sábado 5 dezembro, 2020
Home em destaque A esperança deixada pelo rei mais malvado da família de Jesus
O REI MANASSÉS

A esperança deixada pelo rei mais malvado da família de Jesus

Aqueles que acreditam que não há perdão por suas ações devem recuperar a história do rei Manassés, uma abordagem do caráter de Deus que Jesus decidiu refletir. Essa história é muito importante.

O rei Manassés trouxe as imagens de divindades pagãs ao templo em Jerusalém, a Casa de Jeová.

Manassés foi, segundo a Bíblia, o primeiro dos dois filhos de José, filho de Jacó ou de Israel ("—Seu nome não será mais Jacó", disse o homem. "De agora em diante, você será chamado de Israel, porque lutou contra Deus e com os homens, e você conquistou." Gênesis 32:28), e de sua esposa egípcia Asenat.

Manassés é derivado da palavra grega 'nashah', que significa "esquecimento". Seu significado é "aquele que te faz esquecer". Manassés era o primogênito de José -já uma personalidade no Egito, um reino ao qual tinha vindo como escravo e Manassés era a prova da bênção de Jeová- e o cabeça da tribo com esse nome que ocupou terras na ocupação de Canaã.

Como isso aconteceu? Dos filhos de Jacó, Levi não foi designado território, mas seus descendentes foram dedicados à adoração do Templo. Mas o território correspondente a José foi distribuído entre seus filhos, Manassés e Efraim.

Porém, além de um bom Manassés, havia um mau Manassés. Acontece que era também o nome de um rei de Judá, filho e sucessor de Ezequias.

Manasés foi co-regente entre 697 a. C. e 642 a. C., e soberano entre 687 e 642 a. C.

O pai

Ezequias ("Yahweh fortaleceu") foi o 13º. rei de Judá, mencionado na genealogia de Jesus, como seu filho Manassés.

É chocante que entre os ancestrais de Jesus houvesse um personagem tão complexo, controverso, mal, mas redimido como Manassés.

Em vez disso, Ezequias foi um monarca interessante: ele ascendeu ao trono aos 25 anos e reinou por 29 anos, período em que purificou e reparou o Templo, eliminou muitas das imagens pagãs que haviam sido construídas, como Nehushtan, a "serpente de bronze" atribuído a Moisés e reformado o sacerdócio.

Ezequias, abençoado por Deus, foi capaz de manter o reino de Judá apesar da perseguição dos assírios de Senaqueribe, enquanto o reino de Israel foi subjugado e sua população levada cativa para Nínive. Lembre-se que depois de Salomão, houve divisão e dois reinos: Judá, ao sul, com o centro em Jerusalém; e Israel ao norte, centralizado em Samaria. Israel, abandonando a Jeová, não durou muito. Judá deveria considerar essa experiência negativa.

A campanha dos assírios contra Judá é contada no prisma de Senaqueribe e na Bíblia. Ambas as contas coincidem em:

  • Ezequias não concordou em ser vassalo de Senaqueribe.
  • Exceto por Jerusalém, Senaqueribe devastou todas as cidades muradas da Judéia (46 de acordo com o prisma de Senaqueribe).
  • Ezequias acabou homenageando Senaqueribe.
  • Senaqueribe enviou um grande exército contra Jerusalém. Segundo o prisma de Senaqueribe, o assírio o calou "como um pássaro" e depois, sem especificar o que aconteceu, disse que Ezequias lhe pagou tributo e se submeteu a ele. Mas de acordo com a Bíblia (2 Reis 18 e 19; 2 Crônicas 32; Isaías 36 a 37), Senaqueribe cercou a cidade, Ezequias clamou a Deus, que lhe respondeu por meio do profeta Isaías que Senaqueribe se retiraria por onde havia chegado: o Anjo Naquela noite, as Testemunhas de Jeová mataram 185.000 soldados assírios acampados fora de Jerusalém e o cerco foi suspenso.
O deus Moloque, a quem os cananeus sacrificavam filhos, de preferência primogênitos.

Mas o filho de Ezequias não acreditava em Deus.

Manassés começou a reinar aos 12 anos e aos 14 já era pai.

Isso significa que ele nasceu durante os últimos 15 anos da vida de Ezequias, um período adicional pelo qual Ezequias, muito doente, orou a Jeová.

