segunda-feira 13 julho, 2020
Home Notícia Coronavírus, liberdade religiosa e eleições
DISPUTA NA CORÉIA DO SUL

Coronavírus, liberdade religiosa e eleições

A liberdade religiosa é um direito inegociável. Se a liberdade religiosa depende de oportunidades ou de questões do momento, não é liberdade religiosa. Na Coréia do Sul, ocorre uma situação muito delicada com uma igreja que alguns chamam de seita, mas mesmo quando era, nada merece a perseguição que foi desencadeada por aqueles que buscam um sacrifício expiatório pelo coronavírus que ninguém impediu em Seul.

Embora 01/03 seja um dos cultos religiosos mais alegres da Coréia do Sul, em comemoração ao Dia do Movimento da Independência, um número sem precedentes de igrejas foi fechado naquele domingo em resposta ao surto de coronavírus.

"Foi a primeira vez que as igrejas adiaram oficialmente seus cultos em 100 anos de história protestante e 200 anos de história católica [na Coréia]", disse Won Jae-chun, professor da Universidade Global Christian Handong em Pohang. "Isso não aconteceu nem durante a Guerra da Coréia."

Em Seul, a maior igreja do mundo, o Pentecostal Yoido Full Gospel, anunciou que iria transmitir seus serviços a portas fechadas a seus meio milhão de membros.

Outras mega-igrejas, com mais de 50.000 membros cada, também transmitem seus serviços via streaming.

Mais da metade das 500 pesquisadas pelo Instituto de Dados do Ministério, apoiadas pela Igreja Presbiteriana da Coréia (Tonghap) e outras mega-igrejas coreanas, declararam que não compareceram ao culto por causa do coronavírus e preferiram examinar algumas das Canais de programação cristã de 4 horas.

"O número de igrejas que estão se voltando para o culto online ou familiar está aumentando", disse Choi Kyu-hee, no Conselho Nacional de Igrejas da Coréia. "Nas igrejas que ainda mantêm o culto em pessoa, alguns medem a temperatura dos fiéis na entrada e exigem máscaras e desinfetantes para as mãos".

Mas Shincheonji é diferente.

Na Coréia do Sul, o número de casos confirmados de coronavírus SARS-CoV-2 atual chegou a 7.400 na manhã de segunda-feira 03/09. Como muitos deles se relacionam com a misteriosa Igreja de Shincheonji de Jesus, a organização se tornou um ímã para a raiva do público e uma janela para preconceitos de longa data.

O surto se concentrou em Daegu, uma cidade de aproximadamente 2,5 milhões no sudeste do país, onde um devoto da congregação de Shincheonji, de 61 anos de idade, conhecida como "Paciente N°31" , infectou muitos outros fiéis durante os cultos religiosos..

Os participantes usando máscaras rezam durante um culto na Igreja do Evangelho Pleno de Yoido, em Seul, Coréia do Sul, no domingo 03/01/2020. A igreja decidiu disponibilizar seus cultos dominicais somente on-line para a segurança dos membros em meio à disseminação do Covid-19.
—————————————

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças da Coréia do Sul informaram que, no sábado 7/03, 63,5% de todos os casos confirmados no país estavam "relacionados a Shincheonji".

O governo, após uma resposta inicial lenta e ingênua - o Presidente Moon Jae-in, atual líder do Partido Democrata da Coréia, foi mal aconselhado, porque estimou em meados de fevereiro que o Covid-19 "desapareceria em breve" -, agora acelerando para máxima sua ofensiva, tentando conter a epidemia porque em 15/04 haverá eleições parlamentares.

As autoridades iniciaram um vasto e rápido programa para avaliar pacientes em potencial que contrataram o Covid-19.

O programa é aberto a todos (incluindo imigrantes sem documentos) e é gratuito para quem revela sintomas ou tem um encaminhamento médico relacionado ao coronavírus. Clínicas especiais foram estabelecidas e mais de 196.000 pessoas foram avaliadas na segunda-feira de manhã 09/03.

Mas a raiva não para porque a Coréia do Sul tem o 2º. maior número de casos confirmados de Covid-19, depois da China, e aparece um nome: Shincheonji, que tem sido intimamente associado ao surto.

