sábado 8 agosto, 2020
Home Entrevistas O Belgrano que não conhecemos
HISTÓRIAS DE UM CORAJOSO

O Belgrano que não conhecemos

Diz-se que Manuel Belgrano foi um dos personagens emblemáticos da história de um território (Argentina) que não honra o sacrifício pessoal permanente que esse personagem fez. 200 anos após sua morte, é interessante conhecer parte de Belgrano que permanece pouco conhecida.

200 anos após a morte de um patriota latino-americano, Manuel Belgrano. Mas o que sabemos sobre Belgrano?

Quando ele nasceu, ainda não havia a Argentina, mas o vice-reinado do Rio da Prata. Pelo contrário, Manuel José Joaquín do Corazón de Jesus Belgrano foi co-fundador das Províncias Unidas emancipadas do Rio da Prata. Além disso, ele é venerado na Argentina como criador da bandeira nacional, que exibiu pela primeira vez em Rosário em 27 de fevereiro de 1812, um ato que não era autorizado naquela época pelo governo das Províncias Unidas.

Esta decisão e outras que Belgrano executou em seus 50 anos de vida vertiginosos (Buenos Aires, vice-reinado do Peru, Império Espanhol, 3 de junho de 1770 - Buenos Aires, Províncias Unidas do Rio da Prata, 20 de junho de 1820) Eles o demonstraram repetidamente como um personagem apaixonado de admirável coragem e determinação.

Um estadista (ele foi nomeado secretário "perpétuo" do Consulado de Comércio de Buenos Aires em 1794, um defensor permanente do livre comércio, motivo pelo qual confrontou os membros do Consulado, grandes comerciantes interessados ​​em manter o comércio monopolista com Cádiz, chefe de comércio monarquista das colônias americanas; ele deixou sua marca nos fundamentos da Escola Náutica, da Academia de Geometria e Desenho, da Escola de Comércio e da Escola de Arquitetura e Perspectiva), ele também foi um promotor de idéias em um papel de co-fundador do primeiro jornal de Buenos Aires, o Mercantile Telegraph (não é verdade que a Gazeta de Buenos Ayres foi pioneira) e colunista do Weekly of Agriculture, Industry and Commerce, de Hipólito Vieytes, participou ativamente das milícias urbanas contra as revoluções Inglês e mais tarde foi sargento major do Regimento de Patrícios.

Co-estrela da Revolução de Maio, em 1810, ele ingressou no grupo chamado 'Primeira Junta do Governo' e, mais tarde, apesar de ser um advogado sem treinamento militar e portador de problemas de saúde que acumulava desde 1791 - alguns dizem que era inicialmente sífilis, mas outros Eles falam de reumatismo crônico -, ele liderou campanhas muito intensas contra as forças da monarquia espanhola, como comandante em grandes batalhas, em alguns vitoriosos e em outros derrotados.

No entanto, pouco se sabe sobre outros aspectos da intensa vida de Manuel Belgrano.

Por um lado, sua vida amorosa: parceira de María Josefa Ezcurra, cunhada de Juan Manuel de Rosas e separada de Juan Esteban de Ezcurra. Com Belgrano, seu filho batizou Pedro Pablo, mais tarde adotado por sua tia materna, Encarnación Ezcurra, esposa de Rosas. O filho de Manuel Belgrano foi o coronel Pedro Rosas y Belgrano, secretário particular de Rosas, mais tarde um juiz da paz e um poderoso proprietário de terras em Azul, uma ligação com os povos indígenas da fronteira sul, que Justo José de Urquiza mantinha no cargo, e Anos depois, quando a Batalha de Pavón terminou, sua execução foi solicitada; Bartolomé Mitre respeitou sua vida em memória de seu pai Manuel.

Por outro lado, suas idéias monárquicas - que Belgrano compartilhou com José Francisco de San Martín e Matorras como uma ferramenta contra o caudilismo caótico -; sua extraordinária austeridade e honestidade - virtudes que ele também compartilhou com San Martín-; e algo ainda mais desconhecido: suas intensas crenças religiosas, nas quais ele também demonstrou notável autonomia e coragem.

Manuel Lacunza e capa da obra que Manuel Belgrano imprimiu em Londres.
---------------------------------

Lacunza

Para conhecer esta história, é necessário resgatar Manuel de Lacunza e Díaz (Santiago do Chile, 19 de julho de 1731 - Ímola, Itália, 18 de junho de 1801), sacerdote jesuíta e teólogo, filho de comerciantes ricos especializados em troca entre o Chile e o Peru (vice-reinado do Peru).

