segunda-feira 13 julho, 2020
Home Ensaios Quando evangélicos conservadores conspiram contra a liberdade de consciência
A MALDIÇÃO DA IGREJA E DO ESTADO

Quando evangélicos conservadores conspiram contra a liberdade de consciência

TERCEIRO ANJO apontou e reiterou a conduta muito séria de cristãos evangélicos conservadores que, tanto nos EUA quanto no Brasil, misturam Estado e Igreja, poder conjuntural com valores eternos, ganância secular com justiça divina. E lá estão eles, Donald Trump e Jair Bolsonaro, em sérios problemas, em parte devido à desumanidade com que lidaram com a pandemia causada pelo COVID-19, quando tinham muito tempo desperdiçado para preparar suas respectivas sociedades em nome de uma continuidade do ciclo econômico. isso não existe: eles não serão capazes de evitar uma enorme recessão. Hoje, 01/05/2020, estima-se que 30 milhões de americanos estejam desempregados e nos centros urbanos a contagem é de 1 em 6. Nesse contexto, é interessante a seguinte reflexão publicada na revista Spectrum, com a assinatura de Edison. García-Creitoff, professor de Ética e Comunicação em universidades particulares em Porto Rico, mas também assistente social, mediador de conflitos e diácono na Igreja Adventista de Vega Baja, Porto Rico. Além de pertencer a um credo religioso, o que ele levanta sobre o risco que o processo político-cultural que ocorre nos EUA implica é compartilhado por grande parte da imprensa independente no mundo atual, embora sem a interpretação religiosa que ele consegue dar . Portanto, sem prurido ou preconceitos, a leitura é útil.

EDISON GARCÍA-CREITOFF

"Você ouvirá falar de guerras e rumores de guerras, mas tente não se alarmar. Isso precisa acontecer, mas ainda não será o fim.
Nação se levantará contra nação, e reino contra reino. Haverá fomes e terremotos em todos os lugares. Tudo isso será apenas o começo da dor
."
Mateus 24:6–8

SPECTRUM. No momento da redação deste ensaio, o COVID-19 está em quarentena, vivendo a profecia de Mateus 24 e experimentando um novo declínio econômico para o império americano. (1)

O COVID-19 afetou a economia capitalista mundial e o capitalismo de estado comunista na China e em seus países aliados. No entanto, o que caracteriza essa crise nos Estados Unidos é que ela é mais grave do que a crise econômica da Grande Depressão de 1930 e a recessão de 2008. Esta última causou uma crise global de alimentos e energia, a ameaça de uma recessão. em todo o mundo. bem como uma crise de crédito hipotecário e confiança nos mercados. (2)

Mas, no meio dessa crise do COVID-19, a figura do presidente Donald Trump é particularmente impressionante. Seu papel nesta crise, sua atitude, suas posições ideológicas pessoais, suas estratégias.

Há algumas semanas, o jornalista Nicholas Kristof previu que o presidente levaria o país ao seu pior cenário. Dr. Anthony Fauci, epidemiologista do National Institutes of Health; e a Dra. Deborah Birx, consultora do grupo de trabalho da Casa Branca para o COVID-19, concordou. (3)

Dr. Anthony Fauci, epidemiologista do National Institutes of Health; e Dra. Deborah Birx, consultora do grupo de trabalho da Casa Branca para o COVID-19.

Kristof imaginou mais de dois milhões de americanos mortos pelo novo coronavírus, quase todos de luto sem funerais. Muitos mortos, porque os hospitais ficariam sobrecarregados demais para tratar adequadamente ataques cardíacos, asma e complicações relacionadas ao diabetes. Ele previu que a economia entraria em depressão, já que a política fiscal e monetária é ineficaz quando as pessoas temem sair e fechar negócios, e que dezenas de milhões de pessoas estariam desempregadas. Com relação à vacina, ele visualizou que seria um pouco distante, que a imunidade daqueles que se recuperassem duraria pouco (porque uma reinfecção poderia ocorrer) e que o coronavírus se juntaria à gripe sazonal (todos os anos) como algo recorrente.

Graças a Deus, o Presidente, talvez por temer esse caos apocalíptico, prestando atenção aos seus consultores políticos ou médicos, temendo que ele não seja reeleito ou possivelmente demitido pela Emenda 25, retificou suas estratégias para combater o vírus e impulsionar a economia, embora sua personalidade continua e continuará controversa.