Diz-se que algumas práticas de Shincheonji (sigilo, proibição de máscaras de saúde, oração em estreita proximidade) ajudaram a espalhar a doença entre suas congregações. 31", infectou muitos outros fiéis durante serviços religiosos.

Lee Man-hee falando durante uma conferência de imprensa. Ele fundou a Igreja de Jesus Shincheonji em 1984.
——————————

Histórias

Igreja de Jesus ou Templo do Tabernáculo do Testemunho ou Igreja de Jesus Shincheonji é um movimento religioso cristão fundado em 14/03/1984 na Coréia do Sul.

Os devotos acreditam que o fundador da congregação, Lee Man-hee - anteriormente membro de outro movimento religioso chamado The Olive Tree - é o Messias retornado e que a Bíblia está escrita em metáforas secretas que somente Lee pode interpretar corretamente.

Shincheonji é de caráter apocalíptico e messiânico, descrito como um culto ao fim do mundo.

Ele também acredita que, no Dia do Julgamento, Lee levará 144.000 seguidores ao Céu com ele.

Conhecido pelo proselitismo agressivo em sua atividade evangélica, Shincheonji foi acusado de se infiltrar em outras igrejas para tentar seduzir os membros dessas congregações.

No Reino Unido, em novembro de 2016, a Igreja da Inglaterra (Anglicanismo) emitiu um alerta para 500 paróquias em Londres sobre as atividades de um grupo afiliado a Shincheonji conhecido como Parachristo, que ministrava cursos de estudos bíblicos nas Docklands e tentou recrutar membros da Igreja da Inglaterra.

"Aqueles que se envolvem [em Shincheonji] gradualmente se afastam de seus amigos e familiares e mentem ativamente sobre suas vidas reais", disse Nicky Gumbel, vigário de Holy Trinity Brompton; e John Peters, reitor da Igreja de Santa María.

Em agosto de 2019, a Convenção Batista em Manipur, na Índia, alertou os fiéis a desconfiarem de Shincheonji: "Uma vez que estão nesse grupo, passam a maior parte do tempo convidando as pessoas a se juntarem ao grupo de Shincheonji e gastando menos tempo. com suas famílias, amigos e igrejas e eles negligenciam e deixam seus estudos ou trabalho".

De acordo com um ex-membro, Advent Kim, que agora ajuda as famílias afetadas: “O grupo ensina que não há problema em mentir sobre sua fé para proteger a organização. Eles fazem lavagem cerebral em todo mundo”, disse ele à mídia sul-coreana.

Autoridades do governo que fecham um templo da igreja Shincheonji em Gwangju, Coréia do Sul.
——————————

A política

Os líderes da Igreja foram acusados ​​de reter deliberadamente informações sobre seus membros, dificultando os esforços das autoridades de saúde para rastrear e avaliar todas as pessoas que possam ter tido contato com alguém infectado pelo vírus.

Por esse motivo, o fundador de Shincheonji pode ser acusado de assassinato.

A igreja refutou todas as acusações. "Quero oferecer minhas sinceras desculpas às pessoas, em nome dos membros", disse Lee Man-hee, ajoelhado diante dos jornalistas. "Não foi intencional, mas muitas pessoas foram infectadas", lamentou, de acordo com a agência da AFP.

Em uma "Carta de Apelação" publicada em seu site na quarta-feira 04/03, ele afirmou que "foram relatados cerca de 4.000 casos de injustiça contra os paroquianos de Shincheonji" desde o início do surto.

Alguns membros foram demitidos por seus empregadores por pertencerem a Shincheonji, outros foram abusados ​​por seus cônjuges.

O site da igreja mantém uma página sob o título "Covid-19 / Verificador de fatos" (Covid-19 / Verificando fatos).

A Igreja Shincheonji de Jesus foi fundada em 1984 por Lee Man-hee, agora com 88 anos, que é apresentado como o "Pastor Prometido" enviado por Jesus e o único homem capaz de decifrar o Livro do Apocalipse.

Shincheonji afirma que tem mais de 245.000 seguidores.

