sexta-feira 23 outubro, 2020
Home Saudável Crianças amáveis por um mundo melhor
"OBRIGADO", "POR FAVOR" E "BOM DIA"

Crianças amáveis por um mundo melhor

Uma sucessão de artigos jornalísticos de vários psicólogos espanhóis resultou na seguinte reflexão que é muito interessante tentar mudar o mundo do próprio, que é a reforma mais útil.

«A educação não muda o mundo, muda as pessoas que vão mudar o mundo»

PAULO FREIRE

«Educar uma criança não é fazê-lo aprender algo que não sabia, mas faze-lo alguém que não existia»

JOHN RUSKIN

"Toda vez que ficamos mais surpresos com os comportamentos que as crianças têm em relação aos pais: desrespeito, insultos, levantando a voz, entre muitos outros. Um tipo de autoridade que passa de estar entre os pais e passar os filhos. Parece que os papéis foram trocados. Já não são os pais que estabelecem normas e impõem punições, mas as crianças têm toda a autoridade", explicou Raquel Lemos Rodríguez, na web The Mind is Wonderful, em um artigo intitulado" Síndrome do Imperador , filhos tiranos ".

Ela afirma que é muito fácil distinguir uma criança que tem a "Síndrome do Imperador":

> Traços de personalidade característicos do egocentrismo.
> Eles têm uma baixa tolerância à frustração.
> Eles não sabem como controlar ou regular seus sentimentos e emoções.
> Eles não toleram que suas demandas não sejam atendidas.
> Eles conhecem as fraquezas dos outros.
> Eles são especialistas em manipular psicologicamente os outros.

A pergunta inevitável: por que os pais não agem de acordo?

A resposta óbvia: porque têm medo, mas principalmente porque permitiram que seus próprios filhos os subjugassem.

Comportamentos coercitivos são mantidos ao longo do tempo porque são
inconscientemente reforçados pelos pais

Outra coisa: os pais optaram por educar passivamente os filhos, sem medir as consequências das quais mais cedo ou mais tarde começarão a se arrepender. "Isso não apenas causa problemas em casa, mas também na escola. Como os professores poderão lidar com essas personalidades autoritárias?", acrescentou o psicólogo Lemos Rodríguez.

A retificação é necessária nesses casos. A educação que eles receberão definirá o que serão amanhã.

Em transtornos comportamentais, como transtorno negativista desafiador ou transtorno comportamental, caracterizado por um constante desafio e quebra de normas, é comum encontrar uma educação sem limites onde é a criança que ordena, comanda e decide.

As crianças não nascem aprendidas e é apropriado ensiná-las até onde podem ir em determinadas situações.

A aceitação não implica renúncia e, por esse motivo, às vezes é necessário estabelecer limites à educação.

Não se trata de cortar as asas, porque o efeito oposto pode ser causado. É verdade que eles precisam aprender regras que possam ajudá-los a gerar empatia e solidariedade, evitando o desrespeito pelos outros.

As crianças aprendem rápido e, em matéria de educação, é agora ou nunca.

Agora, se as crianças são tratadas por desprezo, agressão ou indiferença, elas alimentarão desespero, rejeição ou abandono dentro delas.

As crianças aprendem rápido e, em matéria de educação, é agora ou nunca.

Extorsão

Miriam Roldán Carmona menciona a Teoria da Coerção, desenvolvida por Gerald R. Patterson, que permite concluir que os comportamentos coercitivos que algumas crianças têm, como chorar, gritar ou chutar, são mantidos ao longo do tempo porque são reforçados, inconscientemente, por pais.

A "Teoria da Coerção" de Patterson e sua armadilha negativa de reforço explicam como é mais fácil para os pais, a curto prazo, ceder a solicitações inadequadas de seus filhos.

No entanto, a longo prazo, o custo será muito maior, uma vez que comportamentos inapropriados serão reproduzidos a uma taxa exponencial.

Os pais, sem perceber, mostram tendência a cuidar de seus filhos somente quando eles praticam esses comportamentos inadequados. No entanto, eles tendem a negligenciar aqueles que são adequados.

Quando confrontados com um comportamento inadequado, como uma birra, golpes ou ameaças, os pais cedem, os dois lados "se sentem bem". Por um lado, os pais fazem com que a criança pare de incomodar, enquanto, por outro, a criança consegue o que quer.

A armadilha negativa de reforço de Patterson explica como os pais cedem a uma birra obter alívio e, portanto, aumenta a probabilidade de que as birras se tornem mais frequentes ao longo do tempo.

