sexta-feira 30 outubro, 2020
Home Entrevistas Orar pelos inimigos não é para qualquer pessoa
PEQUENO-ALMOÇO NACIONAL DA ORAÇÃO

Orar pelos inimigos não é para qualquer pessoa

O National Prayer Breakfast é um evento anual organizado pela The Fellowship Foundation, que ocorre em Washington D.C. (EUA) na primeira quinta-feira de fevereiro de cada ano. O fundador do evento, em 1953 (quando foi chamado Café da Manhã de Oração Presidencial), foi Abraham Vereide, embora quem o tenha tornado tão influente na sociedade americana seja seu sucessor, Douglas Coe; e seu porta-voz mais famoso foi o pastor Billy Graham, os principais líderes do Congresso dos EUA e o presidente em exercício, resultando em um fórum político-social-comercial que propõe criar relacionamentos que de outra forma não seriam possíveis. Os ateus americanos consideram uma violação da separação entre Igreja e Estado, de acordo com o primeiro. Emenda à Constituição. No entanto, os líderes cristãos afirmam isso, especialmente protestantes e evangélicos. Em 2020, a ideia central era amar os inimigos, mas o presidente Donald Trump distorceu a proposta de Jesus.

Vocês ouviram o que foi dito: ‘Ame o seu próximo’ e odeie o seu inimigo.
Eu, porém, lhes digo: amem os seus inimigos e orem por quem os persegue.
Desse modo, vocês agirão como verdadeiros filhos de seu Pai, que está no céu. Pois ele dá a luz do sol tanto a maus como a bons e faz chover tanto sobre justos como injustos.
Se amarem apenas aqueles que os amam, que recompensa receberão? Até os cobradores de impostos fazem o mesmo.
Se cumprimentarem apenas seus amigos,[m] que estarão fazendo de mais? Até os gentios fazem isso.
Portanto, sejam perfeitos, como perfeito é seu Pai celestial.”

MATEUS 5:43-48

Fora do Salão Internacional do Washington Hilton, a atmosfera no Café da Manhã de Oração Nacional era meio serviço religioso, meio comício político. Cerca de 4.000 participantes, incluindo 1.000 convidados estrangeiros. Sem dúvida, um grande evento apenas 24 horas após o resultado no Senado em favor do presidente Donald Trump. A proposta foi de reconciliação, mas não houve sucesso.

O programa começou com uma interpretação enérgica de "I Saw the Light", de Hank William, liderada por membros do grupo de oração da Câmara dos Representantes, seguida de orações dos co-anfitriões: John Representative Moolenaar, republicano de Michigan; e o representante Tom Souzzi, democrata de Nova York.

Suas orações e comentários iniciais se referiam ao tema principal do Café da Manhã de Oração 2020, focado no mandato de Jesus de amar os inimigos.

"Os ensinamentos de Jesus são uma base sólida para a construção de relacionamentos", disse o deputado John Moolenaar.

Ambos apareceram em um vídeo sobre perseguição religiosa, outro tema para o evento deste ano.

Após o vídeo, ocorreu a entrada do presidente Trump, que tinha o jornal USA Today com o título "Absolvido" na sua capa.

Donald Trump entra no Café da Manhã de Oração Nacional na WDC.

A presidente da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi, fez uma oração para aqueles que sofrem perseguição religiosa em todo o mundo, incluindo muçulmanos, yazidis, budistas, cristãos e pessoas de outras religiões

"Ore para que os nomes dos perseguidos sempre vivam em nossos lábios e que a coragem deles se reflita em nossas ações", rezou o chefe dos democratas na Câmara. "E vamos orar para honrar as faiscas da divindade neles e em todas as pessoas, inclusive a nós mesmos."

A recente divisão nos EUA do julgamento político do presidente Donald Trump esteve presente entre os participantes e organizadores. Por isso, vários mencionaram que o tema do dia era especialmente oportuno e que reunir pessoas ao redor das mesas para conversar e se conhecer era uma maneira de acalmar algumas das tensões no país.