Longe está sua posição contra as medidas sanitárias dos epidemiologistas e da comunidade científica da saúde nos Estados Unidos e no mundo, ameaças para elevar os padrões de distanciamento social porque "o remédio é pior que a doença", a desvalorização do vírus. , dizendo que é uma gripe comum que afeta apenas os idosos e que eles devem se isolar e o comentário de que nunca concordou com o isolamento (que essa idéia veio dos médicos e que, se dependesse deles) , fechariam o país inteiro, entre outras posições).

Trump considerou levantar medidas de quarentena e isolamento social com restrições ao comércio, trabalhadores, viagens e indústrias no dia 12 de abril de 2020, dia de Páscoa, o dia da ressurreição de Cristo. "Quero a ressurreição da América naquele dia. Quero que as igrejas estejam cheias", disse ele em entrevista à Fox News.

Por que o Presidente queria que os Estados Unidos "estivessem abertos e prontos para começar o dia da ressurreição de Cristo"? Isso é uma coincidência?

O apoio de Trump a sua causa depende em grande parte do apoio que os evangélicos conservadores lhe ofereceram nos Estados Unidos. Ele venceu a eleição com o apoio de 81% dos cristãos evangélicos brancos, pentecostais, neopentecostais, independentes e adventistas. Isso constituiu 26% do eleitorado em 2016. (4)

Donald Trump orando com pastores evangélicos americanos conservadores.

Em meio a essa crise, que pode afetar sua reeleição, Trump já começou a se aproximar dos evangélicos, buscando seu apoio. Esse é o contexto de suas recentes declarações sobre a "ressurreição da América". Eles são a quinta coluna. As pesquisas da Gallup sugerem que 51% da população pensa que não possui as qualidades para liderar a nação nesta crise; no entanto, os setores conservadores da direita cristã e política não a abandonam, não falam contra sua administração. como presidente, e eles o apóiam 49%.

Por que esse suporte?

Existem alguns fatores responsáveis ​​pelo fenômeno Trump nos Estados Unidos, que são a causa de sua figura emergente na direita cristã republicana e conservadora evangélica, que vem se desenvolvendo há anos.

Para isso, devemos acrescentar que outras condições estão surgindo, como a crise do COVID-19 e a atual crise na economia dos Estados Unidos e do mundo. Juntos, eles são a tempestade perfeita para que os mercados geopolíticos, econômicos, financeiros, democracias, liberdades civis e relações governo-estado sejam reestruturados nos Estados Unidos e no mundo. Em um futuro não muito distante, uma nova ordem pós-coronavírus surgirá nos Estados Unidos (com ou sem Trump) e no mundo. Henry Kissinger, ex-secretário de Estado dos Estados Unidos, alertou no The Wall Street Journal em 3 de abril de 2020 que a ruína econômica global que se aproxima após o coronavírus alterará a ordem mundial para sempre. (5)

Os fatores responsáveis ​​pelo fenômeno Trump nos Estados Unidos:

** Os religiosos e os políticos cada vez mais se reúnem ao longo dos anos à vista, paciência e consentimento dos cristãos evangélicos, minando a separação entre Igreja e Estado.

A separação entre Igreja e Estado é baseada em três aspectos. E estamos citando o pastor Marvin Moore: (6)

  • "A religião e o governo devem operar separadamente. A igreja não pode controlar o governo e vice-versa, nem um nem outro podem saber o que fazer em suas respectivas esferas. Eles são independentes e interdependentes".
  • "O governo não pode dar subsídios financeiros à religião, pagar os salários de pastores ou funcionários da Igreja ou financiar a legislação de doutrinas religiosas".
  • "As leis do estado serão baseadas em princípios morais seculares, em vez de serem baseadas nos princípios morais de alguma religião, igreja ou livro sagrado em particular".

A intenção dos pais fundadores, que escreveram a Constituição nos Estados Unidos, era evitar a perseguição religiosa na nova nação com o apoio de um governo civil. Uma experiência bem conhecida na Europa, realizada por católicos e protestantes.

Esse é o contexto da primeira emenda: "O Congresso não pode fazer nenhuma lei que adote uma religião como oficial ou que proíba o livre exercício dela".