Então, as pessoas que não foram estabelecidas com limites geralmente têm baixa tolerância à frustração, acham difícil controlar suas emoções e não respondem bem ao cumprimento das regras e obrigações. Eles tendem a manipular e fazer com que os outros se sintam mal, a fim de alcançar seu objetivo.

Impertinência, exigência de privilégios, falta de perseverança e esforço, pouca paciência, pouca colaboração, problemas comportamentais, agressões ou mesmo destruição de objetos são alguns dos problemas nos quais a falta de limites pode derivar.

Em transtornos comportamentais, como transtorno negativista desafiador ou transtorno comportamental, caracterizado por um constante desafio e quebra de normas, é comum encontrar uma educação sem limites onde é a criança que ordena, comanda e decide.

Recuperando alguns conceitos básicos.

"Obrigado", "De nada"

É interessante abordar um detalhe que, no final, não é um detalhe, mas uma questão central na educação das crianças.

"Transmitir às crianças a importância de agradecer, de" pedir por favor "ou de dizer" bom dia "ou" boa tarde "vai além de um simples ato de cortesia. Estamos investindo em emoções, valores sociais, e, acima de tudo, em reciprocidade", afirma a psicóloga Valeria Sabater.

Ela lembra que, "para criar uma sociedade baseada no respeito mútuo, na qual civismo e consideração fazem a diferença, é necessário investir nesses pequenos costumes sociais, aos quais às vezes não damos a importância que merecem. afinal, a coexistência se baseia nas interações baseadas na tolerância em que toda criança deve começar em tenra idade".

A idade mágica de 2 a 7 anos é o que Jean Piaget chamou de "estádio intuitivo da inteligência": as crianças, apesar de sujeitas ao mundo adulto, acordam para intuir um universo além de suas próprias necessidades, e assim descobrimos a empatia, o senso de justiça e o valor da reciprocidade.

É interessante notar que o "cérebro social" de um bebê é tremendamente receptivo a qualquer estímulo: do tom de voz às expressões faciais de seus pais.

Os neurocientistas nos lembram que o sistema neural de uma criança é geneticamente programado para "conectar-se" com outras pessoas, e até atividades rotineiras se tornam impressões cerebrais que prefiguram, de uma maneira ou de outra, a resposta emocional que a criança terá no futuro.

Uma criança que é tratada com respeito e que se acostumou a ouvir a palavra "obrigado" desde tenra idade vai entender a importância do reforço positivo.

É provável que uma criança de 3 anos de idade que tenha sido ensinada por seu pai e mãe a dizer "obrigado", "por favor" ou "bom dia", não entenda muito bem naquele momento o valor da reciprocidade e o respeito que isso implica. estas palavras. No entanto, ele está criando uma base adequada para raízes fortes e profundas.

Quando uma criança pede as coisas "por favor" e termina com um "obrigado", nada será o mesmo.

Mais tarde, registrará o efeito autêntico de tratar com respeito a um igual e como essa ação tem consequências, porque tratar com respeito a outros é respeitar a si mesmo, exibir valores e um senso de coexistência baseado na reciprocidade.

A mencionada Valéria Sabater oferece algumas estratégias para apontar crianças em cada situação:

> Você chegou ou entrou em algum lugar? Diga olá, diga bom dia ou boa tarde.
> Você está indo embora? Diga adeus
> Eles fizeram um favor a você? Você recebeu alguma coisa? Obrigado.
> Eles conversaram com você? Resposta
> Eles estão falando com você? Ouça
> Você tem alguma coisa? Compartilhe
> Você não tem? Não inveje.
> Você tem algo que não é seu? Devolva.
> Você quer que eles façam algo por você? Peça por favor.
> Você se enganou? Peça desculpas.

"Quando uma criança pede coisas" por favor "e termina com um" obrigado ", nada será o mesmo."

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Uma sucessão de artigos jornalísticos de vários psicólogos espanhóis resultou na seguinte reflexão que é muito interessante tentar mudar o mundo do próprio, que é a reforma mais útil.

- Advertisment -

más leídas

De Daniel ao Apocalipse, semelhantes, mas complementários

Existem quatro livros na Bíblia que são considerados especialmente apocalípticos; Eles são Daniel, Ezequiel, Zacarias e Apocalipse. Então, vamos...

Obrigado por isso, por aquilo e por tudo

É notável a quantidade de menções que existem sobre a importância da gratidão e, no entanto, é uma atitude incomum na maioria...
Y conocerán la verdad, y la verdad los hará libres.