tube bombshell kameya.
3gp japanese filthy snatch gets fully pleasured.

NICODEMOS VISITA A JESUS

Uma noite em Jerusalém

Enquanto Jesus permaneceu em Jerusalém na Páscoa do ano 30, ele realizou milagres incríveis. Nicodemos, um fariseu membro da suprema corte judaica ou Sinédrio, ficou impressionado e quis saber mais sobre aquele personagem que estava mudando a história.

Assim como Lázaro, Nicodemos é um personagem mencionado apenas por João, que dedica a Nicodemos mais da metade do capítulo 3 do seu evangelho, alguns versículos do capítulo 7 e uma menção no capítulo 19; e a Lázaro o capítulo 11 e até parte do 12. Outra curiosidade é que a consequência da ressurreição de Lázaro, de acordo com João, incitou a decisão do Sinédrio de assassinar Jesus. Nicodemos era um membro do Sinédrio.

A primeira vez que Nicodemos aparece na história do evangelista é uma noite que ele procura Jesus, intrigado com os milagres realizados por aquele que era chamado “Rabi” embora não tivesse sido reconhecido como tal pelo Sinédrio.

De qualquer forma, Nicodemos, membro do Sinédrio, diz: "Sabemos que você veio como um mestre de Deus, porque ninguém pode fazer os milagres que você faz se Deus não estiver com ele".

Sem dúvida, uma contradição porque ele visitandolo no escuro, provavelmente por medo de que outros líderes judeus o vissem com o homem de Nazaré, manchando sua reputação.

E é contraditória, porque, em seu papel como membro do conselho governante judeu, Nicodemos poderia invocar, se ele tivesse que dar uma explicação, que sua responsabilidade era encontrar outros professores ou outras figuras públicas que pudessem levar as pessoas ao erro.

Evidentemente, então, Nicodemos preferia um diálogo só, sincero, deixando de lado toda a formalidade inquisitiva.

O Grande Sinédrio.

O Sinédrio

No período do Segundo Templo, o Grande Sinédrio reunia-se no Salão chamado de pedras esculpidas (Lishkat Ha-gazith), na parede norte do Monte do Templo em Jerusalém, sendo metade no interior do santuário e a outra metade fora dele, com portas de acesso ao Templo e ao exterior.

Seu nome vem da "sinedro" grega (simpósio e, portanto, "assembléia", "comitê" e "conselho"). Mas o conceito remontase a muitos anos antes: Deus ordenou a Moisés "reune para mim ["Espah-Li"], 70 homens dos anciãos de Israel, que conheças que são os anciãos e oficiais do povo, e você deve os levar para a Tenda do Encontro, e eles estarão lá com você" (Números 11:16).

O Grande Sinédrio se encontrava todos os dias, exceto nos festivais judaicos e no sábado (Shabat). O Sinédrio consistia de 71 membros: o Sumo Sacerdote e 70 homens proeminentes da nação.

Não foi o Sinédrio com autoridade reduzida o que foi restaurado em Yavne após a destruição de Jerusalém pelos romanos.

O Sinédrio foi atribuído funções que os tribunais judeus menores não possuíam. Somente o Sinédrio poderia julgar o rei, expandir os limites do Templo e de Jerusalém e resolver todas as questões sobre a interpretação da Lei.

Antes de 191 a. C., o Sumo Sacerdote agia ex officio como chefe do Sinédrio, mas quando o Sinédrio perdeu a confiança no Sumo Sacerdote, o cargo de Nasi (presidente) foi criado.

Após o tempo de um contemporâneo de Jesus, Hillel, o Velho (final do século I a. C. e início do século I d. C.), o Nasi era quase sempre um descendente de Hilel.

O segundo maior membro do ranking do Sinédrio foi chamado Av Beit Din, ou "Chefe da Casa da Lei"), que presidia o Sinédrio, quando ele estava em sessão em um papel de tribunal criminal. É importante considerá-lo porque, algum tempo depois, o Sinédrio foi o organismo que julgou Jesus e o acusou perante o prefeito romano da Judéia, Pôncio Pilatos.

O Sinédrio, embora tivesse uma competência importante em algumas das decisões do Império Romano, não conseguiu se desfazer da vida de ninguém.

Por exemplo, o Sinédrio reuniu-se na casa de Caifás, Sumo Sacerdote, para planejar a prisão de Jesus e convencer o delegado romano Pilatos a sentenciá-lo à morte. Ele também determinou o preço a ser pago a Judas.