Devido à expulsão dos jesuítas por ordem do rei Carlos III da Espanha, Lacunza acabou na cidade italiana de Ímola, e seu exílio foi complicado pelas proibições de celebrar missas e administrar sacramentos que o Papa Clemente XIV impôs aos jesuítas. Além disso, o declínio de sua situação econômica porque as finanças de sua família diminuíram e as remessas de dinheiro que lhe foram enviadas começaram a ser escassas.

Em 1773, por meio do breve apostólico 'Dominus ac Redemptor', o pontífice de Roma dissolveu a Companhia de Jesus, e Lacunza dificilmente era um clérigo secular por decreto.

Em tal situação, ele realizou um trabalho teológico que apresentou pela primeira vez em um panfleto de 22 páginas, conhecido como 'Anonymous Millennial', que chegou a circular na América do Sul, provocando acalorados debates teológicos na cidade de Santa María del Buen Ayre.

Seus oponentes o denunciaram e conseguiram que a Inquisição proibisse o texto. Mas Lacunza continuou com suas convicções espirituais e, em 1790, ele completou os três volumes de sua obra 'Vinda do Messias em glória e majestade'.

Nos últimos 11 anos de sua vida, Lacunza fez tentativas intensas e malsucedidas de obter autorização para imprimir sua obra.

Somente em 1812, apesar das proibições anteriores, "A vinda do Messias em glória e majestade" foi publicada em Cádiz sob o pseudônimo de Juan Josafat Ben-Ezra.

Em 1816, houve outra edição em espanhol, impressa em Londres, capital do Reino Unido, totalmente financiada por Manuel Belgrano.

O assunto evoluiu e acabou sendo um escândalo; essa edição foi imediatamente denunciada perante os tribunais espanhóis e a Sagrada Congregação do Índice. Os críticos - todos apostólicos católicos romanos apegados aos ensinamentos convencionais e não bíblicos da época - conseguiram em janeiro de 1819 incluir a edição que Belgrano financiou no Index Librorum Prohibitorum, da Santa Inquisição.

Existem duas concepções que fundamentam as lucubrações teológicas de Lacunza, compartilhadas por Manuel Belgrano.

  • Primeiro, a rejeição da idéia do "fim do mundo" como um momento de aniquilação ou destruição dos criados.
  • Segundo, que as expressões bíblicas "fim do século presente" e "fim do mundo" se referem a dois momentos diferentes.

O "fim do século atual" ou "Dia do Senhor" é o fim de uma etapa da história da humanidade, encerrada pela vinda de Jesus e pelo início de seu reino na Terra, acompanhada pelo conseqüente julgamento divino dos vivos.

Esse momento também seria marcado pela reconversão do povo judeu.

A partir de então, uma nova sociedade seria estabelecida, marcada por um reino de mil anos de justiça e paz.

Lacunza entendeu que uma apostasia geral da Igreja Católica poderia ser esperada para o período anterior ao "Dia do Senhor", que se tornaria parte do Anticristo, que ele interpretou não como um indivíduo, mas como um "corpo moral" composto por todos. apóstatas e ateus na Terra.

Esse ponto de sua teologia foi especialmente controverso quando ele previu que a Igreja oficial tomaria o lado errado na última batalha entre o Bem e o Mal. Esse foi, em última instância, o que lhe rendeu a condenação do Vaticano por seu trabalho.

No "fim do mundo", Lacunza entendeu a ressurreição dos mortos e o Juízo Final, entendido como uma transmutação do mundo físico no plano do eterno. Este evento deveria ocorrer, segundo ele, após os mil anos do reino terrestre de Cristo.

Embora a Igreja Católica tradicional tenha assumido a memória e o corpo de um personagem tão especial quanto Belgrano, a ponto de suas cinzas repousarem no átrio da Basílica de Nossa Senhora do Rosário e Convento de Santo Domingo, ninguém na época ele não conhecia suas crenças.