"Se queremos curar nossas divisões, precisamos passar um tempo juntos", convidou Tom Souzzi.

Suas palavras alegavam uma profunda crença na organização The Fellowship, a organização sem fins lucrativos que organiza o National Prayer Breakfast. Os membros do grupo se descrevem como amigos que se reúnem para conversar sobre os ensinamentos de Jesus. Enquanto o grupo está posicionado como aberto a todas as religiões, os temas do evento são claramente cristãos.

Oração Nacional do Café da Manhã 2020.

Uma reflexão

O autor, professor de Harvard e colunista do The Washington Post, Arthur Brooks, pediu aos participantes que não deixassem que suas divergências sobre política os levassem ao desprezo mútuo. Brooks lembrou-se de conversar com um grupo de ativistas conservadores e dizer a eles que seus oponentes políticos não eram nem maus nem estúpidos.

"Essa frase", disse ele, "não recebeu muitos aplausos".

Então Brooks falou sobre sua experiência de crescer com pais cristãos liberais em Seattle (Washington, berço da The Fellowship), quando era conservador. Seus pais, portanto, não eram maus nem estúpidos, explicou Brooks. E ele desafiou os ouvintes a lembrarem-se de seus entes queridos que têm pontos de vista diferentes e a defender aqueles que os ridicularizariam.

Brooks também disse que Jesus pediu a seus seguidores que amassem seus inimigos, não apenas para tolerá-los. Colocar isso em prática, ele admitiu, é difícil.

"O diabo está nos detalhes", disse ele.

Quando se trata de um problema "antigo", como desprezo e polarização, é importante "pensar de maneira diferente" para obter uma solução nova e eficaz, refletiu.

Autor de 11 livros, ele recorreu às palavras de Jesus, a quem chamou de "o maior empreendedor e pensador da sociedade", de Mateus 5: "Você ouviu o que ele disse: "Ame seu próximo e odeie seu inimigo". Mas digo-lhe: ame seus inimigos e reze por aqueles que o perseguem".

"Essas palavras são tão subversivas e contraditórias hoje quanto eram há 2.000 anos", disse Brooks.

Mas, para aplicar essas palavras à sociedade polarizada de hoje "devemos tornar o problema pessoal", disse ele.

"Quero que seja pessoal para você neste dia", disse o autor de "Ame seus inimigos". “Deixe-me perguntar: quantos de vocês amam alguém com quem discordam politicamente? Você se sente à vontade ouvindo alguém insultar a pessoa que você ama? Que seja pessoal, meus amigos."

«O descaso está a destruir o nosso país. Você não acredita? Ligue a televisão no horário nobre ... está destruindo nossa sociedade. Como quebramos o hábito do desprezo? Algumas pessoas dizem que precisamos de mais cortesia e tolerância. Eu digo que não faz sentido. Porque Porque cortesia e tolerância são um padrão baixo. Jesus não disse: "Tolera seus inimigos", disse: "Ame seus inimigos". Responda ao ódio com amor».

Ele deu ao público três tarefas:

  • «Peça a Deus que lhe dê forças para fazer essa coisa difícil, que vá contra a sua natureza humana, siga os ensinamentos de Jesus. Você acredita no ensino de Jesus? Aja de acordo. Peça a Deus para remover o desprezo político do seu coração. Às vezes, quando é muito difícil, peça a Deus para ajudá-lo a fingir, mesmo que seja necessário.»
  • «Comprometa-se com outra pessoa a rejeitar o desprezo. Claro que não  vai concordar ... é isso que torna os Estados Unidos grande, a competição de idéias. Mas faça isso sem desprezo. Peça a alguém que te faça responsável »
  • «Vá procurar desprezo. É a sua oportunidade de perfeição moral. Por que? Porque quando as pessoas o tratam com ódio e respondem com amor, você muda o país. É como ser um missionário. Esta é a sua oportunidade de mostrar às pessoas o que é a liderança. Corra para a escuridão, traga sua luz. Quando você deixar este café da manhã nacional de oração hoje, retornará a um mundo com muito desprezo. Veja isso como sua chance. Imagine uma placa na porta que diz: “Agora você está entrando no território da missão. Se você vê o mundo, se o vemos fora da sala como um território missionário, podemos marcar esse dia como o ponto em que nossa cura nacional começa.»