Se este bom rei (Ezequias) pudesse ter visto a maldade de seu filho indigno (Manassés), ele certamente não teria desejo de se recuperar de sua doença. Muito melhor morrer sem filhos do que implorar por um filho como Manassés provou que ele era”, disse Robert C. Knapp, historiador da Universidade de Berkeley.

"Manassés é citado nos Anais Assírios (MenasioMinse, Rei de Yaudi) entre os doze governantes da Palestina que prestaram homenagem em espécie a seu governante supremo", lembrou Donald Wiseman, professor de Assiriologia.

Manassés imitou os pecados tanto dos cananeus quanto dos israelitas do reino do norte (2 Reis 16: 3), o que trouxe o julgamento de Deus, que os entregou aos assírios.

Deusa Ashera, uma divindade da fertilidade cujo culto incluía prostituição ritual, e reivindicada por Manassés.

Manassés fez o mal diante do Senhor:

  • Ele reconstruiu os lugares altos que seu pai Ezequias havia demolido.
  • Ele ergueu altares a Baal, o deus touro, em cujo templo as prostitutas sagradas frequentavam.
  • Ele fez uma imagem de Asherah, assim como Acab, rei de Israel; Ela era a deusa cananéia da fertilidade e do prazer sexual exigido pela prostituição ritual, e ela trouxe a imagem de Asherah - e possivelmente seu culto - para o templo erguido por Salomão, onde estava a Arca da Aliança com as Tábuas da Lei.
  • Adorava “todo o exército do céu”, o que significa que se dedicou ao adoração astrológico, que os caldeus já praticavam, surgindo na Mesopotâmia.
  • Ele passou seu filho primogênito pelo fogo, ou seja, o sacrificou em adoração ao deus Moloque.
  • Ele era um feiticeiro, isto é, ele se envolveu nas chamadas 'ciências ocultas', e se cercou de adivinhos.
  • Ele perseguiu aqueles que tentaram permanecer na adoração de Jeová. E derramou muito sangue inocente. O relato bíblico diz que rios de sangue correram em Jerusalém.

O reinado de Manassés foi o mais longo entre os reis de Judá, mas o mais sombrio da Bíblia Hebraica.

Mas não apenas o rei Manassés foi pervertido. Muitos de seus súditos o acompanharam no abandono de seu Deus. Talvez muitos deles tenham testemunhado a libertação milagrosa dos assírios nos dias de Ezequias, mas nada foi o suficiente. O culto pagão, cheio de sexo, álcool e substâncias alucinógenas, era mais atraente.

Por fim, Manassés executou com o poder do Estado uma reforma religiosa e cultural inversa e perversa, glorificando a idolatria.

Os arqueólogos falam de construções importantes, como seu pai Ezequias, incluindo sistemas de água, e de integração de produtos de Judá às rotas de comércio assírias, segundo o historiador Israel Finkelstein.

No entanto, a existência de Judá não foi motivada pela construção comercial (Fenícia) ou de infraestrutura (Egito e Babilônia). Judá era 'povo escolhido', uma teocracia sob a proteção de Jeová, e Manassés desafiou essa condição, sem saber que Judá -que não existia antes de Abraão, que fez uma aliança com Deus- não tinha sentido em qualquer contexto sem seu Deus, e para deixe claro que Salomão construiu o templo como o eixo do Reino.

O rei Manassés mandou serrar o profeta Isaías.

Isaías

Deus enviou advertências a Judá, assim como fez com o Reino de Israel.

O mais proeminente dos mensageiros foi Isaías (que significa "Jeová é a salvação"), cujo ministério ocorreu durante as monarquias de Uzias, Jotão, Acaz, Ezequias e Manassés.

Isaías foi um estadista, conselheiro de reis, poeta, orador e escritor, "o príncipe dos profetas".

Mas Isaiah não foi o único. Pelo menos cinco profetas atuaram naqueles dias: Oséias, Joel, Naum, Habacuque e Isaías.

Mas Manassés persistiu e fez mais mal do que todo o mal que os amorreus que existiram antes dele fizeram. Os belicosos amorreus eram infames, conhecidos por sua cultura violenta e depravada, até que Nabucodonosor os exterminou.

Manassés matou Isaiah. Ele o colocou dentro de uma tora e o serrou, segundo se acredita em 695 a. C.

