sábado 19 setembro, 2020
Home Saudável A verdade sobre os adoçantes (parte III): eles alteram a microbiota?
DIETA BALANCEADA

A verdade sobre os adoçantes (parte III): eles alteram a microbiota?

As discussões sobre a insalubridade dos adoçantes sintéticos são numerosas. Não há evidências de que eles sejam cancerígenos na sua ingestão diária permitida. Paralelamente, as questões se multiplicam sobre o impacto que elas poderiam ter na microbiota intestinal, cuja composição bacteriana determina a saúde global do sujeito.

A verdade sobre os adoçantes (parte III): eles alteram a microbiota?

---------------

Um debate aberto

Em resposta ao aumento da obesidade, diabetes e doenças relacionadas, a indústria de alimentos desenvolveu uma grande variedade de adoçantes não calóricos (ENC) durante as últimas décadas.

Eles são comumente chamados de intensivo porque são entre 200 e 20.000 vezes mais doces que a sacarose e no MERCOSUL são admitidos nove: acessulfame K, aspartame, ciclamato, sacarina, sucralose, neohesperidina, taumatina, esteviol glicosídeos e neotame.

A discussão sobre a salubridade desses ingredientes começou há mais de 100 anos, com a invenção da primeira substituição de açúcar sintético, a sacarina.

No momento, não foi demonstrado que eles são cancerígenos e a OMS admite seu uso moderado, ou seja, dentro da ingestão diária aceitável (ADI).

No entanto, além da discussão sobre os benefícios do consumo de adoçantes sem calorias para perda de peso e a possível relação com o câncer, foi aberto o debate sobre o impacto na microbiota intestinal.

A microbiota

A microbiota é composta de 100 bilhões de microorganismos, de pelo menos mil espécies diferentes. Todo ser humano tem mais bactérias do que células.

É uma barreira de defesa do sistema imunológico que, quando equilibrada, ajuda a impedir que patógenos se espalhem por todo o corpo.

Portanto, essa configuração participa da maioria dos processos fisiológicos do sistema digestivo do indivíduo.

A formação desse ecossistema é dada por hábitos de vida, principalmente de alimentação, a ciência estuda cada vez mais a interação dos alimentos com a microbiota e seu impacto na saúde.

No entanto, os adoçantes não calóricos trazem um novo problema, pois não são produtos vegetais ou animais, mas sintéticos, incluídos na dieta humana há alguns anos.

Inicialmente, acreditava-se que eles não causavam impacto à saúde, mas serviam apenas ao propósito de adoçar. Mas se eles não são absorvidos pelo corpo, o que acontece com essas substâncias?

Estudos recentes apontam para uma mudança no estado do intestino devido à sua interação com as bactérias e fungos que o habitam, favorecendo o crescimento de alguns e reduzindo outros.

Embora essa relação dependa de cada tipo de intensivo, sua fórmula, ingredientes e dosagem.

Alguma evidência

Os adoçantes não calóricos (ENC) afetam em graus variados a constituição da flora intestinal. No entanto, os resultados científicos não são exaustivos e os pesquisadores recomendam continuar com as análises para estabelecer estritamente como eles se comportam no corpo humano.

Algumas conclusões até o presente são:

- Sucralose:

É a ENC mais amplamente utilizada nos Estados Unidos e demonstrou intervir na configuração da dinâmica da microbiota e do desenvolvimento bacteriano. Os resultados sugerem que o consumo de sucralose por 6 meses em sua ingestão diária admissível (ADI) pode aumentar o risco de desenvolvimento inflamação do tecido e inflamação crônica.

- Trehalose:

No início deste ano, uma investigação foi publicada na revista Nature que o vincula ao aumento de infecções causadas pelo desenvolvimento da bactéria Clostridium difficile na Europa e na América do Norte.

- Sacarina:

Há ampla evidência que mostra que a sacarina é uma substância inflamatória e aumenta a secreção de hormônios que regulam a motilidade intestinal.

