sábado 8 agosto, 2020
Home Notícia Argentina em quarentena: as chamadas para o número 144 aumentaram 48% (violência...
GÊNERO

Argentina em quarentena: as chamadas para o número 144 aumentaram 48% (violência de gênero)

Embora dados abrangentes ainda não tenham sido relatados globalmente, de acordo com a ONU, a violência doméstica tende a aumentar nas circunstâncias atuais. Em resposta, ele produziu uma lista de diretrizes para as vítimas e seus círculos próximos. Na Argentina, o governo lançou um plano de ação na última sexta-feira para lidar com o problema.

Argentina 2020: Houve 48% a mais de ligações para 144 durante o confinamento, o que mostra que as desigualdades ainda são profundas e a violência está aumentando.

A linha telefônica 144 foi criada em 2013 para atender aos objetivos estabelecidos pela Lei 26.485 (Proteção Integral à Mulher), artigo 9 (Conselho Nacional da Mulher). O objetivo é oferecer atenção, contenção e aconselhamento em situações de violência de gênero. Não é uma linha de emergência (para casos de risco, é o 911).

No mesmo cenário, 7 em cada 10 pessoas no setor de saúde entre 25 e 64 anos são mulheres. Embora, por exemplo, na província de Buenos Aires, eles ocupem apenas 25% da gerência executiva em hospitais. Além disso, as médicas ganham 20% menos que seus colegas do sexo masculino *.

Os perigos de "ficar em casa"

Enquanto o slogan "fique em casa" é instalado, os perigos para as mulheres são ampliados desde o início da quarentena.

Especificamente, comparado ao ano passado, houve um aumento de 48% nas ligações para 144, a linha direta nacional de consultoria e contenção.

Somente em Buenos Aires houve quase 20 mil ligações no confinamento, o que representou um aumento exponencial em relação a 2019. Além disso:

  • Entre 20 e 31 de março, foram recebidas 2.082 ligações, com uma acentuação de 36% em relação ao ano passado.
  • Em abril de 6.191 ligações foram registradas, 52,3% a mais.
  • Em maio, eram 5.688, 42,5% a mais do que em 2019.
  • Em junho, foram registradas 5.781 ligações, com um aumento de 54% em relação ao ano anterior.

Além disso, centenas de contatos telefônicos foram encaminhados automaticamente para o 911 devido a circunstâncias extremas.

Segundo o Escritório do Ombudsman, 133 vítimas foram registradas no primeiro semestre de 2019, 137 no mesmo período em 2018 e 151 em 2017.

As estatísticas oficiais para 2020 ainda não estão disponíveis, mas alguns meios de comunicação independentes, como o Observatório da Violência de Gênero Agora que Nos Encontram, afirmam que:

  • De janeiro a junho de 2020, foram relatados 162 feminicídios.
  • 70% dos casos ocorreram dentro das casas das vítimas.
  • 47% nas mãos do casal.
  • 33 mulheres haviam feito queixas anteriores.
  • 11 tiveram medidas judiciais.
Relatório do Gabinete de Violência Doméstica do Supremo Tribunal de Justiça da Nação.

Um problema global

De acordo com as Nações Unidas, a violência contra as mulheres pode causar trauma e graves problemas de saúde física, mental, sexual e reprodutiva, incluindo infecções sexualmente transmissíveis, HIV, gravidez não planejada e até morte.

Em períodos de crise de saúde como o atual, a instituição afirma que esses eventos tendem a se intensificar, embora ainda não existam dados coletados em todo o mundo.

De qualquer forma, a ONU declarou que países como China, Reino Unido e Estados Unidos já observaram um aumento considerável no índice de agressividade doméstica durante a pandemia do COVID-19.

Outras nações relataram uma diminuição no número de vítimas solicitando ajuda, mas deve ser levado em consideração que o medo de infecção e as restrições de movimento são fatores que condicionam o número de queixas.

Apesar de não ter precedentes para o cenário atual, a epidemia de Ebola na África mostrou que gravidezes indesejadas, mortalidade materna e neonatal aumentam em crises de saúde.

