sexta-feira 27 novembro, 2020
Home Ensaios Fratelli Tutti: entre a história esquecida e o presente iludido
RUMO A UMA NOVA ORDEM MUNDIAL

Fratelli Tutti: entre a história esquecida e o presente iludido

A última encíclica papal é caracterizada por seu enfoque social, o ataque ao individualismo consumista e um apelo ecumênico à fraternidade. Mas, além de seu caráter lúdico, as propostas que apresenta nos convidam a revisar com cuidado alguns dos pressupostos que fundamentam o texto.

No dia 3 de outubro de 2020, ao lado do túmulo de São Francisco, na cidade italiana de Assis, o Papa Francisco assinou e lançou sua terceira encíclica, intitulada Fratelli Tutti (cuja tradução seria “Todos Irmãos”).

Uma encíclica papal é uma carta escrita pelo Bispo de Roma e dirigida a todos os fiéis da Igreja Católica em todo o mundo. Mas a circular mais recente de Bergoglio tem algo em particular: visa ir além dos limites do catolicismo.

Nas suas próprias palavras: «Embora o tenha escrito a partir das minhas convicções cristãs, que me animam e alimentam, procurei fazê-lo de forma que a reflexão se abra ao diálogo com todas as pessoas de boa vontade».

Além da polêmica levantada pelo nome Fratelli Tutti, que para alguns não inclui o gênero feminino, vários aspectos do documento foram questionados por diferentes pessoas em diferentes partes do mundo, tanto dentro quanto fora da fé romana.

Somado a isso, e apesar de sua intenção manifesta de promover a fraternidade e a solidariedade humana entre as nações, o texto contém notáveis ​​omissões históricas que parecem convenientes e até deliberadas.

Aqui estão algumas nuances de uma encíclica que, antes mesmo de sua publicação, já gerava polêmica.

'Fratelli Tutti' é o 3º. encíclica do Papa Francisco, depois de 'Lumen fidei' e 'Laudato si'. O título é retirado das 'Admoestações', de Francisco de Assis, a que o pontífice dos Católicos Apostólicos Romanos aludiu em 14/05/2020: “Somos todos irmãos. São Francisco de Assis costumava dizer:“ Todos os irmãos e irmãs. "E assim, homens e mulheres de todas as denominações religiosas se unem hoje em oração e penitência para pedir a graça da cura desta pandemia." O Papa assinou a encíclica em 03/10/2020 em Assis, em frente ao túmulo de Francisco de Assis, após celebrar uma missa em frente ao mausoléu.

Propriedade privada: um direito secundário

O direito à propriedade privada só pode ser considerado um direito natural secundário e derivado do princípio do destino universal dos bens criados [...]”.

Essa é uma das afirmações de Francisco mais citada na mídia, principalmente por sua crítica explícita ao sistema capitalista e às ideias neoliberais que defendem um mercado que regule a economia e, assim, resolva os problemas da sociedade.

Como esperado, os adeptos das ideologias de esquerda celebraram a nova encíclica e apontaram para ela como um passo importante para a solução de questões ainda não resolvidas pela humanidade.

Um deles foi o sociólogo Carlo Petrini, fundador do movimento Slow Food, que identificou Bergoglio como “o líder mais lúcido, confiável, credível e esclarecedor da cena internacional. E também o mais realista”.

Por outro lado, personagens como José Ramón Bauzá, eurodeputado do Partido dos Cidadãos Espanhóis, manifestaram o seu desagrado pelo carácter claramente comunista do documento e pela visão reducionista do Papa sobre o mercado livre.

Em declaração categórica, Bauzá declarou: “É melhor que ele fale de Deus e deixe a economia de lado”.

Cardeal Giovanni Angelo Becciu, o último superescândalo financeiro no Vaticano.

Terremoto dentro de casa

Um detalhe que não pode ser esquecido é que o apelo de Francisco à solidariedade e à erradicação do vírus do individualismo surge em meio a um clima tenso devido aos escândalos financeiros em que o Vaticano recentemente se envolveu.

O cardeal Giovanni Angelo Becciu, que até recentemente era prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, renunciou ao cargo e aos direitos cardeais depois de revelar uma operação em que usava fundos da Igreja destinados à caridade para adquirir uma propriedade de luxo em Londres.

Outra investigação, realizada pelo jornal Financial Times, mostrou que Becciu havia supervisionado há três anos um investimento de 621 milhões de dólares, também de doações para os pobres, na compra de derivativos que apostavam contra a capacidade da locadora de Carros Hertz para saldar suas dívidas.

Apesar da discrição com que esta questão foi tratada nos salões da Santa Sé, o grande número e os movimentos duvidosos contradizem as reivindicações de Fratelli Tutti por igualdade e sua preocupação com os mais necessitados.

Jorge Bergoglio, o Papa Francisco (à direita) e o ex-arcebispo Carlo María Viganò, um de seus críticos mais proeminentes.

Um oponente entre as fileiras

Uma das vozes também ouvidas foi a do ex-arcebispo Carlo María Viganò, considerado um dos principais críticos do pontificado do Papa Francisco, que já em 2018 havia pedido sua renúncia pelo suposto encobrimento de abusos sexuais cometidos por padres católicos .

Além de acusá-lo de falsificar a história de Francisco de Assis e omitir a questão do aborto, o ex-Núncio Apostólico nos Estados Unidos condenou o olhar globalista do bispo de Roma.

Esta encíclica constitui o manifesto ideológico de Bergoglio - sua Professio fidei maçônica - e sua candidatura à presidência da Religião Universal, escrava da Nova Ordem Mundial”, declarou.

