sábado 31 outubro, 2020
Home Saudável “Todos somos uma versão melhor de nós mesmos sem álcool”
SAÚDE MENTAL

“Todos somos uma versão melhor de nós mesmos sem álcool”

Por trás da boa imprensa que goza, os números excluem os riscos que isso implica, especialmente para as idades mais jovens. Apesar de seu papel social e cultural, tanto o episódio quanto o consumo problemático alteram o comportamento e a percepção, segundo o psiquiatra Iván Jurczuk.

O álcool muda o comportamento e a percepção da realidade, e essas são apenas duas das razões pelas quais mais e mais pessoas optam por abandonar completamente a ingestão.

Papel histórico e conscientização atual

Afirmar que uma conduta foi praticada por séculos é geralmente um argumento em defesa de certas substâncias ou hábitos prejudiciais à saúde. Também acontece com o álcool que, apesar de seu inegável papel social, os números excluem os danos e as conseqüências que gera.

Há registros de seu consumo na China desde 7.000 aC. e Sura era característico na Índia desde 3.000 a.C. Na Grécia e também durante o Império Romano, ele percebe a ingestão do hidromel popular, considerado precursor da cerveja e presente na literatura antiga.

Da mesma forma, na América Latina, também tem sido uma bebida utilizada, embora com pequenas diferenças em sua preparação e significado, ligada ao sagrado.

Além disso, no Novo Continente, há evidências de outros compostos semelhantes, mas baseados em milho, uvas e maçãs.

No período após a invasão e conquista, as bebidas alcoólicas passaram a ter uma função relacionada à saúde, como evidenciado pela criação do gin, atribuído a um médico da Holanda.

Essa tendência começou a reverter para o século XX, quando uma função pejorativa ganhou terreno contra a visão de cura. Nesse contexto, surge a conhecida Lei Seca que proibia a produção e a ingestão de bebidas alcoólicas nos Estados Unidos.

Com essa norma revogada e um maior conhecimento científico sobre a relação desses consumos com outras doenças não transmissíveis, o cenário resmungou na busca pela moderação.

Atualmente, o desafio está em gerar coerência entre o conhecimento do papel social que o álcool tem e teve, com a conscientização de seus riscos.

Consumo problemático

A Organização Mundial da Saúde afirma que o consumo nocivo de bebidas alcoólicas causa 2,5 milhões de mortes anualmente no mundo e na Argentina existem quase 2 milhões de pessoas que sofrem dependência e 25 mil morrem por ano por causas diretamente relacionadas, como accidentes automovilísticas, doenças ou cardiovasculares.

Em diálogo com o psiquiatra Iván Jurczuk, são esclarecidas dúvidas sobre esse cenário difícil:

-Por que você fala sobre consumo problemático?

-Anteriormente, discutia-se o distúrbio de abuso de substâncias, que era qualquer ingestão que causasse danos ao indivíduo e / ou sociedade. Mas agora falamos sobre consumo problemático porque o dano está sempre presente, por exemplo, alguém que bebe um copo de vinho por dia tem uma leve deterioração no fígado. Como médico, aceito que seja um costume imposto socialmente, mas não o aprovo.

-Como detectar se se tornou problemático?

-Basicamente, modifica o comportamento até que não possa ser compartilhado com a pessoa em seu comportamento normal de sobriedade. Também em 9 minutos, a substância está no cérebro e gera gratificação, o que é um risco ainda maior se você procurar constantemente esse sentimento porque corre o risco de adicionar outros hábitos de gratificação imediata.

-Como isso afeta a pessoa?

-Está relacionado a falhas acadêmicas, familiares e de trabalho. Embora existam pessoas de sucesso que sempre usavam ou usavam drogas, essa não é a maioria e o sucesso não tem nada a ver com o consumo. Muitos dizem: "Eu nunca fico bêbado, nunca faço bagunça", mas isso os afeta mesmo que não o percebam, porque é basicamente isso que faz, mudando a percepção. Todos somos uma versão melhor de nós mesmo sem álcool.

Os riscos para os jovens

A Fundação Interamericana do Coração declara que "aqueles que começam a beber antes dos 15 anos têm quatro vezes mais chances de se tornar dependentes de álcool e quase sete vezes mais chances de se machucar em um acidente de veículo ou briga física" .

-Como essas situações podem ser evitadas?

-Estima-se que a primeira vez que alguém toma é aos cinco anos na própria casa e é nessa idade que é gerada a primeira poda do sistema neuronal, ou seja, todas as rotas que não são mais usadas são cortadas e eles instalam novos, é por isso que praticamente não temos lembranças anteriores. O que se desenvolve é a plasticidade neuronal e se durante esse período o cérebro foi treinado para gratificação imediata, independentemente do custo, o resto da vida será difícil para que seja diferente.

-Nos últimos sete anos, houve um crescimento de 50% no consumo de álcool entre menores de 14 anos, o que você acha que é devido?

-Tem a ver com a mudança geracional, antes que as pessoas projetassem mais a longo prazo e vinculadas a essa satisfação futura, como carreiras universitárias, família, lar. Hoje, estima-se que o trabalho de um jovem dure apenas dois anos, porque o sistema é assim e não é culpa de ninguém. Tudo isso favoreceu o uso de substâncias viciantes e os nascidos nos anos 80 cresceram em busca de gratificação imediata.

Consciência e ação

-Como isso afeta aqueles que tomam medicamentos psiquiátricos?

-O álcool é um desregulador do sistema nervoso porque é um depressivo; portanto, um psicótico vai psicotizá-lo e um depressivo vai deprimi-lo mais. Se você estiver em tratamento com antidepressivos que levam 25 dias para agir e ao mesmo tempo que bebe uma bebida que leva 9 minutos para entrar em vigor, não há como competir. O problema não é a combinação em si, mas o estado da pessoa.

-Como você recomenda zero álcool?

-Recentemente, uma garota que estava iniciando o período de férias de 15 de todas as suas amigas veio me ver e perguntou se eu poderia beber. Ela está em tratamento e não é recomendada, mas não posso negar a realidade e dizer a ela para evitá-la completamente. O que fiz foi reforçar a ideia de como é bom para as amigas vê-la sóbria e boa.

-Quais são as medidas que podem ser tomadas nesse cenário?

-A primeira coisa é aceitar a cultura imposta pelo consumo, mas não aprová-la. E, acima de tudo, tenha uma atitude em ação, porque a paz não é passividade. Como Luther King disse: "Não estou preocupado com o mal do mal, mas com a passividade do bem".

Algumas das respostas para esse problema podem ser, de acordo com a Fundação Interamericana do Coração:

  • Aplique impostos para reduzir sua acessibilidade
  • Proibir todas as formas de publicidade, promoção e patrocínio
  • Restringir o acesso ao álcool para menores
  • Fortalecer a resposta dos serviços de saúde

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Por trás da boa imprensa que goza, os números excluem os riscos que isso implica, especialmente para as idades mais jovens. Apesar de seu papel social e cultural, tanto o episódio quanto o consumo problemático alteram o comportamento e a percepção, segundo o psiquiatra Iván Jurczuk.

- Advertisment -

más leídas

Dura competência entre Trump vs. Biden pelo voto dos eleitores católicos

No jornal The Washington Post, Matt Wiser descreve a situação: "A luta para conquistar eleitores católicos indecisos nas eleições...

Você tem um templo e a questão é como você cuida dele

Cada vez mais escolhidos Mais e mais pessoas estão optando por reduzir o consumo de alimentos de origem...
Y conocerán la verdad, y la verdad los hará libres.