No Sinédrio, havia pelo menos três pessoas que simpatizavam com Jesus: Nicodemos, José de Arimateia e Gamaliel, mestre de Saulo de Tarso.

Gamaliel foi quem aconselhou seus companheiros a pararem de assediar os discípulos de Jesus. "Caso contrário", disse ele, "talvez você esteja realmente lutando contra Deus" (Atos 5: 38-39).

No tempo dos romanos, o Sinédrio era composto de representantes de

** a aristocracia (saduceus, que presidiam o tribunal),
** os líderes comuns (fariseus, "Perushim" ou "os segregados"),
** os escribas eruditos (também do grupo dos fariseus).

A escadaria, ao lado do imenso arco, permitia o acesso ao pórtico real. Atrás dessa escadaria, o ponto de encontro do Sinédrio.
Modelo completo do 2º. Temple.

Diferenças

Os saduceus eram aristocratas judeus, que pertenciam à classe social superior e também ocupavam posições significativas de poder.

Eles eram responsáveis ​​por manter a paz entre judeus e romanos. Esse trabalho tornou os saduceus mais ocupados na política do que na religião.

Dizem que seu nome vem da palavra grega "syndikoi" (autoridade fiscal, isto é, sua origem é comercial ou política, e não religiosa). Mas, ao se relacionar com o Sinédrio, eles começaram a ter conexões religiosas. Por exemplo, eles não acreditavam na vida após a morte e negavam que Deus interviesse em assuntos pessoais.

Em vez disso, os fariseus eram um movimento religioso e social, e uma escola de pensamento judaica durante o período do Segundo Templo.

Os fariseus acreditavam que seu movimento nasceu durante o período do cativeiro babilônico (587 a. C.-536 a. C.). Alguns os consideravam os sucessores dos hassidim (devotos).

Dos fariseus surgiu a linha rabínica ortodoxa que escreveu os diferentes Talmuds.

Eles acreditavam na liberdade humana, na imortalidade da alma, na eterna punição e recompensa, na ressurreição. E a obrigação de obedecer a sua tradição interpretativa referindo-se a obrigações religiosas: além da lei escrita (Torá ou Pentateuco) recolhiam tradições e modos de cumprir as exigências da Lei, que veio a ser recebida como uma Torá oral.

De acordo com a Mishná (compilação de lei judaica), o Sinédrio era o único tribunal com autoridade para tratar questões de importância nacional, lidar com os juízes que desafiaram suas decisões e julgar falsos profetas. Assim, Jesus e Estêvão apareceram diante do Sinédrio, acusados ​​de blasfêmia; Pedro e João, de subverter a ordem social, e Paulo, de profanar o templo (Marcos 14:64; Atos 4: 15-17; 06:11; 23: 1; 24: 6).

Segundo o historiador Josefo, os saduceus se somavam às exigências dos fariseus, às vezes com relutância.

Esta situação foi a que aproveitou Saulo de Tarso, o ex-fariseu ja tornado o apóstolo Paulo, para se defender perante o Sinédrio (Atos 23: 6-9).

Contudo, sabendo Paulo que uma parte do Sinédrio se compunha de saduceus e outra de fariseus, bradou diante de todos: “Irmãos, eu sou fariseu, filho de fariseus. Eis que estou sendo julgado por causa da minha esperança na ressurreição dos mortos!”.

Ao proferir essas palavras, estabeleceu-se uma violenta polêmica entre os fariseus e os saduceus e a assembleia ficou dividida.

Porquanto, os saduceus afirmam que não existe ressurreição nem anjos nem espíritos. Os fariseus, porém, acreditam em tudo isso.

Houve, então, muita discussão e gritaria. Alguns dos mestres da lei que eram fariseus se levantaram e começaram a esbravejar: “Não encontramos neste homem mal algum! Quem pode garantir que não foi mesmo um espírito ou anjo que falou com ele?”.

Nicodemos estava em sérios problemas espirituais porque suas convicções vacilavam.

O dialogo

A troca entre Jesus e Nicodemos é uma das conversas mais famosas dos evangelhos.

É um diálogo afável e respeitoso, mas ao mesmo tempo exigente.

Nicodemos estava em sérios problemas espirituais porque suas convicções vacilavam. Seus amigos fariseus declararam-se contrários a Jesus, apesar dos milagres que Ele realizou e da autoridade que Ele invocou. Mas Nicodemos teve muitas dúvidas sobre o julgamento de seus amigos.

No final, seu dilema foi o mesmo dos discípulos. Não importa a diferença de educação ou papel social: Jesus era realmente o Messias, ou não?

