Uma voz a favor do secularismo na suposição de Lacalle Pou

lacalle
Luis Alberto Alejandro Aparicio Lacalle Pou e Daniel Sturla.

Uma voz a favor do secularismo, assumindo Luis Alberto Alejandro Aparicio Lacalle Pou, levantou-se para demonstrar que o chamado à oração inter-religiosa, pública e em conjunto com os governantes, viola o princípio da separação Igreja-Estado. Este é o pastor metodista Raúl Sosa que publicou uma carta alguns dias atrás. No entanto, o evento foi realizado hoje normalmente diante dos olhos dos uruguaios e do mundo.

Uma voz a favor do secularismo na suposição de Lacalle Pou

Enquanto as sessões ordinárias do Congresso estavam sendo abertas na Argentina, no país vizinho, comemoraram a ascensão do novo presidente, Luis Lacalle Pou, que lidera uma aliança multipartidária após três esforços consecutivos da Frente Amplo da Esquerda.

Como geralmente acontece nessas ocasiões, os líderes religiosos fazem chamadas para suas comunidades para orar. Nesse caso, o convite particularmente ecumênico foi convocado pelo cardeal católico Daniel Sturla para hoje às sete da tarde na Catedral Metropolitana de Montevidéu para orar pelos novos governantes.

Mas a sugestão do caso é que, no evento aberto ao público, o recente presidente tenha participado, além de ministros, legisladores, assessores e membros do corpo diplomático.

No entanto, nesse contexto, foi o líder metodista Raúl Sosa que, na sexta-feira, alertou sobre o significado de tal reunião, expressando sua rejeição ao convite por meio de uma carta na qual ele levantou uma voz a favor do secularismo, na hipótese de Lacalle Pou.

Segundo o pastor, o evento viola o princípio do Estado secular e rompe a separação entre a Igreja e o Estado, que é “um valor muito precioso em nosso país que garante a coexistência pacífica das várias correntes de pensamento e religiosas da sociedade. enquanto viabiliza a liberdade de pensamento e adoração.”

Pastor metodista Raúl Sosa.

Metodistas defendem o secularismo

O cardeal Daniel Sturla liderou a oração inter-religiosa pelo país e seus governantes, um dia depois de ter participado do ato de assunção de Luis Lacalle Pou. Além da Igreja Católica, participaram as congregações judaica, luterana, anglicana e algumas evangélicas representadas pelo pastor da igreja evangélica armênia.

Dias antes, Sturla comentou no rádio que “entre várias igrejas e a comunidade judaica, concordamos em fazer este convite ao governo que está entrando, mas está aberto a todas as pessoas que desejam participar. Vamos orar pela pátria, que é a grande contribuição que as igrejas podem dar, além do que cada uma delas e a comunidade judaica fazem em tantas áreas diferentes da sociedade.”

Nesse contexto, a igreja metodista declarou em uma carta que, apesar de acreditarem na oração como "um mandato bíblico", rejeitam o chamado à oração ecumênica.

Assinado pelo pastor Raúl Sosa, o documento afirma que é necessário “falhar e evitar tudo o que apóia e sacraliza, ou que leva a pensar que qualquer corrente de pensamento ou posição que viole os direitos de tudo e de todos”.

Com uma visão aguda do secularismo, o líder religioso afirma que nos últimos anos foi possível observar como setores da Coalizão Governamental, juntamente com a Igreja Católica e algumas congregações evangélicas, “realizaram ações políticas e cerimônias religiosas que ignoram a saudável separação da Igreja e do Estado”.

Por essas razões, ele considera inadequado participar da convocação na Catedral de Montevidéu, pois “com dor vimos ao longo da história da Igreja como ela se separou de Deus e distorceu o evangelho quando, de uma maneira ou de outra, ela aliou-se ao poder. A Igreja deve manter essa distância crítica com o poder, típica do papel profético que sempre é chamado a cumprir em benefício, neste caso, do próprio governo e poder político, e de uma maneira especial e preferencial em benefício dos impotentes, ou seja, dos que mais sofrem, dos pobres e diferidos”.

Além disso, o pastor Sosa enumerou uma lista de fatos que explicam o impacto do secularismo no país de Charrúa:

  • No dia do Exército celebravam-se missas com a presença e participação ativa do pessoal das Forças Armadas, que compareciam com seus uniformes e escudos representando o Estado nacional.
  • A reabertura de uma capela católica em um hospital público que pertence e é financiado pelo Estado.
  • Atos de proselitismo durante a campanha eleitoral, antes das eleições internas, em templos e no quadro de celebrações religiosas em algumas igrejas evangélicas.
  • Financiamento e uso da infraestrutura eclesial na campanha política, como vimos claramente na Igreja Mission Life”.
Saudação entre o Presidente entrando e o cardeal Sturla ontem depois de tomar posse.

Oração ecumênica na Catedral Metropolitana

Acompanhado pelo pessoal de segurança, o Presidente Lacalle Pou chegou à Catedral e foi recebido com aplausos no edifício religioso cheio de assistentes. O ato começou com um discurso sobre unidade e oração em nome do cardeal Sturla.

Durante cerca de uma hora, ocorreu a apresentação de um coral, a leitura de um fragmento bíblico e a pronúncia das palavras de cada líder religioso diante dos líderes e do público em geral. No final do evento, acenderam-se velas representativas do trabalho dos presentes, fizeram o Pai Nosso e uma oração judaica.

Para encerrar, Lacalle Pou e seu corpo governante receberam uma bênção conjunta, seguida pelo "amém" do público presente.

Todos os líderes religiosos que estavam presentes foram:

  • Cardeal Daniel Sturla (arcebispo de Montevidéu)
  • Dom Arturo Fajardo (Presidente da Conferência Episcopal do Uruguai, Bispo de San José)
  • Pastor Jerónimo Granados (Ministro da Igreja Evangélica do Rio da Prata)
  • Bispo Daniel Genovesi (Bispo da Igreja Anglicana do Uruguai)
  • Pastor Pedro Lapadjian (Igreja Evangélica Armênia)
  • Ravino Daniel Dolinsky (Rabino da Nova Congregação Israelita do Uruguai)
  • Ravino Max Godet (Grande Rabino dos Kehila)
Em novo presidente na Catedral Metropolitana de Montevidéu.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.