Em 2014, o Papa Francisco pediu ao Rev. Tony Palmer, cofundador da Ark Community, uma comunidade internacional e interdenominacional de cristãos no Reino Unido, para estabelecer um encontro interdenominacional no Vaticano. Anos antes, Palmer estava muito envolvido com a Renovação Carismática Católica e, visitando a cidade de Buenos Aires, conheceu Jorge Bergoglio, que era um arcebispo local. Palmer atendeu ao pedido e houve uma reunião em 23/06/2014, da qual participou o pregador texano do movimento de prosperidade 'Palavra da Fé', Kenneth Copeland. Palmer morreu 1 mês depois em um acidente de motocicleta. Desde então, o Papa alimentou o vínculo com Copeland.

Lembre-se de não repetir

No capítulo 7, intitulado “Caminhos de Reunião”, o Papa apela à consciência coletiva como forma de manter viva a memória dos horrores que a humanidade viveu.

Em tom contrito, implora: “Não podemos permitir que as gerações atuais e as novas percam a memória [...] das perseguições, do tráfico de escravos e dos massacres étnicos que ocorreram e estão ocorrendo em vários países, e tantos outros acontecimentos históricos que nós dão vergonha de ser humanos. Devem ser sempre lembrados, uma e outra vez, sem nos cansar ou anestesiar”.

Entre os acontecimentos que não devem ser esquecidos, ele cita exemplos como o Shoah (termo hebraico usado para designar o Holocausto) e os bombardeios atômicos de Hiroshima e Nagasaki.

Mas a realidade é que a soma das mortes de judeus e japoneses não chega nem perto dos milhões de execuções realizadas pela Igreja Católica durante mais de um milênio de história.

As Cruzadas, o massacre de São Bartolomeu e tantos outros crimes contra os direitos humanos foram cometidos em nome da religião. Mas sobre isso a encíclica silencia.

O massacre de São Bartolomeu foi o assassinato em massa de Huguenotes (Cristãos Protestantes Franceses da doutrina Calvinista). Começou na noite de 23 a 24 de agosto de 1572, em Paris, e se espalhou por meses pela França.

Bergoglio também se pronuncia contra a pena de morte, citando figuras dos primeiros séculos da Igreja (como Lactâncio, o Papa Nicolau I e Santo Agostinho) que, segundo ele, se opunham à pena capital.

Mas esqueça o tribunal da Inquisição, que torturou e queimou aqueles que simplesmente buscavam viver uma fé sob os ditames de sua própria consciência e não de acordo com os dogmas de Roma.

São as suas palavras que nos obrigam a não considerar levianamente estes factos: “Hoje é fácil cair na tentação de virar a página dizendo que já aconteceu há muito tempo e que devemos olhar para a frente. Não meu Deus!".

O Papa Francisco e o Grande Imam de Al-Azhar, Ahmad Al-Tayyeb, quando ambos assinaram o 'Documento sobre a Fraternidade Humana para a Paz Mundial e a Coexistência Comum', em Abu Dhabi em fevereiro de 2019. "Meu irmão Francisco restaura para a humanidade sua consciência ", disse o Grande Imam.

Unidade incompatível

Fratelli Tutti termina com um convite às religiões do mundo para se unirem em torno do ideal de fraternidade universal. Mas a chamada para outras denominações cristãs é ainda mais específica:

É urgente também continuar testemunhando um caminho de encontro entre as diferentes confissões cristãs. Não podemos esquecer aquele desejo expresso por Jesus Cristo: "Que todos sejam um" (Jo 17, 21). Ao ouvir o seu apelo, reconhecemos com dor que ainda falta ao processo de globalização a contribuição profética e espiritual da unidade entre todos os cristãos."

Do ponto de vista do Papa Francisco, o ecumenismo deve ter um cumprimento profético predito pelo próprio Jesus. Mas antes que você tire uma conclusão precipitada, vale a pena examinar o contexto de suas afirmações.

Na oração que Jesus fez por seus discípulos horas antes de sua morte, ele não só rogou ao Pai pela unidade, mas também estabeleceu as bases sobre as quais essa unidade deveria existir: “Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade” (João 17:17).

Essa mesma Palavra, em suas últimas páginas, pinta um quadro do mundo nos dias anteriores à volta de Cristo, no qual há uma divisão clara entre dois grupos, definidos pelo objeto de sua adoração: Deus ou Satanás (Apocalipse 13 e 14) .

A profecia bíblica não fala do ecumenismo como a solução para os problemas da humanidade, mas de um Reino celestial que chega ao fim dos reinos estabelecidos por uma raça corrupta.

O amor ao próximo não é negociável, o reconhecimento da dignidade humana também. Mas, embora a ideia de uma globalização amigável possa parecer agradável, sua realização pode vir a decepcionar mais de um.

Ou, como diria a encíclica Fratelli Tutti: "Quando chegar o último dia e houver luz suficiente na Terra para podermos ver as coisas como são, vamos nos surpreender!"

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

A última encíclica papal é caracterizada por seu enfoque social, o ataque ao individualismo consumista e um apelo ecumênico à fraternidade. Mas, além de seu caráter lúdico, as propostas que apresenta nos convidam a revisar com cuidado alguns dos pressupostos que fundamentam o texto.

- Advertisment -

más leídas

Um bom descanso ajuda a controlar pensamentos intrusivos

Pensamentos indesejados ou compulsivos Acontece com a maioria das pessoas que, em um ou mais momentos da vida,...

A esperança deixada pelo rei mais malvado da família de Jesus

O rei Manassés trouxe as imagens de divindades pagãs ao templo em Jerusalém, a Casa de Jeová. Manassés foi,...
Y conocerán la verdad, y la verdad los hará libres.