Não é sobre ateísmo. É o reconhecimento da existência de ambas as esferas independentemente uma da outra, que o governo não pode patrocinar uma religião específica, que as religiões devem se desenvolver sem interferência ou promoção do governo.

O pastor Moore explica isso muito bem na página 115 de seu livro "Poderia Realmente Acontecer?", (Traduzido para o espanhol pelo editorial da APIA como "Será que vai acontecer?"):

"O estado deve proteger a liberdade de religião para ensinar, persuadir e evangelizar. Mas de maneira alguma o estado deve se envolver em atos de culto público, ou deve financiar algumas dessas atividades. É isso que se quer dizer com a expressão separação da igreja e Estado".

Contudo, conservadores politicamente falando e congregações religiosas evangélicas conservadoras e autoritárias, através de seus líderes, se reuniram em graus variados, desde os anos 1960, para defender a fé cristã. Isso resultou na apresentação de candidatos e programas baseados nesses princípios conservadores nas eleições. Esses líderes cristãos conservadores e autoritários estão "esperando para entrar" para "aproximar politicamente a nação de Deus" e o direito político concorda em rever a separação entre Igreja e Estado.

Ben Carson, hoje secretário de Habitação de Donald Trump, e sempre tentando agradá-lo.

O povo de Deus não é estranho a esse fato. Ben Carson, um renomado cristão e membro do gabinete de Trump, ocupou cargos públicos, sugerindo que acredita na união da Igreja e do Estado. Por meio de seu site Meus votos de fé, ele se distanciou gradualmente de sua congregação e daquela posição expressa pelos membros fundadores do adventismo (que ele professa): a separação da Igreja do Estado.

Em Porto Rico (PR), os apoiadores cristãos da união da Igreja e do Estado expressam abertamente seus pontos de vista em suas estações de rádio. Isso é comum em tempos primários ou eleitorais para candidatos políticos evangélicos ou evangélicos com aspirações políticas. Em ambos os casos, eles recebem, como regra geral, o apoio de suas igrejas, exceto exceções honrosas. De fato, em Porto Rico, um partido evangélico cristão, o Dignity Party, acaba de se registrar e acredita na união da Igreja e do Estado. Eles se descrevem como "um movimento popular que busca poder político para alcançar mudanças benéficas na sociedade porto-riquenha a curto e longo prazo".

** Republicanismo e protestantismo fizeram uma "santa aliança".

Em uma entrevista exclusiva ao "The Brody File", Donald Trump disse que quer ver os pastores cristãos falarem mais ousadamente do púlpito porque, como ele vê,

  • "A igreja tem que ter mais poder."
  • "Vamos proteger a fé cristã como nunca antes."
  • "Nossa fé em Deus nos guiará à unidade novamente."
  • "Uma América cristã".
  • Eles tomaram muito poder da igreja. Eu quero devolver o poder à igreja ... O cristianismo está realmente se cortando; pouco a pouco eles estão sendo removidos".
  • "Sou cristão, sou protestante, sou presbiteriano, acredito que os cristãos em nosso país não são tratados adequadamente."
  • "Sou o escolhido." (7)

É fato que, com essa retórica, o Presidente seduziu mais de um cristão evangélico. Ao apelar ao discurso religioso, ele ganha apoio e aliados para vencer as eleições e estabelecer as bases para uma "América cristã".

Recentemente, viajei para o estado de Nevada. Enquanto estava lá, visitei alguns amigos cristãos latino-americanos, incluindo um pastor. O denominador comum:

  • todos apoiaram o presidente Trump e o Partido Republicano e sua plataforma,
  • eram contra Obamacare,
  • eles acreditavam que o Partido Democrata causaria um declínio moral, uma diminuição da liberdade religiosa, a erosão dos valores familiares tradicionais.

Em vez disso, Trump e o Partido Republicano representaram a defesa da fé, a moralidade cristã, a liberdade religiosa, a santidade da vida, as famílias e os casamentos fortes.

Essa foi uma das razões da vitória de Trump. Evangélicos, protestantes conservadores e autoritários acreditam que o Partido Republicano e o Presidente Trump representam a defesa da moral e dos valores bíblicos. (8)

Portanto, não é de surpreender que eles tenham desenvolvido uma aliança. A agenda política religiosa de Trump através do Partido Republicano é atraente para os cristãos conservadores e vice-versa. Interessante para os outros é que o Partido Republicano se diluiu e se submeteu à liderança autoritária do Presidente.