Cerca de 27% dos sul-coreanos se identificaram como cristãos no Censo Nacional de 2015. O país possui dezenas de mega igrejas protestantes, incluindo algumas das maiores do mundo.

Somente em Seul e arredores, existem 15 igrejas com mais de 10.000 membros cada. No ano passado, mais de 28.000 missionários da Coréia do Sul participaram de atividades em 171 países.

Grupos cristãos convencionais, muitos dos quais são protestantes, rejeitam os ensinamentos de Lee Man-hee, chamando Shincheonji de "seita". A Igreja Presbiteriana da Coréia afirma que as opiniões do Sr. Lee, incluindo, por exemplo, que Jesus não está encarnado em Deus, são "heréticas" e "anticristãs".

Congregação em um templo de Shincheonji.
——————————

Mas ser chamado de "seita" é uma coisa, e ser responsabilizado por iniciar uma epidemia é outra. No entanto, parte da opinião pública, a mídia e os líderes políticos igualaram as duas acusações, por medo ou confusão ou por simples conveniência (o governo deve ser liberado de sua responsabilidade porque há eleições).

Sem um candidato claro para suceder o Presidente Moon em maio de 2022, vários candidatos correm para estabelecer suas credenciais para esse cargo. Com todos os assentos na Assembléia Nacional disputando em abril, as eleições serão como um termômetro para aquela grande corrida.

Em 25/02, Lee Jae-myung, governador da província de Gyeonggi e também afiliado do Partido Democrata no poder, montou um circo de mídia na sede de Shincheonji junto com 40 funcionários públicos próximos a ele, com a decisão de se recuperar e se a lista de pessoas que frequentavam a igreja era forçosamente necessária.

Alarmadas com o surto, as autoridades sul-coreanas pediram a Shincheonji um registro completo de seus fiéis em todo o país. "Mas parece claro que a lista que eles deram ao governo estava incompleta e eles não conseguiram localizar todos", disse Paul Cha, professor de estudos coreanos na Universidade de Hong Kong.

Quando lhe disseram que estava violando direitos como a propriedade privada, o governador respondeu: "Estamos em estado de guerra", o que implica que os direitos dos cidadãos devem ser respeitados apenas em tempos de estabilidade ou paz.

Poucos dias depois, o ministro da Justiça, Choo Mi-ae, aliado do presidente e ansioso por herdá-lo, ordenou aos promotores que investigassem Shincheonji, apesar dos promotores de Daegu dizerem que precisavam de mais tempo para decidir se um mandado de busca era devido.

Então, foi o prefeito de Seul Park Won - que pediu aos promotores para apresentar queixa contra os líderes de Shincheonji por "assassinato e negligência intencional".

Park tentou concorrer à presidência em 2017 e falhou, mas sua tática agora visa projetar autoridade e, assim, atrair a atenção da mídia e a opinião pública.

Aparentemente, não importa que Kim Kang-lip, o vice-ministro da Saúde, tenha declarado publicamente que Shincheonji continua a cooperar e fornecer os dados solicitados.

Kim também alertou que a repressão à igreja pode assustar seus membros, fazer com que eles se escondam e, assim, complicar os esforços para conter o surto.

Imagem de pessoas atendidas no hospital Daegu, onde ocorreu um positivo para coronavírus: o profissional de saúde ocultou sua identidade como membro do culto Shicheonji liderado pelo pastor Lee Man-Hee.
——————————————-

Outro ponto de vista

Schincheonji também cuida de defensores. Por exemplo, Massimo Introvigne escreveu no site do Centro Studi sulle Nuove Religioni (Cesnur), uma defesa estrita do culto sul-coreano:

«(…) Como estudioso que estudou Schincheonji, estou preocupado que a mídia internacional que obviamente não sabe nada sobre o assunto tenha“ descoberto ”esta igreja durante a noite devido aos incidentes de coronavírus na Coréia do Sul e tenha repetido informações imprecisos encontrados na Internet a partir de fontes de baixo nível.

