mensagem é recebida.

Além disso, o compartilhamento estimula o contato interpessoal, o apoio espiritual e emocional e cria as condições para uma maior reverência.

"Não paremos de nos reunir, como alguns fazem, mas encorajemos uns aos outros, e ainda mais agora que vemos que esse dia está se aproximando."
Hebreus 10:25

Young family studying the Word of God

Interativo

A necessidade de integrar todos os paroquianos em suas habilidades e talentos é um desafio que as congregações em todo o mundo enfrentam. Portanto, as circunstâncias atuais podem ser o pontapé ideal para rever a administração dos serviços de adoração, pois, embora cada membro adore de sua casa, eles também podem perguntar sobre qual é o seu papel em serviços conjuntos.

O apóstolo Paulo deixou evidência suficiente da necessidade de cultos interativos na seção da primeira carta aos coríntios, detalhando a ordem que eles deveriam ter:

"O que concluímos, irmãos? Que, quando se encontram, cada um pode ter um hino, um ensinamento, uma revelação, uma mensagem em línguas ou uma interpretação. Tudo isso deve ser feito para a construção da igreja. Se alguém fala em línguas, dois - ou no máximo três - falam, cada um por sua vez; e alguém interpreta. Se não houver intérprete, permaneça em silêncio na igreja e cada um fale por si e por Deus. Quanto aos profetas, falem dois ou três, e que outros examinem cuidadosamente o que foi dito. Se alguém que está sentado recebe uma revelação, quem está falando está produzindo a palavra. Assim, todos podem profetizar, por sua vez, para que todos recebam instruções e encorajamento."
1 Coríntios 14: 26-32

Ativo para dentro

Esse ponto pode ser o mais desafiador em tempos de isolamento obrigatório, pois, se alguém optou por um comportamento passivo ao assistir aos cultos congregacionais pré-pandêmicos, em casa, a situação o força a mudar sua atitude em pós de uma participativa.

O princípio da conduta ativa é um cimento chave desde a fundação da adoração cristã, tanto na igreja quanto no lar. Isto é o que Paulo expressa em sua carta aos romanos:

"Porque, assim como em um corpo, temos muitos membros, mas nem todos os membros têm a mesma função, também nós, sendo muitos, somos um corpo em Cristo e todos somos membros um do outro."
Romanos 12: 4-8

Proativa para fora

A própria essência de Deus e tudo relacionado a Ele não é viver para si mesmo, mas que toda ação é orientada para o benefício dos outros. Portanto, o culto fiel sempre se torna proativo, a fim de compartilhar o que é recebido, tanto fora das igrejas quanto fora do próprio lar.

"Louve a Jeová, invoque seu nome; divulgar suas obras nas cidades. Cante para ele, cante para ele salmos; fale de todas as suas maravilhas. Gloriai-vos no seu santo nome; alegrem-se os corações dos que procuram a Jeová."
Salmos 105: 1-3

Dotado de significado

Como em outras facetas da vida, é complexo na vida religiosa sair da rotina para realizar atividades com significado, sem se transformar em processos automáticos. Nesse caso, torna-se ainda mais relevante, porque o que está em jogo é a espiritualidade e, para que o significado de cada ritual e metodologia persista, é essencial a busca pela autenticidade e a intenção consciente.

Um exemplo de adoração significativa é a história da viúva que ofereceu com um propósito, ao contrário daqueles que a julgaram desde o lado contrário.

"Quando Jesus se sentou diante da arca da oferta, observou o povo derramar dinheiro na arca; e muitas pessoas ricas jogaram muito. E uma viúva pobre veio e lançou duas brancas, que é um quadrante. Então, chamando seus discípulos, disse-lhes: Em verdade vos digo que esta pobre viúva jogou mais do que todos os que atiraram na arca; porque todos jogaram fora o que sobra; mas este, da sua pobreza, jogou tudo o que tinha, todo o seu sustento."
Marcos 12.41–44

Dirigido

O segundo mandamento do decálogo incorporado em Êxodo 20 explica que o culto deve ser direcionado a Deus e não focado em uma imagem ou em si mesmo.

Algumas religiões contestam essa norma argumentando que os israelitas do Antigo Testamento possuíam objetos de veneração. No entanto, esses instrumentos faziam parte do sistema ritual ordenado por Deus usado para representar idéias abstratas e nunca foram projetados para serem o foco da idolatria.

Da mesma forma, com o surgimento da Igreja Primitiva, objetos e ídolos também não foram reverenciados, embora com o passar dos séculos esse fosse um dos mandamentos mais esquecidos. No entanto, no final dos tempos, será crucial quem, como e através do que é adorado (Apocalipse 21: 8).

Adoração em quarentena

Se existe uma mensagem reavivada entre os cristãos até agora desde o início do COVID-19, é o aviso do significado de uma praga dessas características nos tempos que a originaram.

Nesta linha, todos os tipos de teorías foram arriscados, juntamente com reflexões e apelos de líderes e leigos. O que une a maioria é a sensação de pressa e o convite para despertar do conforto para entender a situação como uma preparação, um treinamento para o que está por vir.

Mas, além desse aviso espiritual, a verdade é que, enquanto as condições continuarem forçando os cultos de dentro das casas, a proposta de repensar o que é e quão verdadeira é a adoração, aquela que Deus prescreve nas Sagradas Escrituras.

A diferença entre a adoração e o culto é mais evidente hoje do que antes da pandemia, uma vez que, em essência, começa dentro da pessoa e depois reverbera nas manifestações externas.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

A mudança abrupta nas rotinas desde o início da quarentena compulsória também teve um impacto nos hábitos religiosos e as circunstâncias atuais podem ser a estrutura que nos permite repensar o conceito de adoração e distingui-lo do que é serviço ou culto.

- Advertisment -

más leídas

Obrigado por isso, por aquilo e por tudo

É notável a quantidade de menções que existem sobre a importância da gratidão e, no entanto, é uma atitude incomum na maioria...

De Daniel ao Apocalipse, semelhantes, mas complementários

Existem quatro livros na Bíblia que são considerados especialmente apocalípticos; Eles são Daniel, Ezequiel, Zacarias e Apocalipse. Então, vamos...
Y conocerán la verdad, y la verdad los hará libres.