sábado 31 outubro, 2020
Home Saudável Endometriose, a "doença invisível"
MEDICINA

Endometriose, a “doença invisível”

Embora afete uma em cada dez mulheres no mundo, ainda existem evidências científicas insuficientes para estabelecer sua causa e cura. Para quem sofre, representa dor anormal durante e fora do período, gera problemas de fertilidade e perturba a qualidade de vida, dependendo do grau e gravidade dos sintomas.

Sobre o que é a endometriose, chamada "doença invisível"?

Endometriose, a "doença invisível"

Sofrem dessa doença um 10% da população feminina do mundo, comparável ao número de pessoas com diabetes, mas com menos consciência sobre isso. É uma doença crônica na qual o endométrio, que é o que reveste o interior do útero, cresce em locais atípicos.

Este tecido pode aparecer nos ovários ou sob os ovários, nas trompas de falópio, atrás do útero, nos intestinos ou na bexiga. O particular é que ele também se desenvolve em função dos hormônios e evolui ciclicamente, causando sangramento menstrual, o que produz dor pulsante e aguda durante ou fora do período.

Apesar de ser uma doença sofrida por uma em cada dez mulheres, muitas delas não a conhecem, pois crescem pensando que limitar a dor e o sangramento excessivo são normais, até que se torne restritivo ou que tenham dificuldades de fertilidade. Especificamente na Argentina, existem quase um milhão de pacientes, a maioria entre 15 e 50 anos.

O enfrentamento da endometriose é agravado por essas mulheres porque um diagnóstico preciso ocorre em média sete anos após o aparecimento dos primeiros sinais, período durante o qual também é possível o desenvolvimento de cistos nos ovários ou em outros órgãos. Para estabelecer isso com segurança, é realizado um ultra-som transvaginal, uma ressonância magnética ou tomografia e um procedimento de laparoscopia pélvica.

Além disso, um aspecto que os pacientes destacam é que muitas vezes sua condição pode piorar de acordo com o contexto social e os cuidados médicos recebidos. Eles freqüentemente alertam que passaram anos ouvindo que sua dor é psicológica ou que deveriam tratá-la exclusivamente com psicoterapia. Este último, sem dúvida, contribui com sua parte no controle do desconforto, mas, ao longo dos anos, os profissionais entenderam que a endometriose, a "doença invisível", é uma verdadeira doença com dor intensa existente e um correlato físico mensurável.

Mulheres marcham por uma lei de endometriose na Argentina.

Tornar o problema visível

No mês passado, um tribunal de Barcelona concedeu incapacidade permanente e uma pensão mensal a uma mulher de 38 anos devido à endometriose. Isso mostra que na Espanha a conscientização avançou aos trancos e barrancos em relação à situação latino-americana, onde ainda é necessário treinar profissionais e a sociedade em geral sobre as limitações causadas pela doença.

No entanto, esse caso era de uma complexidade severa, pois a condição atinge três níveis: peritoneal superficial, ovariano ou profundo. Embora um correlato hereditário tenha sido observado em todos os casos, a causa original não pôde ser estabelecida com certeza.

Até agora, uma hipótese que ganhou aceitação no campo médico é a que indica que é uma menstruação retrógrada em relação às trompas de falópio, pela qual as células endometriais retornam à pelve, fixam e se multiplicam ali. Mas ainda não foi possível concluir que esse é o caso ou que é a única razão.

Por outro lado, sabe-se que está ligado a alterações no sistema imunológico, pois seria responsável por impedir que o tecido endometrial ectópico se mantivesse e se reproduzisse.

A faixa etária em que geralmente é diagnosticada varia de 30 a 40 anos, mas pode aparecer em qualquer mulher que menstrua. Os fatores de risco são:

  • Ser filha ou irmã de outra mulher com endometriose
  • A menarca era antes dos 11 anos
  • Ter ciclos mensais curtos de menos de 27 dias
  • Os períodos são intensos e duram mais de 7 dias

No entanto, esses fatores diminuem sua inferência quando a pessoa já teve uma gravidez, começou a menstruar tarde, se exercita regularmente, se alimenta de forma saudável e mantém um peso corporal adequado.

Sintomas frequentes

Dismenorreia e cãibras durante a menstruação que pioram com o tempo

  • Infertilidade.
  • Dor durante ou após a relação sexual.
  • Distúrbio gastrointestinal e dor no intestino.
  • Períodos com fluxo intenso.
  • Manchas ou sangramento fora do período.
  • Fadiga anormal.
Duas mulheres decidiram pintar um corpo para demonstrar como seria a endometriose se fosse visível externamente.

Tentar conseguir uma boa qualidade de vida

A endometriose é comumente associada à dificuldade de engravidar e deve-se ao fato de que somente na Argentina é a causa de 30 a 50% dos casos de infertilidade. No entanto, os profissionais resgatam que a maioria consegue conceber naturalmente. A incidência máxima se observada entre 30 e 45 anos de idade.

Outro aspecto que é bastante afetado é a qualidade de vida dos pacientes. A esse respeito, o Diretor de Pesquisa da Sociedade Argentina de Endometriose (SAE) afirmou que "a doença, além dos danos pessoais que causa aos que dela sofrem, acarreta custos ocultos inerentes ao absentismo escolar, universitário e laboral", citação incorporada um projeto de lei de endometriose que obteve meia sanção nos deputados no ano passado.

Consequentemente, também tem um impacto particular no relacionamento, desde as restrições às tarefas que a mulher pode realizar em um dia até os inconvenientes do desenvolvimento sexual.

De acordo com a organização Endometriose UK, alguns dos problemas no nível sexual são: dispareunia, que é dor durante o sexo, sangramento durante ou após o ato, fadiga, desejo sexual reduzido devido a medicamentos, mau humor, estresse ao tentar engravidar, perda de confiança e desejo do corpo.

No entanto, e apesar do fato de não haver cura, existem modalidades disponíveis para apaziguar os sintomas. Por um lado, em casos graves, há a possibilidade de cirurgia laparoscópica ou em outros casos mais leves, o tratamento hormonal com contraceptivos e analgésico para aliviar a dor é suficiente.

Endometriosis ovárica.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Embora afete uma em cada dez mulheres no mundo, ainda existem evidências científicas insuficientes para estabelecer sua causa e cura. Para quem sofre, representa dor anormal durante e fora do período, gera problemas de fertilidade e perturba a qualidade de vida, dependendo do grau e gravidade dos sintomas.

- Advertisment -

más leídas

Você tem um templo e a questão é como você cuida dele

Cada vez mais escolhidos Mais e mais pessoas estão optando por reduzir o consumo de alimentos de origem...

Dura competência entre Trump vs. Biden pelo voto dos eleitores católicos

No jornal The Washington Post, Matt Wiser descreve a situação: "A luta para conquistar eleitores católicos indecisos nas eleições...
Y conocerán la verdad, y la verdad los hará libres.