Polióis:

Dependendo da dose e do tipo (eritritol, isomaltol, lactitol, maltitol, poliglicitol, manitol, sorbitol, xilitol e tagatose), podem causar sintomas gastrointestinais. O isomaltol, por exemplo, é parcialmente absorvido, é altamente fermentável pelo cólon (aproximadamente 90%) e, consequentemente, pode causar diarréia, flatulência, inchaço e desconforto abdominal.

Acessulfame K:

É praticamente absorvido na íntegra no intestino delgado, o restante é eliminado pela urina e pela matéria fecal. Alguns estudos indicam que ele tem um impacto significativo no conteúdo e na diversidade microbiana.

Aspartame:

É a ENC mais avaliada e com resultados consistentes relacionados à redução da capacidade antioxidante do fígado. Cuidado especial é indicado para o aspartame em pacientes com doença hepática crônica.

Glicosídeos de esteviol:

Comumente chamada estévia, ainda há poucas informações vinculando-a ao equilíbrio da microbiota, embora alguns estudos afirmem que extratos completos de estévia têm propriedades antimicrobianas.

Ciclamato:

40% é absorvido no nível intestinal e é eliminado na urina sem ser metabolizado; da porção não absorvida, 30% é metabolizado pela microbiota.

Em conclusão

Apesar das demonstrações disponíveis, muitas investigações foram realizadas apenas em animais e as conclusões não puderam ser extrapoladas para os seres humanos.

No momento, sabe-se que:

  • Os adoçantes não calóricos (ENC) não são a causa de distúrbios gastrointestinais, mas os usados ​​por seu volume e textura (polióis) podem causar distúrbios digestivos, como diarréia e principalmente inchaço (inchaço).
  • Estudos mostram que a maioria altera a composição da microbiota.
  • Eles não afetam a motilidade.
  • Eles não têm potencial cancerígeno.
  • A estévia parece ter um efeito favorável sobre a porcentagem de gordura no fígado, mas ainda não pode ser definitivamente concluída.
  • Mais pesquisas são necessárias para definir os efeitos da ENC na saúde digestiva.

Consumo moderado

Atualmente, organizações de autoridade como a OMS e a Argentina, a Sociedade Argentina de Nutrição, afirmam que não há evidências científicas suficientes para mostrar que elas são prejudiciais à saúde ao usar ingestão diária aceitável (ADI) ou menos.

Por outro lado, diante de hipóteses não testadas, sugere-se consumir adoçantes com moderação.

Adoçante da IDA

  • Sacarina 5 mg / kg de peso corporal.
  • Ciclamato 7 mg / kg de peso corporal.
  • Aspartame 50 mg / kg de peso corporal.
  • Sucralose 15 mg / kg de peso corporal.
  • Acessulfame K 15 mg / kg de peso corporal.
  • Stevia 4 mg / kg de peso corporal.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

As discussões sobre a insalubridade dos adoçantes sintéticos são numerosas. Não há evidências de que eles sejam cancerígenos na sua ingestão diária permitida. Paralelamente, as questões se multiplicam sobre o impacto que elas poderiam ter na microbiota intestinal, cuja composição bacteriana determina a saúde global do sujeito.

- Advertisment -

más leídas

Como ser um especialista em fazer as pazes sem realmente querer isso

Para muitos, a notícia foi inesperada e até maluca. Para outros, simplesmente confirmou o que já havia sido previsto em meados de...

Muitas igrejas cristãs, mas qual é a verdadeira?

A oração unânime leva à unidade. "Eu não oro apenas por eles. Eu também oro por aqueles que acreditarão...

3 histórias de encontro com Yeshua

Stan Telchin foi um escritor judeu, orador público e missionário que morreu em 06/04/2012 em Sarasota, Flórida (EUA), aos 87 anos.

Mielite transversa: a doença que hoje está na boca de todos

A mielite transversa é uma inflamação rara que afeta toda a extensão da medula espinhal, por isso é caracterizada como transversa. Conseqüentemente,...
Y conocerán la verdad, y la verdad los hará libres.