Mais uma vez, a tentativa de construir o Reino desde o poder

Mobilização evangélica contra a legislação pró-aborto.

O caso mais divulgado na Argentina ocorreu graças a Amália Íris Sabina Granata, deputada provincial em Santa Fé, personagem 'consumível' pela mídia para o movimento antiaborto denominado 'Ola Celeste', que se transformou no partido "Somos Vida" e foi membro da frente eleitoral "Unite por la Vida y la Familia".

A razão para esses consensos conjunturais foi a rejeição de modificações na legislação a respeito da interrupção voluntária da gravidez ou aborto. Claro, era curioso que a identidade dos evangélicos estivesse ligada, como bandeira central da opinião pública em geral, a esse slogan e não ao tema que eles desenvolvem em suas pregações, resumido em “amar a Deus e ao próximo como você mesmo".

Aliás, a festa Somos Vida propõe: “Para mudar é preciso começar do início. A maternidade vulnerável e a primeira infância são a nossa prioridade”.

Granata arrancou votos para que também entrassem como legisladores o advogado constitucional Nicolás Mayoraz e o devoto evangélico Walter Ghione, entre outros, para além das posteriores divergências que estes referentes tiveram entre si.

Anos antes de Granata, ficou conhecida a experiência da economista Cynthia Hotton, que foi deputada nacional como aliada do Recriar para o Crescimento, partido político liderado por Ricardo López Murphy até que, sem seu fundador, se fundiu com o Compromiso por el Cambio  no partido PRO (Proposta Republicana).

Foi apoiada pela ACIERA (Aliança Cristã de Igrejas Evangélicas da República Argentina), hoje presidida por Rubén Proietti, acompanhada por Christian Hooft e Osvaldo Carnaval.

Em qualquer caso, ACIERA não é a única associação de evangélicos. Por exemplo, também é conhecida a FAIE (Federação Argentina de Igrejas Evangélicas), presidida por Néstor Míguez (Igreja Metodista), Juan Ángel Gutiérrez (Anabatista Menonita) e Osvaldo Corazza (Exército de Salvação).

Hotton liderou, em maio de 2010, a oposição ao casamento entre pessoas do mesmo sexo ou casamento igual na Câmara dos Deputados e liderou manifestações contra isso.

É a fundadora do partido Valores pelo Meu País, cuja promessa é “Promovemos a vida, a família, a educação e a liberdade como pilares para uma Argentina melhor”, e pelo menos nas eleições de 2019 participou na Frente NOS.

De qualquer forma, o espaço evangélico mais ativo hoje em dia é o iniciado por Ghione, Uma Nueva oportunidad (ONE).

Segundo o site Letrap, além do referido deputado provincial, o evangélico de Lanús (Grande Buenos Aires Sul), Diego Villamayor; Ana Valoy de Tucumán, Roberto Torres de Pampas e Leandro Jacobi de Entre Ríos, entre outros.

Todos eles estiveram ou ainda permanecem no PRO, dentro da coalizão Juntos pela Mudança, que se opõe a mudar a legislação sobre o aborto enquanto a Frente de Todos, no governo, promete modificá-la para desregulamentá-la.

Permanece com esses objetivos no PRO, a deputada nacional Dina Rezinovsky, da Cidade de Buenos Aires.

Em Córdoba, o legislador Macrista Soher El Sukaría, promoveu a sanção do Dia das Igrejas Evangélicas. Algum tempo depois, o atual prefeito da cidade de Córdoba, Martín Llaryora, em viagem de proselitismo, compareceu a uma cerimônia da Igreja Visão do Futuro e se fotografou com o pastor Omar Cabrera Jr., que se autodenomina "semeador e guerreiro, professor e evangelista, pioneira de uma nova direção de evangelismo".

Segundo o referido Villamayor, também trabalham para obter adesões na área sindical e explicaram que o objetivo é que a UNO se incorpore à aliança Juntos pela Mudança em igualdade de condições com os demais partidos políticos participantes.

É precisamente por isso que falam em construir um partido nacional que represente as suas ideias. Claro, então, eles especulam sobre chegar ao poder.

Entre ego e fé

Há certa semelhança entre esses evangélicos e os judeus sionistas, representados por vários partidos políticos no Parlamento israelense; e os evangélicos que apóiam a reeleição de Donald Trump nos Estados Unidos: para todos eles, o chamado Reino de Deus começa nesta Terra, e eles devem se esforçar para alcançar um governo para cumprir essa meta.

Qual é a fronteira entre a vaidade humana e o compromisso com Deus? Difícil, polêmico, muito complicado avaliá-lo desde a limitada visão humana. Não seria correto especular sobre isso. No entanto, é causa de várias reflexões.

Aqui começa um debate teológico, que eles não estão dispostos a dar, sobre se o Reino de Deus é desta Terra ou se vai acabar com a Ordem governante nesta Terra. Em qualquer caso, a questão central para os cristãos deve ser o retorno do Messias porque Ele executará o Julgamento e a mudança.

Uma questão que desperta interesse é que palavras como Deus ou Cristão não aparecem nos títulos ou nos slogans do partido. Talvez eles acreditem que isso se esgotou quando os católicos organizaram o Partido Democrata Cristão no mundo, que por tanto tempo co-governou a Itália e se envolveu em escândalos de corrupção.

É controverso circunscrever o cristianismo a alguns valores morais, como a oposição ao aborto irrestrito. Ou trace uma linha direta entre a rejeição da igualdade no casamento e a Bíblia.

Acontece que, com bases muito sólidas, muitos líderes religiosos afirmam que o mandato dos cristãos é viver como filhos de Deus, pregar sua palavra e mudanças nas pessoas virão em adição ou como consequência do novo nascimento dessa pessoa.

De alguma forma, eles descobrem, esses esforços político-eleitorais têm alguma semelhança, por exemplo, com a teocracia que João Calvino impôs em Genebra (Suíça), e que ele cometeu atos cruéis que ainda escandalizavam a sociedade secular.

Afirmam também que se trata de pessoas que têm objetivos e simpatias político-partidárias e a religião é apenas um dos veículos possíveis, principalmente pelo potencial de eleitores que podem conseguir.

Por exemplo, o referido Valoy em sua conta na rede Twitter, apresenta sua ideologia: "Vida, Família e anticorrupção." Muitos se identificarão com esses objetivos, mas não necessariamente tem a ver com a pregação do Evangelho.

Muitos ateus também podem ser identificados com esses 'rótulos' ou 'tags' - assim é dito na linguagem da Internet - então a questão é onde está 'a questão cristã' no slogan.

Claro, o jornalismo político é atraído pela novidade de outra tentativa dos evangélicos de construir um movimento pelo poder secular e pelas negociações para alcançá-lo.

No entanto, aqueles que questionam tudo isso insistem nas palavras de Jesus: "Dai a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus".

Os evangélicos que participam da política insistem que não podem permanecer passivos diante das mudanças de valores que não compartilham e que ocorrem na sociedade, e é isso que os leva a participar.

Seus críticos dizem que está muito bem, mas por que deveriam fazê-lo a partir de crenças religiosas quando são questões morais? Eles acrescentam que o Cristianismo causou uma revolução cultural e espiritual no Império Romano sem ter que participar de algumas das conspirações políticas que estavam ocorrendo em Roma.

De qualquer forma, o debate é muito interessante e força uma pergunta: onde está o Reino de Deus? Terá de ser seguido com atenção.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.