sexta-feira 18 setembro, 2020
Home Notícia Uma em cada 10 crianças deve trabalhar para sobreviver
DIA MUNDIAL CONTRA O TRABALHO INFANTIL

Uma em cada 10 crianças deve trabalhar para sobreviver

Uma em cada 10 crianças deve trabalhar para sobreviver. A ONU prevê que as estatísticas piorem até o final do ano devido à crise econômica causada pela pandemia.

12 de junho marca o Dia Mundial contra o Trabalho Infantil. A campanha envolve 152 milhões de crianças, 72 milhões das quais realizam tarefas perigosas e estão expostas a doenças, negligência e escravidão.

O UNICEF diferencia a própria exploração de tarefas colaborativas. Neste último caso, trata-se apenas da participação positiva em uma atividade econômica que não afeta a saúde, o crescimento ou a educação.

Em vez disso, o trabalho infantil é reduzido a formas prejudiciais, pagas ou não, que comprometem o desenvolvimento físico, mental, social ou educacional.

Infelizmente, uma em cada dez crianças deve trabalhar para a subsistência e as estatísticas pioram nos países pobres para uma em cada quatro crianças.

Embora o número tenha diminuído 94 milhões desde 2000 devido ao foco na educação como método, a taxa de redução diminuiu dois terços nos últimos anos.

Por esse motivo, as Nações Unidas propõem como objetivo do desenvolvimento sustentável o fim do trabalho infantil em todas as suas formas até 2025.

No entanto, esse objetivo é implausível em um contexto em que 40,3 milhões de pessoas vivem em condições de escravidão em todo o mundo. Além disso, em relação às crianças:

  • Metade dos 152 milhões tem entre 5 e 11 anos.
  • 42 milhões (28%) têm entre 12 e 14 anos.
  • 37 milhões (24%) têm entre 15 e 17 anos.

As vidas que personificam esses números estão concentradas em 71% na agricultura de subsistência ou comercial, como pesca, silvicultura, pecuária e aquicultura.

2021 será o Ano Internacional para a Erradicação do Trabalho Infantil, conforme declarado pela ONU, a fim de eliminar rapidamente o problema.

O discurso da meritocracia romantiza crianças pobres que estudam e trabalham.
-------------------------------------

Invisível na América Latina

Em 2002, a Organização Internacional do Trabalho instituiu o dia 12 de junho como o Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil como estratégia para destacar a relevância e o alcance do problema global, principalmente porque as porcentagens mostram que essas crianças são encontradas em todos os países. as esferas da economia.

No entanto, são invisíveis porque estão fora de vista nas plantações, no fundo das oficinas de têxteis, entrando pela porta de serviço em casas luxuosas, em minas, latas de lixo ou pescando no rio.

Na América Latina, existem 10,5 milhões de infâncias escondidas por trás das atividades laborais e 6 milhões delas estão em perigo diariamente.

Dada a fragilidade das administrações estaduais, as constantes desvalorizações e crises experimentadas nos últimos anos, os três primeiros países a liderar a lista com mais trabalho infantil são:

  • Bolívia com 26,4%.
  • Paraguai com 22,4%.
  • Peru com 21,8%.
Infâncias invisíveis nas grandes cidades.
------------------------------------

O impacto do COVID-19

Após a decretação da pandemia do COVID-19, os sistemas produtivos foram paralisados ​​para evitar a propagação acelerada do vírus.

Nessa situação, as crianças são uma das principais vítimas, pois por trás do problema de saúde está a pobreza e a inércia que as induzem a começar o trabalho ilegal ou aumentam as horas diárias para colaborar na provisão do lar.

Um documento publicado hoje pela Save the Children e UNICEF estima que até o final deste ano mais 86 milhões de crianças viverão em famílias pobres, ou seja, isso significará um aumento de 15% em média.

Os efeitos prejudiciais do surto não são eqüitativos em todo o mundo, mas a maior acentuação pode ser registrada nos países da Europa e Ásia Central em 44%, enquanto na América Latina e no Caribe em 22%.

Além disso, são meninas e mulheres que constituem o setor mais vulnerável devido à desigualdade no acesso ao sistema de saúde e a empregos bem remunerados.

De acordo com a UNICEF, “a perda imediata de renda torna mais difícil para as famílias obter produtos básicos, como alimentos e água, é menos provável que tenham acesso a cuidados médicos ou educação e estão mais expostas ao perigo de casamento infantil, violência, exploração e abuso”.

Meninas e mulheres são o setor mais vulnerável.
----------------------------

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Uma em cada 10 crianças deve trabalhar para sobreviver. A ONU prevê que as estatísticas piorem até o final do ano devido à crise econômica causada pela pandemia.

- Advertisment -

más leídas

Como ser um especialista em fazer as pazes sem realmente querer isso

Para muitos, a notícia foi inesperada e até maluca. Para outros, simplesmente confirmou o que já havia sido previsto em meados de...

Muitas igrejas cristãs, mas qual é a verdadeira?

A oração unânime leva à unidade. "Eu não oro apenas por eles. Eu também oro por aqueles que acreditarão...

3 histórias de encontro com Yeshua

Stan Telchin foi um escritor judeu, orador público e missionário que morreu em 06/04/2012 em Sarasota, Flórida (EUA), aos 87 anos.

Mielite transversa: a doença que hoje está na boca de todos

A mielite transversa é uma inflamação rara que afeta toda a extensão da medula espinhal, por isso é caracterizada como transversa. Conseqüentemente,...
Y conocerán la verdad, y la verdad los hará libres.