Recusa de reflexão

Então foi a vez de Trump, que recebeu com sua cópia do jornal USA Today. O presidente decidiu fazer um enorme contraste com Brooks. De fato, ele começou dizendo: "Arthur, não sei se concordo com você".

Em seguida, acrescentou: «Como todos sabem, minha família, nosso grande país e seu Presidente foram submetidos a uma experiência terrível por algumas pessoas muito desonestas e corruptas. Eles fizeram todo o possível para nos destruir e, ao fazer isso, fizeram muito mal à nossa nação».

Trump deixou claro que culpa os democratas e Mitt Romney -o único senador republicano que votou pelo impeachment de Trump- pelo processo de julgamento político que encerrou a absolvição concedida pelos senadores republicanos.

Romney, membro da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, disse que suas convicções religiosas exigiam que ele não se importasse de ficar sozinho.

"Apoio fortemente o que o presidente fez", disse Romney. “Votei com ele 80% do tempo. Mas minha promessa a Deus de aplicar justiça imparcial exigia que eu deixasse de lado meus sentimentos e preconceitos pessoais.

Obviamente, Trump não o perdoou.

"Não gosto de pessoas que usam sua fé como justificativa para fazer o que sabem estar errado", disse Trump, referindo-se aos comentários de Romney sobre como sua fé influenciou sua decisão de votar no impeachment de Trump.

"Também não gosto de pessoas que dizem" rezo por você "quando sabem que não é o caso", continuou Trump, referindo-se aos comentários de Pelosi quando comentou que rezou pelo presidente durante todo o processo de julgamento político.

Antes de se afastar do púlpito, Trump voltou à acusação mais uma vez, dizendo que “quando eles o acusam por nada [e] então eles deveriam gostar, não é fácil, pessoal. Eu faço o meu melhor. Estou tentando", e causou muitas risadas que não combinavam com a ocasião.

Assim, o Presidente distorceu o chamado que, apelando à oração e ao amor de Jesus, propunha uma reconciliação.

O tom de Trump contrasta com o de Bill Clinton, o ex-presidente que enfrentou um pedido de julgamento político, que em um comunicado após ser absolvido em fevereiro de 1999, disse estar "profundamente arrependido ... pelo que eu disse e fiz para desencadear esses eventos. e o grande fardo que eu impus ao Congresso e ao povo americano.»

Trump no café da manhã da oração destacou seu governo na economia, citando uma taxa de desemprego historicamente baixa, bem como seus esforços para defender políticas pró-vida (contra o aborto) e proteger as liberdades religiosas em todo o mundo. O presidente entrou em um ato de proselitismo e não em um dia de reflexão. E novamente, ele usou Jesus para tentar adicionar votos.

Trump exortou sua audiência a votar nele quando a eleição ocorrer em 11/11.

O historiador Kevin Kruse twittou: "Estudei um pouco o café da manhã nacional de oração e não posso dizer o quão estranho é para um presidente usar o momento, tradicionalmente dedicado ao bipartidarismo e à unidade, para atacar uma pessoa com um tom vingativo".

Mas Trump teve cúmplices por sua ação. Por exemplo, David Myhal, de Westerville, Ohio, que disse que apreciava o tema do dia, mas que amar inimigos não é fácil: "Essa é a coisa mais difícil que uma pessoa pode fazer".

Myhal disse que simpatizava com o que Trump disse, porque o presidente passou por um momento difícil que tornou lógico que ele não estava animado com a mensagem do dia. Myhal disse que apreciava a honestidade de Trump.

No final do café da manhã, a cantora gospel Cici Winans recebeu uma grande ovação após uma interpretação comovente de sua música, "Alabaster Box". Então ela liderou o público em uma música intitulada "Aleluia".

