sexta-feira 18 setembro, 2020
Home Entrevistas Além do umbigo (3): o conjunto de garfos de 2 metros de...
ANÁLISE TRANSACIONAL

Além do umbigo (3): o conjunto de garfos de 2 metros de comprimento

A vida pode ser melhor, aqui e agora. E a mudança tem a ver conosco. Aqui completamos a série ‘Além do umbigo’, com base nas notas da Sra. Jaqui Stukalsky.

A história que reproduzirei é contada em Moçambique, onde uma história popular afirma que, há muitos anos,vivia um sábio , que transmitira todo o seu conhecimento ao monarca do território.

Um dia, o rei, em gratidão ao sábio, decidiu fazer dele um presente; Ele ligou para ele e se ofereceu para expressar um desejo de que ele o cumprisse para mostrar sua gratidão. Então, o sábio disse ao soberano: "Visto que você é tão poderoso, pode fazer algo por mim, para completar minha sabedoria: eu gostaria de conhecer o inferno, atravessar o céu e depois voltar para minha terra e contar meu povo. O que eu vi. "

O rei todo-poderoso concedeu seu desejo. Foi assim que o sábio chegou ao inferno, começou a andar, observou uma bela paisagem, seguiu um caminho, viu ao longe um palácio incrível e, muito surpreso, ele se perguntou: "Como pode o inferno ser tão bonito?".

No caminho, as pessoas que habitavam o lugar andavam em silêncio, não falavam, não sorriam, não se cumprimentavam. Ele também ficou surpreso com seus corpos muito magros e com o kwashiorkor, a doença de grandes barrigas, devido à desnutrição.

Quando o sábio chegou em frente ao enorme portal do palácio, ele ouviu um som estridente de sinos, as enormes portas se abriram, todas as pessoas locais começaram a entrar no palácio e o sábio com elas. Seu espanto foi absoluto ao observar mesas muito longas, onde deliciosas iguarias eram oferecidas. Então ele se perguntou: "E por que eles estão doentes com kwashiorkor?"

O sábio notou que os clientes tinham belos garfos de prata incrustados com pedras preciosas, mas cada garfo tinha mais de dois metros de comprimento. Portanto, os esforços dessas pessoas para colocar a comida na boca eram inúteis.

Depois de algum tempo, os sinos tocaram novamente, todos começaram a sair do local, com mais fome e tristeza do que sentiram quando chegaram.

Então o homem sábio entendeu: "Este é realmente o inferno, ter as iguarias mais requintadas diante dos meus olhos e morrer de fome. É o pior castigo".

Então, o sábio continuou sua jornada e alcançou o Céu, e a confusão o dominou quando encontrou uma paisagem semelhante, um caminho semelhante e um palácio como no inferno. No entanto, as pessoas mantiveram uma atitude diferente: sorriram, se cumprimentaram e conversaram.

Ele ouviu os mesmos sinos do inferno. Todos entraram no palácio, as mesas colocadas como lá ofereciam iguarias equivalentes. E os mesmos garfos de dois metros de comprimento foram oferecidos.

O sábio se perguntou, então, qual seria a diferença entre o céu e o inferno. Mas ele imediatamente encontrou a resposta: cada comensal pegou seu garfo e alimentou quem estava à sua frente, do outro lado da mesa.

Modifique os padrões de comportamento nos relacionamentos.
-------------------

O bem estar

Viver com plena e completa consciência do aqui e agora, com tudo o que isso implica, é o principal objetivo da psicoterapia. Por esse motivo, procura integrar aspectos que influenciam a percepção e o gerenciamento de seu bem-estar: psicológico, emocional, fisiológico, imunológico, espiritual, social e familiar.

E refletir sobre essa dinâmica é o objetivo do que se segue, sobre atitudes e fatores que favorecem o bem-estar nos relacionamentos ou, pelo contrário, outros que não o favorecem.

A idéia era identificar os fatores e atitudes que podem ser classificados como OK e não-OK, para aprimorar aqueles que estão bem e gerenciar e regular aqueles que não estão bem.

