sexta-feira 30 outubro, 2020
Home Entrevistas Menos verdades em um mundo mais exposto
PANOPTIC DIGITAL

Menos verdades em um mundo mais exposto

Os valores culturais hoje postulam que, quanto maior a transparência, maior o acesso ao significado das coisas. É necessário publicar tudo divertido, engraçado, honrado, mas passa despercebido como o controle é exercido e quem vence, na nova dinâmica social explicada pelo filósofo Byung Chul Han.

Menos verdades em um mundo mais exposto, como visto nas redes sociais. Transparência não é sinônimo de precisão, diferentemente do que os políticos destacam em seus discursos, as empresas em suas apresentações e as pessoas em seus perfis.

Exposição

Mais de 3 bilhões de pessoas se conectam diariamente às redes sociais, configurando 42% da população mundial que transforma seus dados em fluxo virtual.

Segundo as estatísticas de 2019, o Facebook excedeu 2,3 ​​bilhões de usuários ativos mensais e o Instagram gerou mais de 14 bilhões de dólares em lucros.

Mas o fenômeno não se traduz apenas em aumento de registros, mas também na extensão progressiva do tempo diário gasto.

Diante desse cenário, os valores e princípios ponderados pela cultura moderna foram rapidamente transformados. E, nesse contexto, o conceito de transparência surge como lema para instituições e assuntos.

No livro 'The Society of Transparency', o filósofo sul-coreano Byung Chul Han define a exposição como a consumação do capitalismo e descreve que no mundo de hoje tudo é transformado para fora, descoberto, despido, e despido "tudo se torna uma mercadoria" .

Longe de uma visão fatalista de hoje, é essencial questionar (e questionar-se):

O que é visto nas redes além de corpos, rostos, vidas, intimidades, opiniões e privações voltadas para o fluxo virtual?

Filósofo sul-coreano Byung Chul Han.

Intimidade

O Instagram relatou em 2019 que 500 milhões de usuários veem e publicam histórias por dia em todo o mundo.

Nesse contexto, muitos pensadores na entusiasmo de querer entender tudo, desenvolveram teorias fatalistas sobre o papel das redes sociais que apenas aumentavam o preconceito das pessoas, principalmente das gerações mais jovens.

No entanto, Han opta por comparar os valores exaltados no século XVIII com os atuais. Naquela época, a vida parecia um estágio teatral, onde o contato tátil não era permitido, a comunicação ocorria através de símbolos e os sentimentos eram representados.

Mas hoje o mundo não é palco, mas um mercado em que as intimidades são exibidas, vendidas e consumidas. Enquanto representado anteriormente, hoje é exposto.

“A coerção de entregar tudo à comunicação e visibilidade é obscena. É obsceno colocar o corpo e a alma diante dos olhos”.

Quando tudo está à vista, não há hermenêutica, profundidade ou senso a descobrir e, portanto, é imposta transparência que elimina assimetrias, anivela e estabelece homogeneidade.

Então, o que acontece com a intimidade que se acreditava intrínseca ao ser humano? Quão sincero é o lema que garante que, quanto maior a revelação de sentimentos e emoções íntimas, maior a revelação da alma?

O filósofo sul-coreano elucida que tal equação está errada: exposição e verdade não são duas variáveis ​​que correm em paralelo.

Sociedade teatral versus sociedade de mercado.

Controlar

Até recentemente, em qualquer tipo de sociologia ou história, o conceito de controle era ensinado a pensar em termos de um panóptico: a sociedade era monitorada do ponto de vista despótico.

Por outro lado, inaugurada no século XXI, instala-se uma iluminação perspectivista que “é mais eficaz, porque pode ser produzida de todos os lados, de qualquer lugar; é mais, de cada um deles”. Dessa maneira, com toda a paisagem iluminada, nada excede a visão dos outros.

Com as redes sociais posicionadas na rotina diária das pessoas, as instituições de controle renunciam a suas funções. Assim, por exemplo, um grupo do Facebook de uma determinada comunidade atua como um boletim de notícias, onde não apenas é informado, mas também é acusado, processado e determina sentenças sociais.

A coisa mais curiosa que o filósofo enfatiza sobre esse aspecto é que as regras mudaram tanto que agora são os mesmos sujeitos que colaboram “despindo-se” à vista dos outros. Da mesma forma, cada um vigia cada um.

Panóptico digital.

Menos verdades em um mundo mais exposto

A transparência não é o resultado das possibilidades oferecidas pelas tecnologias da informação e comunicação, nem é a manifestação de um maior desenvolvimento da sociedade, mas é a consumação do objetivo de otimizar, exibir e explorar órgãos.

No entanto, o lema da exposição não é apenas um requisito individual e pessoal, mas um imperativo econômico: a hiperluminação de uma pessoa maximiza a eficiência econômica através da entrega de si e de seus dados.

Há dois anos, cada pessoa gerava 45 dólares por ano de lucro para o Google e 20 para o Facebook. Esses valores multiplicados por cada usuário excedem o PIB de 40 países.

Um jornalista da The Week disse que “nada está é graça no momento. Se parecer gratuito, significa que o custo está oculto. E quando o custo está oculto, é difícil saber se vale a pena pagar. ”

Assim, ao contrário do que se pensa, a publicação do todo não esclarece, mas penetra, homogeneiza, nivela e intriga o acesso ao verdadeiro.

Além do potencial oferecido pelas redes sociais, é imperativo estar ciente de que a transparência não é o caminho seguro para a verdade, como ela mesma se chama.

A fórmula que atinge o pico, a menos que oculte mais autenticidade, nem sempre se aplica. Pelo contrário, o contrato traz controle e controlados, permissão para penetrar em intimidades e ganhar milhões ao fazê-lo.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Os valores culturais hoje postulam que, quanto maior a transparência, maior o acesso ao significado das coisas. É necessário publicar tudo divertido, engraçado, honrado, mas passa despercebido como o controle é exercido e quem vence, na nova dinâmica social explicada pelo filósofo Byung Chul Han.

- Advertisment -

más leídas

Dura competência entre Trump vs. Biden pelo voto dos eleitores católicos

No jornal The Washington Post, Matt Wiser descreve a situação: "A luta para conquistar eleitores católicos indecisos nas eleições...

Você tem um templo e a questão é como você cuida dele

Cada vez mais escolhidos Mais e mais pessoas estão optando por reduzir o consumo de alimentos de origem...
Y conocerán la verdad, y la verdad los hará libres.