Manuel Belgrano liderou o Exército do Norte na Batalha de Salta, mas sofreu uma derrota em Vilcapugio e depois reorganizou o Exército da Pátria na cidade boliviana de Macha, no departamento de Potosí, para enfrentar tropas realistas em Ayohuma. Essa é a conhecida como 'bandeira Macha', semelhante à que ele usou em Rosário.
--------------------------------

Depoimentos

O historiador Juan Carlos Priora apresentou um artigo sobre esse assunto na IV Conferência de Comunicação da Universidade Nacional da Costa.

Priora salienta que o conhecimento da obra de Lacunza chegou a Belgrano através do padre dominicano Fray Isidoro Celestino Guerra, prior do convento de Santo Domingo, professor e arquiteto, que abraçou a causa da Revolução e era vizinho e amigo da família Belgrano, que moravam no local que hoje é identificado como nº 430 da Avenida Belgrano, na cidade de Buenos Aires.

Guerra também morreu em 1820, um mês antes de Manuel.

Guerra tinha a cópia manuscrita mais detalhada e exata de tudo o que circulava em Buenos Aires da obra de Lacunza, a tal ponto que foi o texto que Belgrano trouxe a Londres para a impressão que ele financiou.

A razão pela qual Belgrano assumiu esse risco, diz Priora, foi porque outra cópia da obra de Lacunza apareceu, que o padre Bartolomé Doroteo Muñoz, primo em primeiro grau do general Tomás Guido, doou à Biblioteca das Províncias Unidas do Rio de la Prata.

A doação foi de dois volumes, ou seja, o trabalho incompleto.

Belgrano descobriu que pelo menos o volume 1 do trabalho tinha muitas diferenças em relação ao que ele lera de seu amigo Guerra, o que era muito exato em relação ao original.

Como você sabe que Belgrano foi o editor anônimo da obra impressa em Londres?

Duas cartas de Frei Cayetano Rodríguez (1761-1823) ao futuro congressista e bispo, o padre José Agustín Molina.

  • Um, de 15 de janeiro de 1815, declara:

"Diga a Moure que Belgrano caminhou para Londres [ele partiu em 28 de dezembro de 1814]; ele leva consigo o trabalho do milênio do Pe. Guera para imprimi-lo. Esta é uma foto tirada."

  • No segundo, de 10 de abril de 1820, ele informa que o padre Isidoro C. Guerra vai morrer e, ao mencionar alguns dos cargos que ocupou, acrescenta:

“Com Belgrano, ele trabalhou para a edição e divulgação da famosa obra 'A Vinda do Messias na Glória e Majestade. Londres 1816 ".

Em seguida, o testemunho de Juan Ignacio de Gorriti (1770-1842), autor de "Reflexões sobre as causas morais das convulsões internas nos novos estados americanos e exame dos meios efetivos para suprimi-las", publicado pela imprensa de Mercury de Valparaíso, Chile, em 1836.

No parágrafo 24, intitulado: "Das outras ciências que devem adornar aqueles que aspiram ao estado eclesiástico", Gorriti elogia e recomenda o trabalho de Lacunza com estas palavras:

"Para me fortalecer contra as dúvidas e medos que acabei de falar, aconselho o jovem eclesiástico a ler e fazer um estudo formal do trabalho da incomparável Lacunza americana, honrando não apenas o Chile, que era sua terra natal, mas todo o nosso continente: intitulado 'A Segunda Vinda do Messias em glória e majestade', de Juan Benjamín Aben Esra, impressa em Londres às custas do general Don Manuel Belgrano ”.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Diz-se que Manuel Belgrano foi um dos personagens emblemáticos da história de um território (Argentina) que não honra o sacrifício pessoal permanente que esse personagem fez. 200 anos após sua morte, é interessante conhecer parte de Belgrano que permanece pouco conhecida.

- Advertisment -

más leídas

Como um hamster na roda, a felicidade que você procura não existe

Como um hamster na roda, a felicidade que você procura não existe porque o ser humano se acostuma e tende a retornar...

Dormir bem aumenta a criatividade

Dormir bem aumenta a criatividade e talvez a melhor coisa antes de um problema não seja gastar cada vez mais tempo procurando...

7 remédios naturais para combater a ansiedade

7 remédios naturais para combater a ansiedade são recomendados para recuperar o corpo física e emocionalmente. No entanto, antes...

Cesarianas: por que estão substituindo cada vez mais o parto normal?

Cesarianas: por que estão substituindo cada vez mais o parto natural? Por que atingem até 70% se não reduzem a mortalidade materna...
Y conocerán la verdad, y la verdad los hará libres.