Ainda mais preocupante é o fato de que os membros de Shincheonji que contraíram o vírus e que são vítimas desta história estão sendo tratados injustamente pela mídia sul-coreana e descritos como "sectistas". Pior ainda, alguns membros de Shincheonji foram insultados, discriminados e forçados a deixar o emprego, como bodes expiatórios do que se tornou histeria nacional e internacional sobre o vírus.

Pelo que verifiquei, Shincheonji está cooperando com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças da Coréia (KCDC) para conter o coronavírus, cumprindo todas as instruções das autoridades e até realizando testes para detectar o vírus a todos os seus membros. às suas custas.

Alguns políticos e meios de comunicação na Coréia do Sul estão bodejando Shincheonji pelas epidemias, a fim de desviar a atenção do público das críticas generalizadas feitas a eles pelo fato de que, apesar das preocupações expressas pela Associação Médico coreano, a Coréia do Sul não proibiu a entrada de viajantes chineses no país.

A agência de notícias estatal da Coréia do Sul, Yonhap News, mencionou a possível ligação entre a chegada de mil estudantes chineses em viagens escolares a Daegu no mês passado e o surto de epidemias na cidade.

Em vez disso, Shincheonji é injustamente culpado, mesmo que, 24 horas após um de seus devotos seja identificado como infectado pelo vírus, ele forneceu às autoridades uma lista completa de seus membros. Os membros também foram incentivados a dizer a seus colegas de trabalho e a seus chefes que eles pertencem a Shincheonji; Não é um pequeno passo, pois, devido às campanhas anti-Shincheonji, elas geralmente mantêm um perfil discreto no local de trabalho e agora correm o risco de serem insultadas, ameaçadas e até perder o emprego.

O sentimento anti-Shincheonji na Coréia do Sul é alimentado por grupos cristãos fundamentalistas, que são muito mais influentes naquele país do que em outras partes do mundo e são perturbados pelo rápido crescimento de Shincheonji. Esses grupos têm uma história de propaganda negativa contra Shincheonji, acusando seus membros de serem rotineiramente sequestrados e confinados a sujeitá-los a conversão forçada (desprogramação), e agora chegaram ao ponto de acusar Shincheonji de espalhar o vírus intencionalmente e pedir dissolução. Shincheonji é forçado. Espalhar notícias falsas em tempos de crise nacional é perigoso e irresponsável.

Mais veneno na atmosfera levou à realização de eleições políticas na Coréia do Sul em 15 de abril, e esse discurso de ódio contra novos movimentos religiosos é usado tanto como ferramenta eleitoral quanto como forma de desviar a atenção das críticas públicas. políticos lidando com a crise do coronavírus; e o fato de o Rev. Jeon Kwang-hoon, Presidente do Conselho Cristão Coreano e líder da principal coalizão anti-Shincheonji na Coréia do Sul, ter sido preso em 24/02 sob a acusação de violar a lei de campanha eleitoral.

Alguns grupos fundamentalistas estão usando a epidemia de vírus como pretexto para intensificar sua campanha contra Shincheonji, esperando que o vírus consiga alcançar o que não conseguiu, ou seja, interromper o crescimento espetacular de Shincheonji, que ocorre em grande parte às suas custas. . Enquanto Shincheonji certamente tem uma teologia peculiar, e é normal que outros discordem dela, os protestantes fundamentalistas anti-cultos coreanos agora estão envolvidos em uma forma vergonhosa de lucro. A mídia internacional responsável deve ser cautelosa ao cooperar inadvertidamente com ele.”

O controverso Lee Man-hee, fundador da Igreja de Jesus Shincheonji.
——————————

Cooperação

A maioria das congregações religiosas trabalhou em estreita colaboração com o governo e espalhou atritos com Shincheonji.

A Igreja Onchun, em Busan, a segunda maior cidade da Coréia, anunciou que estava "investigando a possibilidade de Shincheonji se infiltrar em nossa igreja" depois de fechada na cidade, após o primeiro caso confirmado de coronavírus entre seus paroquianos. 21 de fevereiro.

A igreja, da Igreja Presbiteriana Coreana (Kosin), realizou uma reunião de presbíteros de emergência e iniciou a cooperação com as autoridades de saúde. No entanto, os casos do Covid-19 rastreados até Onchun foram 32, metade de todos os casos na cidade de 3,5 milhões de pessoas, e uma decisão drástica foi tomada.

