sábado 19 setembro, 2020
Home em destaque 3 histórias de encontro com Yeshua
MESSI NICA

3 histórias de encontro com Yeshua

Três histórias de três judeus que acabam se unindo em uma mensagem transcendente sobre Jesus: Judy Telchin, seu pai Stan e, vários anos depois, Anatoli Uschomirski.

Stan Telchin foi um escritor judeu, orador público e missionário que morreu em 06/04/2012 em Sarasota, Flórida (EUA), aos 87 anos.

Ele escreveu 'Betrayed!' (Traído!), A história de Judy, filha de Telchin, que passou a acreditar que Jesus é o Messias judeu, e como seu pai, Stan Telchin, que havia servido no conselho de muitas organizações judaicas, decidiu mostrar a ela que ela estava errada. Mas sua pesquisa o levou à mesma conclusão que sua filha.

O livro, que vendeu mais de 1 milhão de cópias e foi traduzido para 30 idiomas, é provavelmente a história mais lida escrita por um judeu que passou a ter fé em Jesus ... depois dos apóstolos Paulo, João, Pedro, Mateus, etc.

A verdade é que Tuchin se tornou protagonista da mídia nos EUA, Canadá e Ucrânia.

A origem

Os pais judeus de Telchin vieram da Rússia para os EUA no início do século 20 e ele nasceu em 1924 na cidade de Nova York, o caçula de 6 irmãos, e foi criado durante a Grande Depressão.

Em dezembro de 1944, quando estava em casa de licença do exército, Telchin conheceu uma amiga do colégio, Ethel David, que se ofereceu para escrever para ele quando ele voltasse para a linha de frente. Ele o fez e enviou-lhe cartas e pacotes. Quando a guerra acabou, eles estavam namorando e, em 1948, se casaram.

Os Telchins tiveram duas filhas, Judy e Ann.

Enquanto isso, Stan estava obtendo grande sucesso no negócio de seguros: "Vinte e seis anos depois de nosso casamento, tínhamos uma casa muito grande com piscina, quatro BMWs e uma governanta em tempo integral. Meses depois, meu mundo desmoronou. ele sentiu como se tivesse desmaiado de repente. "

Então aconteceu que Judy, então estudante na Universidade de Boston, ligou para Stan para dizer-lhe que ela creia em Jesus.

Ele desabou. No entanto, em 03/07/1975, após meses de estudo das Escrituras Hebraicas e do Novo Testamento, Telchin também passou a acreditar que Jesus é o Messias.

E, para sua surpresa, descobriu que Ethel, sua esposa, já havia tomado a mesma decisão, mas de forma independente.

Em 1979, Stan deixou o negócio de seguros para seguir um ministério de tempo integral.

Depois de servir como pastor da 'Living Word Fellowship' em Gaithersburg, Maryland, de 1980 a 1994, ele criou os Ministérios Stan Telchin.

Seu foco era explicar às igrejas cristãs

  • como o anti-semitismo tornou difícil para o povo judeu responder à mensagem do Evangelho, e
  • como os crentes individuais podem, demonstrando uma mudança de coração, alcançar os judeus de maneira eficaz.
  • Telchin serviu na organização Judeus por Jesus de 2003 até sua morte.
Stan Telchin: "Decidi imediatamente ler a Bíblia para provar que Jesus não é o Messias e para ter minha filha de volta."

------------

Seu testemunho

"Meus pais fugiram da Rússia para os Estados Unidos no início de 1900, escapando dos pogromos (N. de la R.: Pogrom é o linchamento em massa, espontâneo ou premeditado, contra um determinado grupo étnico, religioso ou outro, acompanhada da destruição ou saque de suas propriedades) Nasci em 1924 e, desde muito jovem, comecei a aprender sobre a vida no gueto judeu. Um dia alguém me chamou de “assassino de Cristo”.

Eu não sabia o que isso significava, mas foi o ódio da promotoria que me apavorou. Corri para casa chorando: "Mamãe, mamãe!" Ela me acalmou e disse: “Não chore. Deixe-me dizer algo muito importante que você precisa aprender. Existem ‘nós’, o povo judeu, e ‘eles’, os goyim, os cristãos. Eles nos odeiam e temos que ficar longe deles. Tudo está bem agora. Estamos nos EUA e você está seguro."

