sábado 31 outubro, 2020
Home Saudável Como se livrar da culpa e transformá-la em ação reparadora
SAÚDE MENTAL

Como se livrar da culpa e transformá-la em ação reparadora

É o resultado de uma avaliação negativa de si mesmo, como outras emoções autoconscientes. Torna-se visível no comportamento de diferentes maneiras e pode até se tornar trauma. Mas antes desse ponto, existem várias estratégias para enfrentá-lo e alcançar o bem-estar interno.

Como se livrar da culpa e transformá-la em ação reparadora?

Emoções autoconscientes

As emoções são os protagonistas cada vez mais frequentes dos produtos de entretenimento, assumiram tópicos de pesquisa em psicologia e até se tornaram a estratégia de marketing por excelência.

Embora, em termos gerais, eles geralmente diferenciam entre positivo e negativo, todos são intrínsecos e indispensáveis ​​ao ser humano. Os avanços científicos na inteligência emocional buscam estabelecer um equilíbrio saudável entre cada um deles.

Surpresa, raiva, felicidade, tristeza, medo e nojo eram tradicionalmente consideradas as seis emoções básicas. No entanto, nos últimos anos, eles juntaram repulsa - raiva e medo - surpresa depois de descobrir que eles vêm de uma fonte comum, simplificando-os em quatro principais (tristeza, felicidade, raiva, medo).

Da riqueza desse primeiro grupo, existem infinitas combinações que dão origem a outros. É o caso dos autoconscientes, que são orgulho, vergonha e culpa, cujo nome indica que eles exigem uma avaliação prévia de si mesmo.

Sua complexidade também é dada porque são essencialmente sociais, sempre aparecem quando se relacionam interpessoalmente. Nesse sentido, eles tendem a agir motivando ou restringindo determinado comportamento.

A esse processo interno são adicionados os valores, normas e parâmetros culturais aprendidos principalmente na infância, a fim de construir os critérios morais do bem e do mal.

Culpa perseguidora

A culpa é uma avaliação negativa de si mesmo desencadeada por um evento específico, pode ser um comportamento, uma cognição ou um sentimento próprio.

Por um lado, essa desaprovação é um processo de aprendizado quando um erro foi cometido. Mas, por outro lado, pode ser uma emoção persecutória que invade a mente, causando um ciclo interminável de pensamentos autodestrutivos, que paralisa e aprisiona a pessoa em seu mundo interior.

A diferença entre os dois extremos é que, naturalmente, alguns indivíduos dificilmente ativam esse estado, enquanto em outros o impacto é maior e baseiam suas decisões nas idéias resultantes.

Apresenta também outra dualidade, uma vez que, de uma perspectiva, pretende ser uma atitude de vitimização e, de outra, uma preferência de sentir-se culpado e não insignificante.

Em outras palavras, é mais confortável se encarregar de um mal para enfrentar que certas ações ou sentimentos não influenciaram outros.

Quando é fortemente perseguidor, torna-se visível:

  • Fisicamente: como dor no peito, cabeça, costas ou estômago.
  • Emocionalmente: irritabilidade, nervosismo, tristeza.
  • Outros processos mentais, como auto-acusações, auto-estima que prejudicam pensamentos ou ruminação obsessiva.

Pontapé de trauma

A culpa é o ponta pé ou critério para outros distúrbios, como depressão, transtornos obsessivos, luto complicado, vícios e estresse pós-traumático.

No entanto, antes de um diagnóstico, a emoção está freqüentemente ligada à ansiedade, que afeta a vida de 260 milhões de pessoas no mundo desde tenra idade e com intensidades crescentes.

Durante episódios particularmente ansiosos, o indivíduo estimula conclusões dogmáticas e exaustivas que prejudicam sua auto-estima e, se mantidas ao longo do tempo, podem colocá-lo em um estado de desamparo, de modo que ele se torna traumático.

A morte de um ente querido, o divórcio, um evento violento, um acidente ou situações de abuso podem gerar esse distúrbio na pessoa que recebeu o dano.

Nesses casos, uma causa específica não é mais procurada porque a conexão com o que aparentemente causou a culpa foi perdida, e agora é apenas uma autopunição baseada em razões inconscientes sobre o que poderia ter sido feito para evitar o mal ou torná-lo menos prejudicial.

Apesar de sempre ser aconselhável procurar um especialista para detectar automatismos dessa natureza, nas histórias de trauma o tratamento psicoterapêutico é ainda mais premente.

Técnica do "eu observador".
-----------------------------

Como se livrar da culpa e transformá-la em ação reparadora

A culpa em si mesma gera apenas desamparo, deterioração psicológica, angústia crônica, ressentimento e possivelmente leva a perpetuar o comportamento que a originou.

Por outro lado, quando promove a avaliação consciente e o esforço para transformá-lo em ação restaurativa, leva ao bem-estar interno e ao desenvolvimento de habilidades cognitivas complexas.

Expor-se à vergonha do erro ou enfrentar-se após evitar leva a uma sensação de liberdade. Mas como não é uma tarefa simples, existem ferramentas para alcançá-lo:

  • Se o erro for realmente seu, bem como a capacidade de resposta, a solução é realizar atividades que corrijam a falha.
  • Tome a atitude do "eu observador", tome consciência de suas próprias ações, assuma-as e deixe a realidade da fantasia entrar em uma experiência de empoderamento.
  • Aceitar erros não significa falhar, mas dar o primeiro passo em direção à mudança. Igualmente, admita que nem tudo de ruim acontece por causa de suas cognições ou comportamentos.
  • Depois de detectar os episódios em que a culpa apareceu com mais clareza, comece a refletir sobre por que isso aconteceu e que idéias a incentivam.
  • Preste atenção às distorções cognitivas que podem estar dominando as decisões.
  • Aprenda a gerenciar o pensamento dos ruminantes.
  • Perdoe e perdoe a si mesmo.

O pai da Psicologia Positiva, Steve Hayes diz em "Saia da sua mente, entre na sua vida"

Existe uma diferença pequena, mas muito importante, entre aceitar responsablemente e aceitar com responsabilidade. Aceitar uma responsabilidade muitas vezes carrega a implicação de culpa. Culpar é o que fazemos quando tentamos motivar as pessoas a mudar seu comportamento ou a fazer as coisas corretamente. Mas aceitar a ideia de que 'eu sou um fracasso' realmente pode motivar alguém a mudar?

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

É o resultado de uma avaliação negativa de si mesmo, como outras emoções autoconscientes. Torna-se visível no comportamento de diferentes maneiras e pode até se tornar trauma. Mas antes desse ponto, existem várias estratégias para enfrentá-lo e alcançar o bem-estar interno.

- Advertisment -

más leídas

Você tem um templo e a questão é como você cuida dele

Cada vez mais escolhidos Mais e mais pessoas estão optando por reduzir o consumo de alimentos de origem...

Dura competência entre Trump vs. Biden pelo voto dos eleitores católicos

No jornal The Washington Post, Matt Wiser descreve a situação: "A luta para conquistar eleitores católicos indecisos nas eleições...
Y conocerán la verdad, y la verdad los hará libres.