sexta-feira 23 outubro, 2020
Home Saudável O princípio da coerência
SAÚDE MENTAL

O princípio da coerência

O humano é o único ser vivo dotado da capacidade de enganar a si mesmo. No entanto, a busca pelo alinhamento entre o que se acredita, diz e faz é uma necessidade primária de bem-estar. Do outro extremo, a psicologia desenvolveu o conceito de dissonância cognitiva e também a Bíblia registra seus perigos e soluções.

Consistência é um princípio psicológico que leva as pessoas a agirem consistentemente entre o pensamento e a história da vida. É também chamado de princípio de compromisso ou consistência.

O psicólogo americano Robert Cialdini apresentou em seu livro 'Influence The Psychology Of Persuasion', de 2001, o ABC das técnicas de persuasão. Entre eles está a coerência que implica a harmonia entre os valores, sentimentos e desejos.

Em outras palavras, é o alinhamento do que se acredita, diz e faz. Isso também é explicado pela definição de Charles Kiesler publicada três décadas antes da categorização de Cialdini, que ele entende no início como "o elo existente entre o indivíduo e suas ações".

Assim definida, a consistência é uma das principais necessidades do ser humano para obter bem-estar, uma vez que usa a própria consciência como imputação.

Na busca contínua pela manutenção da homeostase interna, cada indivíduo enfrenta situações que comprometem seus valores. Diante desse cenário, você pode fortalecer sua coerência reagindo com convicção e, como resultado, você será uma pessoa estável, confiável e bem-estimada.

No entanto, diante do mesmo cenário, grandes ou pequenas concessões podem ser feitas que balançam o equilíbrio interno pessoal.

Em mais casos do que o desejado, o segundo tipo de reação ocorre com mais frequência que o primeiro. É aí que a pessoa gera estratégias mentais para encontrar um equilíbrio, ou seja, ocorrem dissonâncias cognitivas.

Dependendo das circunstâncias, as pessoas tendem a se reequilibrar, procurando mudar suas crenças, comportamento originais ou adicionar novos elementos cognitivos.

Dissonância cognitiva

A dissonância cognitiva é o conflito interno que surge quando idéias opostas são mantidas e justificadas por ações ou pensamentos opostos aos seus.

Representa uma alteração desconfortável do equilíbrio mental e leva o sujeito a buscar a redução ou eliminação de sua causa. Isso pode acontecer porque:

  • Dois pensamentos conflitantes permanecem.
  • É realizado um comportamento que vai contra alguma crença.

Dependendo das circunstâncias, as pessoas tendem a se reequilibrar, procurando mudar suas crenças, comportamento originais ou adicionar novos elementos cognitivos. Caso contrário, se não forem resolvidos, tornam-se personalidades imprevisíveis.

O primeiro profissional a estabelecer o problema da dissonância foi Leon Festinger, em 1957, no livro 'A Theory of Cognitive Dissonance', e a partir daí a Psicologia desenvolveu grandes avanços nesse sentido.

Graças a essa teoria, atualmente é sabido que um vendedor de um determinado produto não gera o mesmo efeito em seu potencial comprador se não estiver convencido da qualidade, funcionalidade ou valor do que ele oferece.

Festinger explicou que "as pessoas se sentem desconfortáveis ​​quando mantemos simultaneamente crenças conflitantes ou quando nossas crenças não estão em harmonia com o que fazemos".

O problema aumenta se, como medida de defesa, o sujeito evita o descontentamento da inconsistência através do auto-engano. Porque o que aconteceria se, afinal, todos acreditassem em suas próprias mentiras

Para a psicologia e também para a Bíblia, oferecemos ofensas e opções
para quem está ciente da importância da matemática como cognições.

Acredite, queira, faça

O problema da desarmonia entre dois pensamentos não é novo. Nem é a oposição entre o que se acredita e o que finalmente é feito.

A teoria psicológica explica que os métodos para equilibrar o comportamento estão, como afirmado anteriormente, mudando crenças, comportamentos ou acrescentando outros pensamentos. No entanto, quando se trata de crenças em nível espiritual, a Bíblia já lançou luz sobre isso há milhares de anos.

O apóstolo Paulo registrou no livro de Romanos:

Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero, que faço […] Miserável de mim! Quem me livrará deste corpo de morte? Obrigado eu dou a Deus, através de Jesus Cristo, nosso Senhor. Então, eu mesmo com a mente sirvo a lei de Deus, mais com a carne a lei do pecado.”

Romanos 7:19, 24-15

No entanto, ele não é o único personagem bíblico que se conscientizou da capacidade humana de auto-engano. Pedro negou a Cristo três vezes depois de declarar que estava disposto a segui-lo "não apenas para a prisão, mas também para a morte".

Do mesmo modo, a dissonância continua sendo uma das principais razões pelas quais algumas pessoas não conhecem ou querem conhecer a Deus, uma vez que a diferença entre o que se acredita, o que é dito e o que é feito ainda está aberta. Por exemplo, alguém que tenha um conhecimento profundo das Escrituras Sagradas, mas seja soberbo ou egoísta.

Assim, João profetizou na Apocalispsis que seria Laodicéia:

"Conheço suas obras, que você não é nem frio nem calor. Eu queria que você estivesse com frio ou calor! Mas como você está quente, e não frio nem calor, vomitarei da minha boca. Porque você diz: sou rico e me enriqueci e não preciso de nada; e você não sabe que é infeliz, infeliz, pobre, cego e nu.”

Apocalipse 3: 15-17

Em suma, a psicologia e ainda mais a Bíblia oferecem meios e opções para aqueles que tomam consciência da seriedade de manter as cognições sob tensão.

Em Santiago, foi gravado: "Seja criador de palavras e não apenas ouvintes que se enganam". (Tiago 1: 22-26) e também "quem olha atentamente para a lei perfeita que dá liberdade, e persevera nela, sem esquecer o que ouviu, mas ao fazê-lo, receberá uma bênção quando a praticar" (Tiago 1:25).

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

O humano é o único ser vivo dotado da capacidade de enganar a si mesmo. No entanto, a busca pelo alinhamento entre o que se acredita, diz e faz é uma necessidade primária de bem-estar. Do outro extremo, a psicologia desenvolveu o conceito de dissonância cognitiva e também a Bíblia registra seus perigos e soluções.

- Advertisment -

más leídas

De Daniel ao Apocalipse, semelhantes, mas complementários

Existem quatro livros na Bíblia que são considerados especialmente apocalípticos; Eles são Daniel, Ezequiel, Zacarias e Apocalipse. Então, vamos...

Obrigado por isso, por aquilo e por tudo

É notável a quantidade de menções que existem sobre a importância da gratidão e, no entanto, é uma atitude incomum na maioria...
Y conocerán la verdad, y la verdad los hará libres.