O senador conservador Marco Rubio em uma igreja evangélica conservadora.

O senador conservador Marco Rubio em uma igreja evangélica conservadora.

** Há uma nova interpretação da crença de que a liberdade de consciência deve ser salvaguardada:

Essa aliança política religiosa entre o republicanismo de Trump e o protestantismo autoritário conservador fez um trabalho ideológico-político-religioso que minou outra crença e cláusula fundamentais no povo de Deus: a liberdade de consciência. (9)

O resultado foi uma ênfase em que a liberdade de consciência dessa maioria moral cristã conservadora autoritária deve ser salvaguardada por meio do governo.

Eles interpretam que a religião cristã já é majoritária e hegemônica. O governo não é e não deve se opor. Tanto quanto o cristianismo pode ser institucionalizado, ainda mais, como a religião politicamente correta nos Estados Unidos. Para aqueles que pensam dessa maneira, não parece importar se alguém é ou será no futuro, impondo a outros não crentes outras religiões e congregações religiosas, valores ou idéias religiosas dessa maioria cristã autoritária, seja de maneira conservadora, sutil ou a força. (10)

A liberdade religiosa sempre foi uma questão central para os adventistas. O pastor John Graz, ex-diretor de Liberdade Religiosa da Associação Geral, disse publicamente que o assunto foi considerado um princípio bíblico, o resultado do amor de Deus. (11)

Essa posição coincide com os documentos oficiais da Associação Geral, indicando que a Igreja Adventista do Sétimo Dia advoga a liberdade religiosa para todas as pessoas e a separação entre Igreja e Estado. (12)

O pastor Graz, no trabalho citado, disse:

"Os adventistas do sétimo dia acreditam que qualquer coisa que possa ameaçar a liberdade de consciência vem do diabo, não de Deus". "Ninguém, nem a Igreja nem o Estado (governo) têm o direito de obrigar alguém a adotar uma religião, mudar sua religião, permanecer nela ou professar nenhuma religião". “Para proteger melhor a liberdade de consciência, a Igreja e o Estado (governo) devem permanecer separados. Um tem responsabilidade direta pelas almas, o outro pela boa ordem da sociedade." (13)

** O nacionalismo está ganhando cada vez mais seguidores na América do Norte:

O presidente Trump, em sua visão de uma grande América e com uma moral cristã, criou entre os protestantes um nacionalismo "chauvinista". (14)

Infelizmente, a rejeição do secularismo, a ignorância da história do pensamento social, a incompreensão dos processos históricos, políticos e sociais os tornam suscetíveis à indiferença, confusão, medo, anticomunismo, demagogia e retórica política nacionalista chauvinista. (15)

A isto devemos acrescentar que dentro do povo de Deus há uma geração orientada para se identificar com instituições, muito resistentes à mudança, com um firme compromisso com os valores cristãos tradicionais: família, nação, escola, igreja e livre iniciativa. Qualquer coisa contra isso é uma "conspiração de extrema esquerda". (16)

Nesse contexto, Trump se apresenta à nação como o "campeão", um cruzado da moralidade cristã tradicional que defende esses valores conservadores com unhas e dentes, e é abertamente contra a comunidade LGBTQ e qualquer medida que afete a livre empresa estadunidense. (17)

** "Trump tomou medidas que obscurecem a fronteira entre religião e política nos Estados Unidos". (18)

O Presidente, além de todas as expressões públicas que ele fez, apagando a separação entre Igreja e Estado, assinou uma Ordem Executiva abolindo a Emenda Johnson, que impedia doações de igrejas a partidos políticos para facilitar a participação de grupos religiosos em políticas de campanha sem perder seus benefícios fiscais. No meio do processo de impeachment, ele fez campanha contra sua remoção do Ministério Internacional do Rei Jesus em Miami e procurou o apoio de evangélicos no sul da Flórida depois que o Christianity Today apoiou a remoção da Câmara dos Deputados e sua remoção como Presidente. (19)

Relaciona-se muito bem, com líderes evangélicos tradicionais e independentes da igreja, tem um pequeno grupo de estudos bíblicos da Casa Branca, do qual Rick Perry, Pastor Paula White e Mike Pence foram ou são membros, celebraram sua absolvição de O impeachment no Senado participou do Café da Manhã Nacional de Oração e declarou domingo, 15 de março de 2020, o Dia Nacional de Oração pelo coronavírus

Paula Michelle White-Cain é uma pastora americana, televangelista e expoente da Teologia da Prosperidade. De 2014 a maio de 2019, ela foi pastor sênior do New Destiny Christian Center em Apopka, Flórida, uma mega-igreja multicultural não denominacional.