Nicodemos admitiu que Jesus era um mestre. Ele também aceitou que Jesus tinha sua origem em Deus, porque ele viu os milagres que eram para a cura; mas era o Messias? Essa foi sua dúvida e sua busca cautelosa.

Jesus imediatamente confronta Nicodemos e leva-o para outro cenário: "É necessário nascer de novo" (João 3: 3).

Nicodemos fica chocado porque Jesus descarta seu papel de autoridade entre os judeus ao dizer-lhe que, como líder dos judeus, ele deveria saber o que estava dizendo (João 3:10).

Jesus quer ensinar a Nicodemos que, independentemente da sua religião ou seu papel formal, cada pessoa precisa receber o novo nascimento, para ter a resposta de que si ele e ou não o Messias.

Jesus está explicando que a crença em Deus é algo diferente do que até então tinha suposto Nicodemos.

Jesus é enfático: "Em verdade vos digo que aquele que não nascer da água e do Espírito não pode entrar no reino de Deus".

Para reconhecê-lo como Messias, Nicodemos precisava de uma nova perspectiva da sua religião, suas crenças e sua própria fé.

No entanto, parece que as lutas internas de Nicodemos faziam dificil de entender o que Jesus estava ensinando sobre o Reino. Portanto, Jesus dá mais detalhes, apelando para a memória histórica dos judeus: "Como Moisés levantou a serpente no deserto, assim deve ser levantado o Filho do Homem para que quem crê nele tenha a vida eterna" (João 3:14, 15).

Durante o êxodo, em meio a episódios de intenso ceticismo que enchiam a maior parte da multidão em seu caminho para Canaã, uma praga de cobras venenosas atacaram o povo. Deus ordenou a Moisés para fazer uma serpente de cobre e quando alguém foi mordido se olhasse a escultura, viveria (Números 21: 9).

"Como Moisés levantou a serpente no deserto, assim deve ser levantado o Filho do Homem para que quem crê nele tenha a vida eterna".

Cada pessoa é como o povo de Israel: merecendo morrer pelos seus pecados no deserto. A religião formal de Nicodemos não pôde salvá-lo. Ele precisava acreditar no poder expiatório de Jesus, que era a maneira certa de olhar para ele.

Nicodemos queria saber mais sobre Jesus e ele, então, explicou sua missão, para que ele não o considerasse um inimigo, mas um Redentor.

Jesus ofereceu uma explicação detalhada do novo nascimento, e é neste contexto que o texto de João 3:16 ocorre, um dos versos mais marcantes da Bíblia: "Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito para que todo aquele que nele crê não se perca, mas tenha a vida eterna".

Então ele deixa Nicodemos com um ensinamento tranquilizador: "Deus não enviou seu Filho ao mundo para que ele julgasse o mundo". Isso significa que Jesus não foi enviado para condenar a humanidade à morte, mas, como ele mesmo declara, "para que o mundo seja salvo por ele" (João 3:17).

Jesus não esquece que Nicodemos foi visitá-lo no escuro por medo do que dirão. Portanto, é interessante que Ele conclua a conversa com estas palavras:

E o julgamento é este: que a luz veio ao mundo, mas os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más

Pois todo aquele que pratica o mal odeia a luz e não se aproxima da luz, temendo que as suas obras sejam expostas.

"Mas quem pratica a verdade vem para a luz, para que se veja claramente que as suas obras são realizadas em Deus.” João Batista exalta Jesus.

O relato de João não especifica se Nicodemos acreditou naquela noite, mas alguns capítulos depois, ele defende Jesus contra alguns fariseus, dizendo que eles devem ouvir Jesus antes de julgá-lo (João 7: 50-51).

E ele esteve envolvido no enterro de Jesus (João 19:39), levantando outra grande contradição: O que um fariseu estava fazendo no enterro de alguém entregue à morte pelos próprios fariseus? Tudo indica que, naquele ato público, Nicodemos revelou suas convicções. Nicodemos confessou seu amor por Cristo quando Pedro, Tiago e André o abandonaram.

Assim, a conversão de Nicodemos acaba por ser um exemplo do que Jesus falou a si mesmo naquela noite: "O vento sopra onde quer, e você ouve seu som, mas não sabe de onde vem ou para onde vai; assim é todo aquele que é nascido do Espírito" (João 3: 8).

No Comments Yet.

Leave a comment

deutsche sex lecken negerinnen.girlsway redhead milf lesbian scissoring babe in group.