segunda-feira 26 outubro, 2020
Home Saudável A relação mente-corpo e o cólon irritável
EM QUARENTENA

A relação mente-corpo e o cólon irritável

A síndrome condiciona a vida de uma grande porcentagem de pessoas. Embora uma causa definitiva não seja estabelecida, existem vários fatores detectados que causam desconforto gastrointestinal. Além disso, o problema é agravado pela incerteza, medo ou ansiedade da atual pandemia.

A relação mente-corpo e o cólon irritável estão se aproximando cientificamente. Atualmente, as diferentes circunstâncias que as pessoas experimentam devido à pandemia e ao isolamento obrigatório têm um impacto direto em sua saúde mental e física.

Uma síndrome

De 10% a 20% da população nos países desenvolvidos sofreu o impacto nervoso devido à Síndrome do Cólon Irritável, aquele desconforto que aparece no intestino, chamado "segundo cérebro". No entanto, estima-se que entre 30-40% apresentem sintomas compatíveis pelo menos uma vez na vida.

É definida como uma síndrome porque é um conjunto de sintomas que, apresentados juntos, caracterizam o quadro patológico.

A Síndrome do Cólon Irritável (SII) é sinteticamente uma alteração na neurotransmissão entre o cérebro e o intestino, mas sem uma base orgânica ainda descoberta.

Como tal, não é possível obter um diagnóstico completamente seguro, principalmente porque existem inúmeras doenças que também podem causar inflamação e irritação gastrointestinal.

Anatomicamente, o cólon é uma seção do intestino grosso que começa após o íleo, a porção final do intestino delgado, e se estende até o ânus. Desempenha funções vitais, como hidratação, absorção de vitaminas, transporte de resíduos e contenção da microbiota.

Embora a principal característica da SII seja a alternância entre episódios de diarréia e constipação, também pode ocorrer:

  • Dor abdominal e cãibras.
  • Mudança nos hábitos intestinais.
  • Inchaço e relaxamento.
  • Flatulência.
  • Frequentemente experimentando a necessidade urgente de ir ao banheiro.

Com relação à multiplicidade de sintomas, a  International Foundation of Gastrointestinal Disorders comenta que “certos indivíduos são mais sensíveis aos sintomas do que outros, é como se um amplificador estivesse ligado e estivessem mais em contato com o que está acontecendo em seus corpos. Por que isso acontece não está claro. As pessoas variam no grau de comunicação verbal ou corporal do estresse. Isso poderia, em parte, ser aprendido.”

Corpo e mente

Embora uma causa específica ainda não esteja determinada, uma série de fatores de risco é descrita relacionada a ter sofrido de gastroenterite, sofrer um evento traumático ou os efeitos de certos antibióticos.

Nos últimos anos, a ciência médica se concentrou em estudar as alterações produzidas nas trocas entre o intestino e o cérebro para determinar quem é responsável pela causa e qual é o responsável pelo efeito.

Por essas razões, esse órgão é freqüentemente apelidado de "segundo cérebro", pois se comunica com a mente diretamente através do nervo vago, que também é o canal para a troca com outros órgãos, como o coração e os pulmões.

No entanto, existe adicionalmente uma via química na qual hormônios e neurotransmissores atuam. É nesse ponto que estados emocionais como ansiedade, angústia, frustração, desespero, medo e raiva passam a afetar essa comunicação.

Modificações ocorrem no cluster da microbiota, reduzindo a diversidade de bactérias, vírus e fungos cujas funções determinam diretamente a qualidade da saúde física e mental.

Por esses motivos, as emoções negativas são consideradas precursoras de uma resposta inflamatória na mucosa do cólon e é explicada a alta incidência de SII em pessoas diagnosticadas com ansiedade ou estresse.

No entanto, isso não significa que o desconforto seja psicológico ou imaginário, pois os sintomas são reais, condicionantes e constantes.

Na internet, existem várias ofertas para praticar meditação, apesar da quarentena.

Várias ações e melhorias

Embora as chances de ter intestino irritável sejam maiores nas mulheres e a incidência aumente se a mãe o tiver, existem técnicas e métodos recomendados para aliviar os sintomas e gerenciar o grau de condicionamento das emoções negativas.

  • Especialistas e pacientes recomendam uma série de ações que prometem melhorias:
  • Inicie um processo de aprendizado de gerenciamento do estresse, com psicoterapia, ioga, meditação, técnicas de relaxamento ou a alternativa que se adapte a cada assunto.
  • Tenha uma boa comunicação entre o médico e o paciente para que o diagnóstico seja confiável, pois não há análises ou testes para determiná-lo.
  • Mantenha o controle dos alimentos ingeridos e seus efeitos no corpo para adaptar a dieta.
  • Desenvolva o hábito de comer com calma, com tempo suficiente e sem distrações.
  • Pratique exercício físico regularmente.
  • Beba bastante água.

Alguns alimentos e bebidas que geralmente afetam a maioria das pessoas com SII são: refrigerante e água com sabor, café, fast food, gorduras, adoçantes, chicletes com sorbitol e produtos ultraprocessados ​​em geral.

O aconselhamento nutricional é uma ferramenta para pacientes com SII.

Dieta baixa em FODMAP

A dieta baixa em FODAMP (oligossacarídeos fermentáveis, dissacarídeos, monossacarídeos e polióis) provou ser uma ferramenta eficaz para gerenciar os sintomas da Síndrome do Intestino Irritável.

O objetivo do programa desenvolvido na Universidade Monash em Melbourne (Austrália) é detectar quais alimentos desencadeiam certos sintomas, e isso é especialmente sugerido em indivíduos com inchaço constante.

Primeiro, alguns alimentos são excluídos e, no momento indicado pelo profissional, passam a ser incluídos novamente, para que seja fácil descobrir os precursores do desconforto.

Em geral, os elementos que constituem a sigla FODMAPs cumprem o papel dos prebióticos porque aumentam o desenvolvimento de bactérias favoráveis ​​à saúde e também geram a produção de ácidos graxos de cadeia curta no cólon, que também são benéficos.

Mas, ao mesmo tempo, esse grupo de alimentos causa inchaço abdominal e aumento de gases nos pacientes com SII quando ingeridos e / ou mal absorvidos. Portanto, reduzir o consumo significa reduzir os sintomas.

Embora o impacto a longo prazo da dieta não tenha sido totalmente analisado, é recomendável que não dure mais de dois meses, porque, por exemplo, a ingestão de cálcio é inevitavelmente reduzida.

De qualquer forma, para aplicá-lo com segurança, é essencial o aconselhamento nutricional de um profissional.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

A síndrome condiciona a vida de uma grande porcentagem de pessoas. Embora uma causa definitiva não seja estabelecida, existem vários fatores detectados que causam desconforto gastrointestinal. Além disso, o problema é agravado pela incerteza, medo ou ansiedade da atual pandemia.

- Advertisment -

más leídas

Você tem um templo e a questão é como você cuida dele

Cada vez mais escolhidos Mais e mais pessoas estão optando por reduzir o consumo de alimentos de origem...

Dura competência entre Trump vs. Biden pelo voto dos eleitores católicos

No jornal The Washington Post, Matt Wiser descreve a situação: "A luta para conquistar eleitores católicos indecisos nas eleições...
Y conocerán la verdad, y la verdad los hará libres.