Em uma carta anunciando o fechamento da Igreja entre 26 de fevereiro e 14 de março, o pastor sênior Lee Jae-hoon explicou:

Historicamente para a Igreja coreana, o Sábado Santo era um padrão religioso muito importante, e havia alguns antecessores em nossa fé que sofreram muito por mantê-lo. Alguns fizeram o possível para escapar de regimes opressivos, enquanto outros ficaram felizes em sofrer desvantagens sociais por manter o Sábado Santo. Portanto, essa decisão pode ser vista por alguns como degradação espiritual ou compromisso mundano. É muito doloroso e triste não poder se unir para adorar."

Mas se a igreja puder ajudar a parar o surto desta doença mais rapidamente suspendendo temporariamente as reuniões e reuniões de culto, não há mais nada a debater….

A perseguição

As pessoas estão ansiosas e é compreensível.

Dizem que alguns pacientes com coronavírus morreram em casa depois de serem rejeitados em hospitais que ficaram sem leitos de pacientes.

Mais tarde, porém, alguns hospitais também relataram que rejeitavam pessoas que apresentavam sintomas do Covid-19 se não tivessem viajado recentemente para a China ou não fossem membros de Shincheonji.

Isso também destaca e estigmatiza a igreja, gerando ressentimento contra ela.

Em uma pesquisa publicada em 02/03 pelo pesquisador local Realmeter, mais de 86% dos entrevistados disseram querer Shincheonji investigado para que as autoridades pudessem verificar sua participação.

Uma petição pedindo a dissolução de Shincheonji foi enviada ao site oficial do Presidente e recebeu mais de 1,25 milhão de assinaturas.

Além disso, antes de 03/05, havia uma petição exigindo a remoção do Sr. Moon, que obteve o apoio de mais de 1,4 milhão de assinaturas. (A população total do país está perto de 52 milhões).

Os partidos de oposição criticaram a Administração da Lua por administrar a emergência causada pela epidemia, argumentando que desde o final de janeiro deveria ter bloqueado todas as chegadas de viajantes da China, muito antes da explosão dos casos relacionados a Shincheonji, para meados de fevereiro.

Obviamente, nada disso absolve Shincheonji de possíveis irregularidades.

Às vezes, seus líderes são deliberadamente provocativos: Lee disse inicialmente que a epidemia foi o resultado de "o mal que ficou com ciúmes do rápido crescimento de Shincheonji", antes de chamá-la de "uma grande calamidade" em uma entrevista coletiva em uma das os prédios da igreja perto de Seul.

Do lado de fora daquele prédio, uma mulher estava segurando uma faixa denunciando a "pseudo-religião" porque ela disse que estava procurando por sua filha, um membro de Shincheonji, que ela não via há anos. Essa mãe não é a primeira pessoa a acusar a igreja de doutrinar um parente ou forçar os membros a romper os laços com a família.

Mas mesmo que a pior dessas alegações fosse verdadeira, Shincheonji também teve a infelicidade de pegar o coronavírus à sua maneira. E agora ele está pagando um preço alto pelo preconceito público e pelo oportunismo político de uma próxima eleição.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

- Advertisment -

más leídas

Melhor do que levantar uma Bíblia é lê-la … e aprender

Na tarde de segunda-feira, 06/01, o presidente Donald Trump parou em frente à histórica Igreja Episcopal de São João., no centro de...

4 lições para os cristãos após o mês do orgulho LGBT

4 lições para os cristãos após o mês do orgulho LGBT, especificamente após 28 de junho (Dia Internacional do Orgulho LGBT).

Argentina em quarentena: as chamadas para o número 144 aumentaram 48% (violência de gênero)

Argentina 2020: Houve 48% a mais de ligações para 144 durante o confinamento, o que mostra que as desigualdades ainda são profundas...

O Belgrano que não conhecemos

200 anos após a morte de um patriota latino-americano, Manuel Belgrano. Mas o que sabemos sobre Belgrano? Quando ele...
Y conocerán la verdad, y la verdad los hará libres.