O conceito vem da Análise Transacional, uma abordagem que forneceu bons resultados em breves psicoterapias, para entender e modificar os padrões de comportamento nos relacionamentos.

Eric Berne

Para satisfazer a provável curiosidade daqueles que se perguntam o que é essa teoria, a Análise Transacional nasceu na década de 1950, na chamada Psicologia Humanística. Alguns de seus paradigmas estão mudando no século 21. No entanto, a prática do método continua tentando fazer o paciente modificar sentimentos, pensamentos e comportamentos.

Sua popularidade veio da divulgação de um livro intitulado "Jogos dos quais participamos", de Eric Berne.

Doutor nascido em Montreal (Canadá), estudou psiquiatria em Yale (New Haven, Connecticut, EUA) e durante o 2º. Guerra Mundial, ele começou a trabalhar em terapia de grupo com os militares que foram dispensados ​​do exército por razões psicológicas. O objetivo era dar a eles a oportunidade de recuperar a normalidade e se reintegrar à sociedade.

Eric Berne afirmou que, se prestarmos atenção quando olharmos e ouvirmos as pessoas à nossa frente, seremos capazes de apreciar mudanças em seu estado, que são simultâneas e afetam a expressão facial, vocabulário, gestos e posturas.

Um de seus casos paradigmáticos foi o de um advogado de 35 anos, que costumava lhe dizer: “Na verdade, eu não sou advogado, nem adulto; Eu sou um rapaz." Fora do escritório, o homem era de fato um advogado de considerável prestígio, mas durante as sessões ele se sentia e se comportava como uma criança.

Berne e seu paciente chamavam essas personalidades de "o adulto e a criança". Pouco tempo depois, um terceiro personagem apareceu no paciente, chamado "o Pai", pois ele tinha comportamentos semelhantes aos do pai / mãe do paciente.

Berne concluiu que esses três estados existem em todas as pessoas e os chamou de "estados do ego": PAC (Pai, ​​Adulto e Criança).

No Pai estão todas as regras, preconceitos, opiniões e leis.

El Niño é o registro de experiências reais, do nascimento aos 5 anos.

O Adulto é o registro dos dados adquiridos e calculados por meio de exploração e testemunho pessoal.

Que outros não são vistos como medrosos ou rivais e que o indivíduo pode se sentir bem.
-------------------

As 4 teclas

Berne falou da Script Analysis, um conjunto de transações de natureza recorrente, embora não periódico.

Para ele, os scripts eram a repetição de eventos infelizes da infância do indivíduo. O objetivo de sua terapia era libertar o sujeito de reviver essas situações.

Outro conceito era "Brincar": por exemplo, a Criança é forçada a sacrificar suas próprias satisfações para obter a recompensa da satisfação dos pais. E ele tem uma percepção de si mesmo que geralmente é negativa: "eu sou muito pequeno", "eu não sei", etc.

A identificação e análise desses Jogos permitiriam o desenvolvimento de comunicações francas e autênticas, permitindo uma escuta e compreensão saudáveis.

De acordo com a Análise Transacional, temos quatro posições vitais possíveis:

  • Se eu estiver errado, você está bem.
  • Se eu estiver errado, você está errado.
  • Se eu estiver bem, você está errado.
  • Se eu estou bem, você está bem.

As três posições iniciais são inconscientes porque foram adquiridas em uma idade muito jovem.

No entanto, a quarta posição é uma decisão consciente, que não se limita às suas próprias experiências pessoais, pois já somos capazes de transcendê-las. E é uma amostra de auto-estima que permite que os outros não sejam percebidos como medrosos ou rivais e faz com que o indivíduo se sinta bem.

Um exemplo

Agora, nenhuma pessoa 'normal' vive exclusivamente em uma das posições. Normalmente, vivemos em uma combinação dos quatro.

Por exemplo, se uma pessoa acorda tarde e não chega a tempo para um compromisso importante, posso pensar que a falha está no parceiro que não o acordou (estou errado> você está errado).

Mais tarde, para a mesma pessoa, o chefe explica uma estratégia de ação para realizar um projeto do qual ele não sabe nada (estou errado> Você está bem).