Jeová prometeu punir Manassés e Judá.

"Eis que estou trazendo um tal mal sobre Jerusalém e Judá que todo aquele que o ouvir fará vibrar os dois ouvidos. E estenderei sobre Jerusalém o cordão de Samaria e o prumo da casa de Acabe; e purificarei Jerusalém como se limpa o prato, que esfrega e vira de cabeça para baixo. E eu desampararei o resto da minha herança, e a entregarei nas mãos de seus inimigos; e eles serão a presa e presa de todos os seus adversários; porque fizeram mal aos meus olhos e provocado à raiva, desde o dia em que seus pais deixaram o Egito até hoje."

A propósito, Deus deixou claro que a conduta histórica do 'povo eleito' foi muito negativa.

Prisma de Senaquerib, um testemunho que apóia grande parte da história da Bíblia.

Queda e redenção

Os assírios decidiram invadir Judá. Deus entregou Manassés e seu povo nas mãos de seus inimigos.

Manassés foi preso e torturado pelos assírios. Por anos ele esteve em cativeiro.

Então algo muito surpreendente aconteceu: o arrependimento de Manassés, seu apelo a Deus, que deve ter sido sincero.

Deus não está interessado nos lábios, mas no coração, e aparentemente ele creu em Manassés e o perdoou. Sem dúvida, foi um momento muito especial não apenas na vida de Manassés e Judá, mas uma mensagem a todos aqueles que, nos séculos subsequentes, buscaram a redenção. Assim como anos mais tarde houve redenção para o ladrão anônimo crucificado com Jesus, houve redenção para Saulo de Tarso, um participante necessário no assassinato de Estevão e um perseguidor daqueles que mais tarde seriam chamados de cristãos. Não há limite para o perdão. Portanto, os cristãos também não podem impor um limite ao seu perdão.

A orgulhosa Nínive, de quem nada restou.

É surpreendente que a Bíblia dedique muito mais espaço ao relato das iniquidades de Manassés do que à sua história de arrependimento e reparação (mantenha os dois conceitos em mente, eles sempre andam juntos). Mas é evidente que o motivo é deixar claro que Deus perdoou tão terrível personagem diante de um pedido que considerou sincero.

É certamente um exemplo maravilhoso do princípio "Instrui a criança no seu caminho, e mesmo quando ela envelhecer não se desviará dele" (Provérbios 22: 6). Manassés foi criado por um pai temente a Deus, então viveu em rebelião contra a fé de seu pai durante a maior parte de sua vida.

No entanto, quando as dificuldades surgiram, ele voltou às suas origens e serviu a Deus.

Manassés voltou ao trono de Judá e então se reconciliou com o culto de seu pai.

Manassés removeu os ídolos e deuses estrangeiros de Jerusalém e ordenou a Judá que servisse a Jeová Deus de Israel (2 Crônicas 33:16). E ele também era um bom governante. Arqueólogos israelenses contribuem com a descoberta de grandes obras de engenharia feitas nos dias de Manassés.

Mas Manassés não conseguiu reverter a revolução cultural e religiosa que ele mesmo havia causado entre seus súditos. Judá estava indo para o cativeiro na Babilônia.

Os últimos anos de Manassés estiveram ao lado de Deus e ele foi sepultado na cidade de Davi, um panteão reservado apenas para reis fiéis: o perdão de Deus é sempre completo.

Mas se bem o perdão foi completo, o mal tem consequências, muitas vezes irreparáveis. Manassés não conseguiu reverter o que já havia feito. Mesmo quando Jerusalém caiu para a Babilônia, a má influência de Manassés sobre Judá foi mencionada (2 Reis 24: 3-4). Mas a Bíblia não esconde isso, a história não é açucarada, mas brutal, porque o exercício de nosso livre arbítrio merece saber a verdade. E isso inclui a menção de Manasès como ancestral de Jesus.

Estátuas dos reis de Judà, Josìas (à esquerda) e Manasès (à direita).

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Aqueles que acreditam que não há perdão por suas ações devem recuperar a história do rei Manassés, uma abordagem do caráter de Deus que Jesus decidiu refletir. Essa história é muito importante.

- Advertisment -

más leídas

Y conocerán la verdad, y la verdad los hará libres.