Mas esses não são os únicos efeitos, mas o impacto econômico cria as condições para que haja mais:

  • propensão à exploração sexual;
  • perda de renda e emprego que afeta principalmente mulheres no setor informal;
  • perda de autonomia econômica;
  • dificuldades em se afastar e denunciar o agressor.

Em resposta, na sexta-feira passada, o presidente argentino, juntamente com a ministra das Mulheres, Gênero e Diversidade da Nação, Elizabeth Gómez Alcorta, lançou o Plano Nacional de Ação contra a Violência por Razões de Gênero.

Em ato realizado por videoconferência, foi apresentado o pacote de medidas e projetos de prevenção e proteção. Basicamente, propõe a criação de centros integrais, a modernização da linha 144 e um programa de assistência e acompanhamento monetário para pessoas em situações de risco.

O mais novo é que, para este plano do ciclo 2020-2022, serão alocados 18 bilhões de pesos, principalmente focados em tarefas de prevenção.

ONU Mulheres e Facebook lançaram campanha #Quedateconectada para ajudar mulheres em perigo em suas próprias casas

Orientações

A ONU disponibilizou uma série de diretrizes práticas para lidar com o estresse em casa durante o isolamento e também medidas a serem tomadas em casos de violência contra si mesmo ou um membro da família.

• “Esteja ciente de que o isolamento social, quarentena e estranhamento podem afetar você e o bem-estar psicológico de sua família.

Na medida do possível, reduza as causas do estresse, ao procurar:

1. procure informações em fontes confiáveis ​​e reduza o tempo gasto consumindo notícias (1 ou 2 vezes por dia, em vez de a cada hora);

2. peça apoio a sua família e amigos por telefone, email, mensagens de texto, etc; o manter rotinas diárias e gastar tempo fazendo atividade física e dormindo;

3. faça exercícios de relaxamento (por exemplo, respiração lenta, meditação, relaxamento muscular progressivo e exercícios de aterramento) para mitigar pensamentos e emoções que causam tensão; e

4. realizar atividades que em ocasiões anteriores a ajudaram a superar momentos adversos.

• Mulheres que sofrem violência podem achar útil:

1. Entre em contato com familiares e amigos que possam ajudá-los com questões práticas (por exemplo, alimentação e cuidados com as crianças), além de superar o estresse.

2. Desenvolva um plano de segurança para preservar sua segurança e a de seus filhos, caso a violência piore. O plano inclui ter os números de telefone de vizinhos, amigos e familiares para os quais eles podem ligar ou acessar se precisarem de ajuda; mantenha documentos importantes, dinheiro e alguns pertences pessoais à mão para levar com você, caso precise sair de casa imediatamente; e planeje como sair de casa e peça ajuda (por exemplo, transporte e localização).

3. Tenha detalhes de linhas de apoio, assistentes sociais, agências de proteção à criança, a delegacia mais próxima, abrigos e serviços de apoio acessíveis. Agir com discrição para impedir que o casal ou parentes encontrem essas informações.”

Linha de contenção, informação e aconselhamento gratuita para vítimas de violência de gênero.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Embora dados abrangentes ainda não tenham sido relatados globalmente, de acordo com a ONU, a violência doméstica tende a aumentar nas circunstâncias atuais. Em resposta, ele produziu uma lista de diretrizes para as vítimas e seus círculos próximos. Na Argentina, o governo lançou um plano de ação na última sexta-feira para lidar com o problema.

- Advertisment -

más leídas

Como um hamster na roda, a felicidade que você procura não existe

Como um hamster na roda, a felicidade que você procura não existe porque o ser humano se acostuma e tende a retornar...

Dormir bem aumenta a criatividade

Dormir bem aumenta a criatividade e talvez a melhor coisa antes de um problema não seja gastar cada vez mais tempo procurando...

7 remédios naturais para combater a ansiedade

7 remédios naturais para combater a ansiedade são recomendados para recuperar o corpo física e emocionalmente. No entanto, antes...

Cesarianas: por que estão substituindo cada vez mais o parto normal?

Cesarianas: por que estão substituindo cada vez mais o parto natural? Por que atingem até 70% se não reduzem a mortalidade materna...
Y conocerán la verdad, y la verdad los hará libres.