Uma vez assimilada a estratégia a seguir, a pessoa tenta explicá-la aos colegas, que parecem ter dificuldade de entender (estou bem> Você está errado).

Naquela mesma noite, a pessoa se encontra com amigos em um jantar informal, no qual tenta explicar os benefícios do projeto de trabalho e todos parecem convencidos e desejam que o projeto seja um sucesso (estou bem> você está bem).

Eric Berne, que desenvolveu a Análise Transacional.
------------------------------

Melhorar nossos vinculos

A Análise Transacional também propõe 4 etapas:

1.Observe o que fazemos e o que pensamos:

Por exemplo, uma pessoa entra na sala onde estamos e não a cumprimenta. Essa pessoa pensa "Eu não lhe importo" ou “Ele é um soberbo".

Então, essa pessoa executa outro movimento: "Não falo com ele".

Nesse ponto, talvez eu faça outro movimento: "E o que acontece com ele, sempre mal-humorado?".

Esse feedback com nossas atitudes nos torna co-criadores de uma situação negativa, e a questão é qual seria minha ação diferente, a partir de agora.

Se estivermos cientes dessas ações automáticas, devemos criar uma situação diferente.

2.Confronte e não interprete:

Devemos parar de interpretar como a outra pessoa agiu.

Um não julgamento provocaria uma mudança de atitude para parar de agir como uma criança. E isso nos colocaria na posição de adulto: perguntar em vez de interpretar. Confronte em vez de reagir.

Por exemplo: "Eu vi você hoje e você não me cumprimentou, há algo errado com você?" Talvez: "Posso ajudá-lo com alguma coisa?"

3. A estrutura de atraso:

Quando enfrento um 'estressor' ou fator estressante, é conveniente causar uma pausa, o que nos permite ter controle sobre o impulso e depois escolher como responder.

Quando alguém propõe ou exige algo, e a tendência dessa pessoa é satisfazer rapidamente o outro, o aconselhável é: 'Deixe-me pensar' ou 'Eu penso sobre isso e respondo'.

A pausa entre o evento estressante e a reação é o que nos dará a possibilidade de dar uma resposta melhor.

4. Confronte em vez de julgar e respeitar em vez de justificar:

Quando uma pessoa diz o que sente, há apenas uma maneira possível de responder: 'eu respeito você' ou 'eu entendo você'.

A emoção é sempre válida, tanto do outro quanto da minha.

O que nem sempre é válido é o que fazemos com o que sentimos.

Enfrentar é descrever o que se observa, sem julgamento.

O respeito é considerar as emoções e experiências que cada um tem, sem tentar minimizá-las ou alterá-las.

Finalmente, é aconselhável entender o outro de uma posição empática, tolerante, gentil e respeitosa. Incluir a necessidade do outro não significa deixar de cuidar de nós mesmos, mas perceber uma certa possibilidade que inclui eu e o outro, para que ocorra "algo" em que ambos participemos: a diferença entre o inferno e o céu.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

A vida pode ser melhor, aqui e agora. E a mudança tem a ver conosco. Aqui completamos a série ‘Além do umbigo’, com base nas notas da Sra. Jaqui Stukalsky.

- Advertisment -

más leídas

Como ser um especialista em fazer as pazes sem realmente querer isso

Para muitos, a notícia foi inesperada e até maluca. Para outros, simplesmente confirmou o que já havia sido previsto em meados de...

Muitas igrejas cristãs, mas qual é a verdadeira?

A oração unânime leva à unidade. "Eu não oro apenas por eles. Eu também oro por aqueles que acreditarão...

3 histórias de encontro com Yeshua

Stan Telchin foi um escritor judeu, orador público e missionário que morreu em 06/04/2012 em Sarasota, Flórida (EUA), aos 87 anos.

Mielite transversa: a doença que hoje está na boca de todos

A mielite transversa é uma inflamação rara que afeta toda a extensão da medula espinhal, por isso é caracterizada como transversa. Conseqüentemente,...
Y conocerán la verdad, y la verdad los hará libres.