sexta-feira 23 outubro, 2020
Home Saudável "Cannabis medicinal não é uma panacéia"
SAÚDE MENTAL E TOXICODEPENDÊNCIA

“Cannabis medicinal não é uma panacéia”

A maconha é econômica e altamente acessível. Ele gosta de muita imprensa a seu favor e as vozes que se levantam em sua defesa proliferam, seja para uso recreativo ou medicinal. Em consulta com a psiquiatra Evangelina Melgar, as dúvidas são esclarecidas e os mitos sobre a planta e seus derivados são desmantelados.

por ELIZABETH MAIER

Contexto

A maconha faz parte de muitas tradições antigas e é registrada em 3.000 a.C. a indicação mais antiga de seu uso. Seu consumo é costume de várias sociedades há milhares de anos, mas somente no final do século XX começou o estudo de suas verdadeiras propriedades e efeitos.

A evolução histórica que caracterizou a substância como uma droga ilícita e a vinculou ao crime, gerou que não há avanços científicos em seu conhecimento até algumas décadas atrás.

Os mistérios permaneceram até que pesquisadores, como Raphael Mechoulam, em Tel Aviv, começaram a analisá-lo. Dessa maneira, eles descobriram o tetra-hidrocanabinol (THC) e o canabidiol (CBD) que compõem a planta.

Atualmente, é legal em países como o Uruguai e em alguns estados dos Estados Unidos. Em Portugal, o consumo é descriminalizado e em países como Israel, Canadá e Holanda eles geram planos para uso médico. Progressivamente, o assunto chegou a congressos e debates públicos.

Na Argentina, o uso recreativo pessoal foi descriminalizado há 10 anos e até 2017 a lei que regula o uso medicinal de cannabis em todo o país foi aprovada. De qualquer forma, ainda é ilegal produzir em grandes proporções e comercializá-lo.

Descobertas sobre o uso da maconha na China séculos antes de Cristo.

Vozes

Organizações a favor e contra, sociedades médicas, parentes de pessoas com doenças ligadas a convulsões e cidadãos comuns debatem na esfera pública o que deve ser a regulamentação e o uso da planta.

O precursor da investigação sobre a maconha, Raphael Mehoulam, afirma ser contra seu uso recreativo, mas também contra a criminalização de quem a consome ou a possui. O pesquisador sabe que não está desamparado e o apóia em suas investigações.

Mas Mehoulam também reconhece que continuar estudando pode significar uma promessa para a medicina:

"Não fizemos nada além de arranhar a superfície e lamento não ter outra vida para dedicar a esse campo, porque talvez descobríssemos que os canabinóides estão envolvidos de uma maneira ou de outra em todas as doenças humanas".

Médico e pesquisador Raphael Mehoulam.

Mitos esandar

A imprensa a seu favor afirma que a substância não é viciante, que não gera riscos à saúde porque é simplesmente uma planta e que é a cura para um aglomerado de doenças. Mas a psiquiatra Evangelina Melgar revela alguns dos mitos do uso recreativo e medicinal da maconha.

Bob Marley é uma das figuras mais populares na defesa do uso de maconha.
  • É seguro porque é natural?

É claro que não, nenhum medicamento ou planta é completamente inofensivo, tudo tem seus efeitos adversos e há muita pesquisa sobre as consequências de fumar. Se for plantado pelo próprio consumidor, os agregados químicos não estarão presentes, mas ainda serão prejudiciais.

Nos últimos anos, estudos têm se concentrado em entender como o tetrahidrocanabinol (TCH) funciona, que é a parte psicoativa da planta e é necessário para o canabidiol, seu equivalente, agir. Muitos dos riscos potenciais que a planta possui estão relacionados aos níveis de THC e à periodicidade do consumo.

  • Quais são os riscos?

Fumar maconha está relacionado ao suicídio, à depressão e principalmente à síndrome de amotivação, que é um quadro que parece ser depressão, mas não há tristeza, mas é relutante, falta de vontade, falta de projetos de vida. Por outro lado, as conseqüências no nível cognitivo são altamente comprovadas, especificamente na concentração e na memória. Se começar a ser consumido no período de desenvolvimento cerebral, que é o início da adolescência, a conectividade cerebral é reduzida em 80%.

Sendo uma droga com muito boa imprensa, a comunidade médica enfrenta o desafio de educar e informar seus pacientes e a sociedade em geral. O Dr. Melgar destaca um risco que praticamente não é mencionado e é a capacidade da maconha de ser um inibidor enzimático, “por exemplo, se uma pessoa toma um anticoagulante e, por sua vez, a cannabis, isso aumenta a concentração da droga e corre o risco de sangrando. Essa concentração é dada com aproximadamente 500 medicamentos. ”

  • O que é verdade sobre o seu relacionamento com a esquizofrenia?