(...) Meu mundo parecia desmoronar quando minha filha Judy, na época uma estudante da Universidade de Boston, me ligou e me disse com muita cautela que ela havia passado a acreditar que Jesus é o Messias. Fiquei sem palavras, indignado e me senti traído. Como é possível que uma filha minha se juntou ao inimigo?

Algumas semanas depois, Judy voltou para casa nas férias. Conversamos e conversamos e, finalmente, ela me desafiou: “Pai, você é um homem culto. Leia a Bíblia por si mesmo e tire suas próprias conclusões. Isso é simplesmente verdadeiro ou falso, e se você ler com atenção e pedir a Deus que lhe revele a verdade, Ele o fará."

Decidi imediatamente ler a Bíblia para provar que Jesus não é o Messias e para ter minha filha de volta. Na noite seguinte, li o Novo Testamento pela primeira vez. Eu estava preparado para ler um livro cheio de ódio contra o povo judeu, mas o que descobri foi um livro escrito por um judeu, para outros judeus, sobre o Deus de Abraão, Isaque e Jacó, e o Messias que Ele enviou ao Seu povo.

Li os relatos de Mateus, Marcos, Lucas e João e depois os Atos dos Apóstolos. Aqui, eu li sobre Pedro, em um começo relutante, indo para a casa de um gentio chamado Cornélio, um centurião romano. Pedro foi informado de que Cornélio teve uma visão na qual foi informado que Pedro lhe falaria sobre Deus. Na casa de Cornélio, Pedro começou a falar sobre o Deus de Abraão, Isaque e Jacó, e sobre Jesus, o Messias.

Enquanto ele falava, algo totalmente inesperado aconteceu: o Espírito Santo desceu sobre Cornélio e todos os gentios que ouviram essas palavras. Pedro e os crentes judeus que o acompanharam ficaram maravilhados. Mais tarde, Pedro foi a Jerusalém e explicou em uma reunião dos apóstolos e outros crentes judeus o que havia acontecido. Por meio de seu relatório, eles também entenderam que Jesus, o Messias, deve ser tanto para gentios quanto para judeus!

'Betrayed!', De Stan Telchin, foi publicado em 1981.

--------------------

Tive muitas perguntas:

  • Eu realmente acredito em Deus?
  • Eu acredito que o Tanach é a palavra de Deus para nós?
  • O Tanach contém profecias sobre a vinda de um Messias?
  • Já viveu alguém que cumpriu essas profecias?
  • Foi Jesus quem os cumpriu?

Nos meses que se seguiram, passei muito tempo estudando. Eu li toda a Nova Aliança (Novo Testamento) e uma boa parte do Tanach. Tenho livros sobre religião e história judaica. Falei com rabinos. Estudei as profecias messiânicas no Tanakh. Eu não sabia quantas eram, mas vim a encontrar mais de 40 profecias e estava cambaleando ao perceber que Jesus cumpriu todas e cada uma delas!

De particular importância para mim foi Jeremias 31: 31-34, onde Deus prometeu fazer uma Nova Aliança com o povo judeu. Como poderia eu não saber dessa promessa? Também li Provérbios 30: 4, que fala sobre o Filho de Deus; e Salmos 22, que revela Jesus pendurado em uma árvore; também o capítulo 53 de Isaías, que explica que nossos pecados foram colocados sobre Ele e que Ele foi punido em nosso lugar; e também Daniel 9, que profetizou que Jerusalém seria destruída junto com o Templo, por ordem do príncipe que viria depois que o Messias fosse morto. Agora sabemos que isso aconteceu no ano 70! Eu estava perplexo.

Certa vez, decidi participar de uma reunião de judeus messiânicos. Lá encontrei uma mulher que me pediu para ler Êxodo 20: 2-3 em voz alta. Eu li: “Eu sou o Senhor teu Deus, que te tirou da terra do Egito, da casa da servidão. Você não pode ter outros deuses na minha frente. " Ela me disse: “Diga-me, quem é o seu Deus? Ele é o Deus de nossos pais, o Deus de Abraão, Isaque e Jacó, ou está adorando falsos deuses como seus negócios, sua casa, sua esposa, seus filhos? Fiquei impressionado com sua pergunta e percebi que na verdade estava passando uma boa parte do meu tempo pensando e até mesmo adorando essas coisas. No entanto, ele dificilmente pensava em Deus ou pensava em adorá-lo.