Conclusão

A tempestade perfeita está chegando. As causas e condições estão presentes nos fatores mencionados acima: o fenômeno Trump (sua eleição e apoio é um reflexo do sucesso dos conservadores cristãos autoritários e até que ponto eles chegaram e continuam em sua aliança com o direito político) e a pandemia do COVID -19 e suas conseqüências da crise econômica (recessão / depressão, aumento do desemprego), levam-nos (a menos que Deus determine o contrário) a um governo que, em nome do cristianismo, gradualmente corroerá os princípios constitucionais de separação da Igreja e da Igreja. Estado e liberdade de consciência. Tudo no contexto da culminação dos eventos finais antes da vinda de Jesus Cristo.

Esclarecimentos importantes:

O leitor pode se perguntar por que não estou falando sobre a esquerda política ou religiosa. Talvez mais de um leitor possa se sentir mais confortável e seguro pensando que é a esquerda que corroerá as liberdades estabelecidas em nossa constituição e que a melhor maneira de defender essas liberdades, a partir da esquerda, é através do presidente Trump.

Essa posição é válida, no entanto, não compartilho essa visão e quero explicar o porquê. Antes de tudo, quero esclarecer que não sou comunista ou esquerdista. Sou existencialmente cristão, protestante e adventista. Segundo, a luta de classes, à esquerda ou à direita, nos separa do amor a Deus e ao próximo, porque nos leva a uma guerra espiritual equivocada.

O medo da esquerda ou do comunismo pode nos levar à escolha errada, rotulando partidos e pessoas como esquerdistas radicais, quando na verdade não são. Isso aconteceu no passado, na Guerra Fria, e está acontecendo agora. (20)

É uma estratégia de setores político, autoritário e conservador, que, juntamente com setores conservadores autoritários cristãos, procura distrair nossa atenção, colocando a atração de que nossas liberdades serão invadidas pela esquerda, enquanto seus líderes trabalham para o outro lado com diferentes nuances e diferenças. estratégias no Congresso, a Casa Branca, em suas próprias igrejas, para a transformação da besta como cordeiro em um novo sistema de governo.
--------------------------------------------------------------

Notas no pé da página:

(1) Apocalipse 18 menciona implicitamente que em tempos de angústia e grande tribulação haverá uma grande crise econômica. Ellen White, fundadora da Igreja e comentarista bíblica, observa em O Grande Conflito: "Os ricos lamentam a destruição de seus magníficos lares, a dispersão de seu ouro e prata". Atualmente, os Estados Unidos estão se aproximando rapidamente de uma recessão / depressão econômica de proporções bíblicas.

(2) Ver artigo da Wikipedia "A Grande Recessão".

(3) https://www.clarin.com/new-york-times-international-weekly/

(4) Há estatísticas que parecem sugerir que o apoio é muito mais do que isso. Os adventistas não são estranhos a essa estatística e apoio. Existem diferentes visões entre nós em relação ao Presidente. Há quem o apóie ideológica e eleitoralmente porque sua administração política é comparada ao rei Nabucodonosor ou ao rei Ciro. Outros acreditam que isso trará lei dominical, perseguição e apressará a vinda de Jesus Cristo. Há um setor que concorda com sua política de defender os valores conservadores tradicionais dos Estados Unidos porque temem a inclusão do socialismo nos Estados Unidos. Os últimos acreditam que Trump é um escudo contra a esquerda, por isso apóiam ideologicamente o Partido Republicano e fazem alianças políticas, ideológicas e religiosas com setores políticos conservadores, algo que também está acontecendo com o povo de Deus. Existem muitas figuras públicas no povo de Deus, que fogem da esquerda, consciente ou inconscientemente, são influentes, contribuem ideologicamente para a criação de uma nova ordem nos Estados Unidos e no mundo.

