Cesarianas: por que estão substituindo cada vez mais o parto normal?

Cesarianas: por que estão substituindo cada vez mais o parto natural? Por que atingem até 70% se não reduzem a mortalidade materna depois de um 10%?

A OMS estabeleceu já em 1985 que as cesarianas são apenas procedimentos necessários em 10% e 15% de todos os nascimentos.

No entanto, na América Latina ultrapassa 23% e cresce aproximadamente 2% ao ano.

Mesmo no setor privado argentino, chega a 70% sem nenhuma evidência científica para apoiar a exigência dessa porcentagem.

Os países que melhor atendem às diretrizes da OMS são Ucrânia, Namíbia, Guatemala e Arábia Saudita e, no caso oposto, são Alemanha, Egito, Turquia e EUA.

A cesariana é comumente considerada uma alternativa simples e segura ao parto natural, mas "pode ​​ser tecnicamente difícil devido aos riscos consequentes à saúde da mãe e do feto", afirma o European Journal of Obstetrics and Gynecology and Reproductive Biology.

Sendo uma cirurgia, os riscos são múltiplos para a mulher e o bebê, a curto e longo prazo. Além disso, as dificuldades aumentam quando se trata de pessoas com pouco acesso abrangente ao sistema de saúde.

Em termos gerais, é considerado justificado quando se pretende "prevenir a morbimortalidade materna e perinatal". Mas, pelo lado oposto, "os benefícios do parto cesáreo para mulheres ou recém-nascidos nos quais esse procedimento é desnecessário não foram demonstrados".

Isso foi demonstrado por uma revisão da OMS, constatando que, quando a taxa permanece entre 10% e 15%, está diretamente relacionada à menor possibilidade de morte da mãe e do feto. Mas acima desses índices, as duas variáveis ​​não são mais associadas.

Sensação de controle e segurança: os riscos não visíveis

No final de 1800, a cesariana era realizada como último recurso médico se a vida da mãe estivesse em risco.

No século XX, a prática aumentou 4% e, em meados do século, a média foi inferior a 15% por várias décadas.Graças aos avanços na medicina, o controle sobre a mortalidade e morbidade materna melhorou.

No entanto, a partir da década de 1980, as cesarianas injustificadas têm aumentado constantemente, atingindo até 70% hoje em instituições privadas.

O fenômeno praticado nas gestações de baixo risco se espalhou a tal ponto. Ou seja, eles seguiram uma evolução normal e sem antecedentes perigosos.

Os efeitos a longo prazo desta epidemia ainda não são completamente claros. O que se sabe são algumas consequências imunológicas, como alergias, asma, outras doenças respiratórias e autoimunes, até diabetes.

Também está relacionado à maior morbidade das mulheres devido ao tratamento antibiótico pós-parto. E tem um impacto direto em uma fraca conformação da microbiota intestinal do bebê.

Na cultura do imediatismo na qual a sociedade está imersa hoje em dia, é complexo diferenciar causas biológicas e sociais.

Da mesma forma, a necessidade de se sentir seguro e no controle das circunstâncias desempenha um papel de liderança no processo de gestação e parto.

Violência obstétrica

A etimologia da palavra cesariana deriva do verbo latino "caedere", que significa cortar. O termo é atribuído a um extenso registro de pessoas que nasceram de um corte no útero. Há até evidências na história que remontam à sociedade grega.

Em suma, o século XXI é cheio de interesses conflitantes. Por um lado o médico, por outro a instituição e, relegado, o corpo das mulheres.

Na maior parte do mundo, as cesarianas são mais lucrativas que os partos naturais. Sendo uma intervenção cirúrgica, geralmente é planejada com antecedência e permite que os médicos façam mais em menos tempo.

No entanto, não está dentro do código ético adaptar os procedimentos à conveniência dos referidos atores. No meio está a mulher e suas decisões.

A violência obstétrica é entendida como "aquela [violência] exercida pelo pessoal de saúde no corpo e nos processos reprodutivos das mulheres, expressa em tratamento desumanizado, abuso de medicalização e patologização de processos naturais".

Nesse sentido, o Observatório de Igualdade de Gênero da defensoria do Povo na Argentina publicou estatísticas divulgadas pelo grupo Las Casillas, uma vez que não estão disponíveis no nível oficial. De acordo com as pesquisas:

  • 4 em cada 10 mulheres sentiram que elas ou seus bebês estavam em perigo.
  • 4 de 10 não se sentiam contidos ou não podiam expressar seus medos.
  • 7 em 10 relataram não conseguir se mover livremente durante o parto.
  • 7 em 10 tiveram sua bolsa quebrada artificialmente.
  • 5 de 10 tiveram partos induzidos.
  • 7 em 10 não sabiam quais práticas o bebê estava fazendo ou não pediram seu consentimento.
  • 4 de 10 não foram informados sobre a evolução do trabalho

A mesma organização autogerenciada garante que, na quarentena, metade dos partos seja cesárea. Situação que piora ainda mais o panorama.

Em resposta, a OMS trabalha em uma estratégia para defender o papel das parteiras tradicionais.O atendimento personalizado, a segurança e a experiência de uma mulher para outra desempenharam um papel social fundamental na história.

Da mesma forma, eles podem atualmente desempenhar um papel crucial no tratamento do problema da violência obstétrica.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.