A pressão dentro de mim continuou crescendo. Eu sabia que, no meu coração, acreditava que Jesus era o Messias, mas tinha medo das consequências que tal decisão teria na minha vida. Argumentei comigo mesmo e enfrentei minhas objeções: as Cruzadas, a Inquisição, os Pogromos e o Holocausto.

No entanto, lá no fundo, eu podia ouvir: “Sim. Mas é verdade! Jesus é o Messias!”. No dia 3 de julho de 1975, às 7h15 da manhã, a pressão dentro de mim finalmente encontrou uma saída. Explodiu dos meus lábios: “Jesus é o nosso Messias! Ele é meu Messias! Eu o recebo como Senhor da minha vida!”. Quando contei isso a minha esposa, descobri que ela já havia se arrependido e aceito o Senhor Jesus como seu Messias e Salvador, e que estava esperando que eu chegasse à mesma conclusão. Agora toda a nossa família estava junta novamente."

Quando Stan ficou viúvo, ele se casou novamente, desta vez com Elaine (que o abraça na foto). Aqui em uma reunião com amigos.

--------------

No ano de 2020

Toda essa história retorna ao ler em Christianity Today o diálogo de Anatoli Uschomirsky em diálogo com Peter Johnson.

Anatoli Uschomirski é o fundador do Ministério Evangélico para Israel em Stuttgart, Alemanha. Peter K. Johnson é um escritor freelance que mora em Saranac Lake, Nova York.

Anatoli Uschomirsky.

---------------

O texto:

Eu encontrei o ódio pela primeira vez como um judeu em Kiev, a capital ucraniana, quando eu tinha 11 anos em 1969. Não provocados, duas crianças me chamaram de "judeu sujo" no corredor da minha escola. Com desprezo, eles me bateram no rosto e no corpo e me derrubaram. Eu chorei indo para casa.

Incidentes como esses me levaram a começar a investigar minha herança. Meus pais eram judeus seculares que nunca mencionaram nosso passado. Eles nunca celebraram a Páscoa ou frequentaram a sinagoga. Meu pai morreu quando eu tinha 10 anos.

Enquanto pesquisava as raízes de minha família, fiz uma triste descoberta em um álbum de recortes que listava as vítimas do massacre da ravina Babi Yar em 1941, que ocorreu perto de Kiev. Os esquadrões da morte nazistas prenderam mais de 30.000 judeus (incluindo crianças), os deixaram nus e os levaram para o fundo da ravina de 15 metros, onde foram massacrados com metralhadoras. Meu avô, minha tia e dois primos estavam entre os mortos. Outros milhares morreram da mesma forma em 1943.

O governo comunista da Ucrânia suprimiu os detalhes do massacre. Por muito tempo, até mesmo reconhecer o Holocausto era tabu. Fiquei surpreso ao descobrir que milhões de judeus foram assassinados em campos de concentração nazistas durante o 2o. Guerra Mundial.

O governo era conhecido por sua atitude anti-semita e nos tratava como cidadãos de segunda classe. Sempre conhecemos rejeição. Os oficiais carimbaram "Judeu" em minha carteira de identidade e registros de alunos. A KGB (N. de la R.: Espionagem do Estado) monitorava judeus que compareciam aos serviços de sábado.

Quando eu era adolescente, ouvi sobre um grupo de jovens durões que espancaram alguém que conheciam, gritando: "Hitler deveria ter matado todos eles!" O ódio contra os alemães inundou meu coração.

Ícone de judeus messiânicos.

--------------

Como as universidades da Ucrânia só aceitavam um pequeno número de judeus, principalmente para estudos científicos ou de engenharia, decidi seguir uma profissão que não exigisse matemática. Eu não era bom com números, então a fotografia parecia a melhor opção de carreira depois do serviço militar. Assombrado pelo preconceito, ele precisava provar que valia alguma coisa.