(6) No jornal El País, em 4 de abril de 2020, apareceu um artigo de Braulio García, intitulado "Crises mundiais exigem soluções globais: é hora de criar uma Constituição Mundial".

Para um estudo aprofundado do assunto, o livro do pastor Malvin Moore, "Poderia Realmente Acontecer?", É uma leitura obrigatória. 2008, Pacific Press, traduzido para o espanhol pela Editorial APIA.

(7) "Exclusivo de Brody File: o presidente Trump diz que os cristãos perseguidos terão prioridade como refugiados", CBN.com, acessado em agosto de 2019.

(8) O movimento nacionalista, populista, branco e republicano liderado pelo presidente Donald Trump é chamado Trumpismo. Tem muito apoio entre latino-americanos nos Estados Unidos. Segundo a BBC Mundo Network, 30% votaram em Trump. Desse número, a maioria se identificou como hispânicos evangélicos. Eles eram o grupo latino número um que apoia Donald Trump, por ser pró-vida e proteger a liberdade de expressão do cristianismo neste país. Assista ao sistema de notícias pelas redes sociais da BBC Mundo, em 25 de maio de 2018, Gerardo Lissardy entrevistou o Rev. Samuel Rodríguez, membro de um grupo de evangélicos que informalmente aconselha Trump e é presidente da Conferência Nacional de Líderes Cristãos hispânicos (NHCLC), a maior organização evangélica hispânica do país.

(9) Liberdade de consciência é o direito à liberdade de consciência e religião. Esse direito implica a liberdade de preservar sua religião ou crenças, ou mudar sua religião ou crenças, bem como a liberdade de professar ou não professar, divulgar ou não divulgar sua religião ou crenças, individual ou coletivamente; tanto em público como em privado.

(10) Em Porto Rico, uma controvérsia surgiu com um grupo de policiais cristãos que queriam orar nas delegacias durante o horário de trabalho e depois foram banidos pelo governo. Muitos pastores, capelães adventistas e membros da região norte fizeram causa comum com policiais alegando que sua liberdade de culto foi violada. Esqueceram-se da separação entre Igreja e Estado.

(11) John Graz, Faith and Liberty Affairs, 2008, Departamento de Liberdade e Relações Públicas, Conferência Geral dos Adventistas do Sétimo Dia, Silver Spring, Maryland. Existe uma tradução em espanhol: El Adventista y… Editorial APIA). No p. 144 da edição espanhola, diz-se que o princípio fundamental do Reino de Deus é o amor, não há amor sem liberdade e não há liberdade sem liberdade de consciência.

(12) Declarações, diretrizes e outros documentos da Igreja Adventista do Sétimo Dia, 2010, Departamento de Comunicação, Conferência Geral dos Adventistas do Sétimo Dia, Editorial APIA, Divisão Interamericana de Adventistas do Sétimo Dia, 2011, página 116, da Edição em Espanhol Além disso, acrescenta que apóia o Artigo 18 da Declaração Universal dos Direitos Humanos da ONU e, em harmonia com suas crenças e história, está totalmente comprometido em promover, defender e proteger a liberdade religiosa para todas as pessoas e em todo o mundo. Esta declaração foi aprovada pelo Conselho de Administração da Associação Geral em 29 de setembro de 1999, no Conselho Anual em Silver Spring, Maryland.

(13) John Graz, citado trabalho, pgs. 145-146, tradução em espanhol.

(14) A Wikipedia define chauvinismo como exagero exagerado ou excessivo do nacional contra o estrangeiro. Historicamente, as nações que adotaram esse tipo de nacionalismo alegaram ter sustentado os valores morais tradicionais da nação. No entanto, por outro lado, eles gradualmente suprimiram as liberdades civis, cometeram atrocidades contra dissidentes, particularmente contra judeus. Estrategicamente, eles usaram durante anos o nome de Deus e elementos da fé cristã para justificar sua ideologia e a ordem política que eles estabeleceram, o que causou divisão, confusão e indiferença entre o povo de Deus.