O relacionamento foi visto na Holanda, por exemplo, e é o que mais vemos no serviço em que trabalho. A psicose, especialmente a esquizofrenia, é um risco que você corre se fuma. E o mais impressionante é que não está relacionado à periodicidade do consumo. É quase como o alcoolismo, nem todo mundo que bebe álcool é alcoólico, porque a chave é genética e a predisposição. A psicose pode ocorrer quando se fuma apenas uma ou duas vezes.

Na Holanda, o uso de maconha é legal, mas a prevalência de surtos psicóticos do tipo esquizofrenia é de 3%, em comparação com a média mundial de 1%.

  • Isso causa dependência?

Muito pouco comparado ao tabaco, que é uma das principais substâncias com risco de dependência, é seguido por cocaína, morfina, e uma delas é a maconha. Mas também não é zero, se você começar a fumar na adolescência, há 16% de chance de desenvolver dependência e se consumir 50% ao dia.

  • É verdade que a criatividade aumenta?

Na verdade, é um mito, porque depende da suscetibilidade metabólica do paciente. Alguns relaxam e outros geram ataques de pânico. O que está claro é que a criatividade está relacionada ao QI.

  • Ser legalizado em outros países significa que a Argentina está atrasada?

Nos países onde é legal, foi demonstrado que, em vez de reduzir o consumo, aumentou. E, consequentemente, os riscos que eu já mencionei aumentam. A situação uruguaia deixou claro que a única diferença é que, em vez de comprar de um revendedor, é comprado na farmácia.

“Você precisa estabelecer qual planta, com qual porcentagem de THC e canabidiol e se é preparada com o caule, a flor ou a folha”.

Cannabis para uso medicinal

Na Argentina, cada caso clínico que solicita o uso de maconha medicinal deve ser aprovado pelo Registro Voluntário Nacional argentino e fazer parte de um protocolo de pesquisa. Dr. Melgar enfatiza a importância de saber o que é consumido e quem o produziu. “Você precisa estabelecer qual planta, com qual porcentagem de THC e canabidiol e se é preparada com o caule, a flor ou a folha. Se uma pessoa faz isso no pote de sua casa, ele não tem idéia de quanto THC ele tem e se o compra, também não, porque não é regulamentado por nenhum laboratório”.

  • Existem evidências suficientes para recomendar cannabis medicinal?

Da minha posição médica, não posso prescrever algo para tentar, é como dar ao paciente um antibiótico ginecológico para o pulmão, para ver se funciona. Cientificamente falando, há muito o que fazer, ainda não há clareza. Não existe molécula padronizada, mas apenas derivados, mas qual planta? Qual a concentração de THC? Qual a concentração de canabidiol? Não se sabe, não há estudo contundente.

  • Por que acredita-se que pode aliviar doenças até hoje sem cura?

Uma metanálise foi publicada recentemente e concluiu que há apenas uma demonstração moderada em: redução da dor crônica, melhora da espasticidade na esclerose múltipla, diminuição de vômitos em pessoas submetidas à quimioterapia, aumento do apetite com pacientes com HIV, melhora leve na epilepsia e na síndrome de tourette. Além disso, existem evidências parciais na doença de Dravet e nas epilepsias refratárias da infância. Mas não há demonstração sobre estresse e ansiedade.

Mas tudo isso não significa que, para absolutamente todos os pacientes com essas condições, a maconha não seja uma panacéia. Se o paciente quiser experimentar, posso acompanhá-lo, mas eticamente não posso recomendá-lo.

"Tudo o que estou dizendo não é o que você mais ouve, mas se você ler e ouvir pesquisadores sérios, o discurso será o mesmo."

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

A maconha é econômica e altamente acessível. Ele gosta de muita imprensa a seu favor e as vozes que se levantam em sua defesa proliferam, seja para uso recreativo ou medicinal. Em consulta com a psiquiatra Evangelina Melgar, as dúvidas são esclarecidas e os mitos sobre a planta e seus derivados são desmantelados.

por ELIZABETH MAIER

- Advertisment -

más leídas

De Daniel ao Apocalipse, semelhantes, mas complementários

Existem quatro livros na Bíblia que são considerados especialmente apocalípticos; Eles são Daniel, Ezequiel, Zacarias e Apocalipse. Então, vamos...

Obrigado por isso, por aquilo e por tudo

É notável a quantidade de menções que existem sobre a importância da gratidão e, no entanto, é uma atitude incomum na maioria...
Y conocerán la verdad, y la verdad los hará libres.