No exército, conheci outro homem chamado Anatoli. Ele era honesto e humilde, o tipo de bom trabalhador que não praguejava ou ficava bêbado como tantos soldados ficavam. Anatoli foi o primeiro cristão que conheci e ele me contou sobre sua fé em Jesus. Eu gostava dele, mas rejeitava suas idéias religiosas. Como muitos judeus ucranianos, eu me considerava ateu.

Depois de deixar o exército em 1991, matriculei-me no Instituto Técnico de Fotografia de Kiev, onde conheci minha esposa Irina. Como estudante, trabalhei para revistas e jornais, mas isso trouxe pouca satisfação. Para ajudar a preencher o vazio, experimentei todos os prazeres: álcool, fumar maconha e haxixe, festas e sexo. Até trai a Irina. E explorei diferentes filosofias mundiais, incluindo o ocultismo e as religiões orientais. Mas nada me aproximou da plenitude. Claramente, algo estava faltando em minha vida.

Deus interveio quando visitei minha mãe. Em uma mesa em sua sala de estar, vi um livro intitulado 'Traído!' Uma congregação messiânica em Kiev acabara de enviar o livro com um número de telefone. (...)

A mensagem do livro me desafiou. Esta foi a primeira vez que conheci um judeu que cria em Jesus. Telchin havia encontrado um propósito na vida que eu não tinha, mas sem trair sua herança judaica. Irina também leu sua história.

Ligamos para a sinagoga em Kiev e decidimos assistir a um serviço religioso durante a Páscoa. A congregação alugou um espaço em um antigo cinema. Irina e eu estávamos desconfortáveis ​​e sentamos atrás, com medo de sermos notados. As 100 pessoas que estavam lá ficaram felizes e fiquei surpreso ao ver os judeus adorando juntos.

Um homem israelense pregou sobre "Yeshua" e o amor de Deus. Durante seu sermão, uma visão repentinamente apareceu em minha mente. Nele, vi uma mochila amarrada aos ombros, carregada de problemas e preocupações, de perguntas sem respostas, com minha busca de realização e todos os meus pecados. Era pesado e me puxou para baixo. Então apareceu uma estrada que levou a um judeu pendurado em uma cruz. De alguma forma, eu sabia que a única maneira de me livrar da mochila era seguir aquele caminho.

Quando o sermão terminou, sabíamos que não poderíamos partir até encontrarmos paz com Deus. Irina correu para o altar, onde as pessoas a cercaram em oração. Ele ficou muito tempo e entregou seu coração a Cristo, o Messias.

Assistindo ao show com um pouco de medo, corri pelo corredor e agarrei as lapelas da jaqueta de couro do palestrante. Olhando em seus olhos, implorei: "Eu quero paz com Deus, mas tire essa mochila de mim!" No início, ele presumiu que eu estava mentalmente perturbado e que queria machucá-lo. Mas então, percebendo minha sinceridade, ele disse: "Conte a Deus sobre sua experiência com a mochila." E foi o que fiz, pedindo a Deus que perdoasse meus pecados de uma forma que tenho certeza que foi ridiculamente infantil.

Imediatamente, soube que tudo na minha vida mudaria daquele dia em diante. Irina e eu fomos batizados algumas semanas depois, junto com 23 novos crentes judeus. Continuamos a adorar com a congregação e crescemos espiritualmente à medida que nos alimentávamos da Bíblia.

Enquanto isso, o colapso final da União Soviética em dezembro de 1991 criou uma agitação duradoura. Nosso futuro parecia sem esperança. A economia entrou em colapso. Não havia bons empregos, a comida era escassa e os efeitos do desastre nuclear de Chernobyl sobre a saúde a longo prazo nos preocupavam, especialmente para nossa filha Alexandra.

Com a ascensão do anti-semitismo, decidimos trocar a Ucrânia por Israel. No entanto, parentes nos alertaram para não ir por causa da Guerra do Golfo Pérsico. A Alemanha parecia a melhor alternativa. O governo alemão abriu as portas para receber imigrantes judeus da Rússia. Eu só queria ficar lá temporariamente, mas Deus tinha outro plano.

Vendemos os pertences de nossa casa e em junho de 1992 chegamos à sede do centro de imigrantes em Stuttgart. Aprender alemão foi difícil, mas encontrei ajuda usando um Novo Testamento, de Gideon, que descobri em uma lata de lixo. Pegando o metrô para a escola de idiomas por oito meses, pedia aos passageiros que explicassem o significado das palavras que eu estava lendo quando não as entendia. Embora tenham aceitado, eles me perguntaram por que eu estava lendo o Novo Testamento. Isso abriu oportunidades para compartilhar meu testemunho.