(15) A ignorância dos processos político-sociais seculares, juntamente com a criminalização das causas sociais da década de 1940 até o final do século XX, durante a Guerra Fria, desinformaram centenas de gerações sobre as lutas sociais. . Naqueles anos, houve um confronto ideológico-econômico-político entre duas superpotências: os Estados Unidos e a URSS que estavam lutando entre si para implantar suas crenças e ideologia. O resultado nos Estados Unidos e no Ocidente foi que as lutas sociais, sindicais e econômicas foram apresentadas como uma conspiração comunista, buscando subverter os valores da democracia. Hoje podemos ver abordagens anticomunistas semelhantes às da guerra fria nas igrejas.

(16) O presidente Trump acusa o Partido Democrata de ser um partido de esquerda envolvido em uma cruzada contra o cristianismo. Visite www.telemundodallas.com, 3 de janeiro de 2020.

(17) Opõe-se a medidas legislativas contra o aquecimento global e a energia verde limpa. Opõe-se a legislação que afeta negativamente a indústria nacional de carvão. Essa foi uma das razões pelas quais retirou os Estados Unidos do Acordo de Paris. Diz-se que a energia verde é o uso de energia do sol, da água, do vento e de fontes de energia limpa. Ele também foi apontado como racista pelo sistema de notícias da CNN por "exacerbar o senso racial de um grupo étnico que muitas vezes motiva a discriminação ou perseguição de um ou mais dos outros com quem convive". Veja cnnespanol.cnn.com/2019/07/16/es-donald-trump-racista-10-frases-para-analizarlo/

(18) Palavras literais do Rev. Samuel Rodríguez nas redes sociais da BBC Mundo, em 25 de maio de 2018. O Rev. Samuel Rodríguez é membro de um grupo de evangélicos que aconselham informalmente Trump e o presidente da Conferência Nacional de Líderes Cristãos. Hispânicos. (NHCLC).

(19) Em 1959, houve manifestações nos Estados Unidos a favor da segregação racial nas escolas, onde proibir a segregação racial era considerado uma posição "comunista". Historicamente, os setores ultraconservadores da política americana rotularam uma série de atitudes, crenças ou valores como comunistas com os quais discordam ou discordam. Veja Wikipedia: anti-comunismo.

O próprio presidente Trump fez essas sugestões contra o Partido Democrata e, recentemente, contra o Christianity Today por publicar um editorial apoiando a remoção dos democratas da Câmara dos Deputados e pedindo a remoção do presidente. Trump usou sua conta no Twitter para dizer que a revista está "muito à esquerda". Veja http://www.elnuevoherald.com/noticias/sur-de-la-florida/, por David Smiley, 21 de dezembro de 2019.

(20) Nesse esforço, há ex-congressistas, políticos, pastores, "influenciadores", presidentes de nações, organizações secretas e não tão secretas. O sistema de streaming da Netflix possui uma minissérie chamada The Family. É um grupo cristão conservador conhecido como A Família, que tem uma tremenda influência em Washington DC para alcançar suas ambições em todo o mundo. (O documentário da Netflix é baseado no livro com o mesmo título de Jeff Sharlet.)

São apresentadas evidências fortes e convincentes de que seu objetivo é promover uma agenda global, política e religiosa e influenciar as decisões políticas e religiosas dos Estados Unidos sobre família, casamento e valores gays em países estrangeiros. O grupo influenciou os presidentes dos Estados Unidos de Dwight Eisenhower ao presidente Trump. Eles são os arquitetos do café da manhã de oração convocado pela Casa Branca a cada ano, durante as administrações republicana e democrata. Eles têm uma agenda global de controle, poder e domínio político teocrático religioso.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

- Advertisment -

más leídas

Melhor do que levantar uma Bíblia é lê-la … e aprender

Na tarde de segunda-feira, 06/01, o presidente Donald Trump parou em frente à histórica Igreja Episcopal de São João., no centro de...

4 lições para os cristãos após o mês do orgulho LGBT

4 lições para os cristãos após o mês do orgulho LGBT, especificamente após 28 de junho (Dia Internacional do Orgulho LGBT).

Argentina em quarentena: as chamadas para o número 144 aumentaram 48% (violência de gênero)

Argentina 2020: Houve 48% a mais de ligações para 144 durante o confinamento, o que mostra que as desigualdades ainda são profundas...

O Belgrano que não conhecemos

200 anos após a morte de um patriota latino-americano, Manuel Belgrano. Mas o que sabemos sobre Belgrano? Quando ele...
Y conocerán la verdad, y la verdad los hará libres.