Durante a primeira semana em nosso novo país, conheci um cristão russo-alemão que me ajudou a entender a Bíblia e me encorajou a começar um grupo de base messiânica de oito pessoas que se encontravam duas vezes por semana, e crescemos a ponto de alugar um espaço maior para uma igreja batista. Infelizmente, os oficiais da igreja estatal protestante nos rejeitaram. Eles advertiram: "Você não deve contar aos judeus sobre Jesus".

O peixe cristão, a estrela de David e a menorá (o candelabro de sete braços ou lamparina a óleo).

----------------

Finalmente conheci um casal de missionários da Holanda que me incentivou a liderar um movimento messiânico na Alemanha. Embora eu estivesse um tanto cético, dei um passo de fé e deixei meu trabalho no laboratório fotográfico em 1994 para lançar o Ministério Evangélico para Israel. Inicialmente, patrocinei acampamentos de verão para jovens judeus e uma conferência messiânica nacional. A primeira conferência atraiu apenas 25 pessoas, mas desde então tem crescido. Também visitei campos populares entre os judeus russos.

Um ano depois de começar meu ministério, durante uma excursão em família à Floresta Negra, um incidente me fez ver por que Deus me chamou para este trabalho. Ao retornar ao nosso carro, notei uma mulher olhando para o decalque traseiro, que mostrava três símbolos: o peixe cristão, a estrela de Davi e a menorá. Quando ela perguntou sobre o significado, eu dei meu testemunho como um judeu messiânico. As lágrimas mancharam suas bochechas quando ela revelou como a Gestapo matou seu pai por esconder uma família judia em sua casa durante a guerra. Pude ver que, mesmo sendo alemã, ela também sofreu com os nazistas e não culpou os judeus por causar a morte de seu pai.

Deus usou aquele momento para quebrar cada parte do meu ódio persistente pelos alemães. E renovou meu desejo de trazer a reconciliação entre judeus e alemães por meio de Cristo. Em 1998, o Ministério Evangélico para Israel estabeleceu uma das primeiras congregações messiânicas na Alemanha. Existem agora 40 congregações e grupos em crescimento em todo o país, quatro dos quais eu supervisiono. Cerca de 200.000 judeus chamam a Alemanha de "casa" e eu quero continuar compartilhando Jesus, o Messias, com eles.

O anti-semitismo está crescendo na Alemanha. Crimes de ódio contra judeus estão em sua taxa mais alta desde 2001. Mas e se mais judeus messiânicos começassem a dizer aos alemães que eles têm pouca ou nenhuma fé na esperança de Cristo?

Judeus religiosos costumam fazer esta oração quando acordam, com base no Salmo 3: 1-6: "Querido Deus, eu te agradeço por ter me devolvido minha alma para que eu possa viver este dia para você." Se Deus me acorda todas as manhãs, então quero viver cada dia de acordo com a Sua vontade. Essa é a minha vocação.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Três histórias de três judeus que acabam se unindo em uma mensagem transcendente sobre Jesus: Judy Telchin, seu pai Stan e, vários anos depois, Anatoli Uschomirski.

- Advertisment -

más leídas

Como ser um especialista em fazer as pazes sem realmente querer isso

Para muitos, a notícia foi inesperada e até maluca. Para outros, simplesmente confirmou o que já havia sido previsto em meados de...

Muitas igrejas cristãs, mas qual é a verdadeira?

A oração unânime leva à unidade. "Eu não oro apenas por eles. Eu também oro por aqueles que acreditarão...

3 histórias de encontro com Yeshua

Stan Telchin foi um escritor judeu, orador público e missionário que morreu em 06/04/2012 em Sarasota, Flórida (EUA), aos 87 anos.

Mielite transversa: a doença que hoje está na boca de todos

A mielite transversa é uma inflamação rara que afeta toda a extensão da medula espinhal, por isso é caracterizada como transversa. Conseqüentemente,...
Y conocerán la verdad, y la verdad los hará libres.