A lenda do homem sobre direitos civis e congressista da Geórgia, John Lewis, que está lutando contra o câncer, fez uma oração em vídeo, enquanto os participantes se uniam e inclinavam a cabeça.

Ele disse que o país precisava de "paz, agora mais do que nunca". Lewis pediu a Deus para unir o país e orou para que os americanos fossem tratados como "irmãos e irmãs".

Em sua oração, Lewis lembrou-se de ter enfrentado a morte quando foi espancado ao atravessar a ponte Edmund Pettus em Selma, Alabama, em uma marcha pelos direitos civis.

"Eu nunca odiei as pessoas que me venceram, porque escolhi o caminho da paz, o caminho do amor, o caminho da não-violência", disse Lewis.

Ele disse que nunca desistiu, porque Deus o ajudou. E instou os participantes a se tornarem uma família.

"Precisamos acreditar um no outro", disse ele. "Nunca devemos desistir de nossos semelhantes".

Muito estranho

Um dia antes, o capelão veterano do Senado dos EUA, o pastor adventista do sétimo. Day, Barry Black, fez comentários muito controversos.

"Acredito que a oração de Jesus no Getsêmani nos fornece o modelo", disse Black ao site Christianity Today, referindo-se a quando Jesus orou: "Pai, faça sua vontade".

Segundo Black, em meio às polêmicas e controvérsias partidárias, os senadores e seus colaboradores buscavam a vontade de Deus sobre o voto histórico de impeachment de Trump.

Antes de um recinto cheio de legisladores, Black fez uma oração para que os senadores pudessem ser "corajosos como leões", ele pediu "o discernimento moral a ser usado para a sua glória". E ele apelou para uma frase que chamou muita atenção: "Eles não podem ignorar você e se safar porque sempre colhemos o que plantamos".

O Senado votou de acordo com os pertences do partido: todos os oponentes democratas votaram no julgamento político de Trump. Mas eles eram uma minoria: 47 votos. E todas as autoridades republicanas, exceto uma, votaram contra o julgamento político de Trump e eram maioria: 52.

Somente o senador Mitt Romney, um devoto da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, discordou de seu bloco republicano e votou contra Trump. Então, o resultado foi de 52 a 48, absolvendo o presidente no cargo de encarregado de poder.

Quando a acusação de obstrução do Congresso foi votada, o resultado foi de 53 a 47.

Por que o pastor Black mencionou a decisão de Deus quando era um cenário claro de disciplina partidária e exercício do livre arbítrio?

Black disse estar convencido de que Deus está no controle e que a vontade de Deus prevalece no Senado. Isso é relativamente verdadeiro, mas muito perigoso de se manifestar nesse contexto.

"Vejo Deus trabalhando no fato de que toda semana os senadores se reúnem para um café da manhã em oração", disse o capelão. “Vejo Deus trabalhando quando vejo os senadores todas as semanas que estudam a Bíblia, mesmo quando estão nos dois lados do salão (N. de la R .: em relação às diferenças). Por mais caótico que possa parecer, às vezes, vejo Deus trabalhando no nível de civilidade em que, de alguma forma, permanecemos apesar da polarização de nossa nação."

É digno de mérito sua bondade e sua tentativa de resolver o problema entre democratas e republicanos, mas a absolvição de Trump não foi a justiça divina e menos em um ano eleitoral.

Igreja e Estado têm abordagens diferentes em quase todos os assuntos. E os partidos políticos não têm nada a ver com teologia ou com Deus.

Donald Trump fala aos participantes convocados a amar o inimigo. Mas ele não concordou.

Uma contribuição

O site da Coalizão para o Evangelho, assinado por Jeanine Martínez, propõe um exercício para a difícil tarefa de amar o inimigo.

Segundo sua reflexão pessoal, é necessário ir diante de Deus em confissão e arrependimento e responder ao seguinte questionário:

  • Sinto rejeição contra essa pessoa só de ouvir o nome dele?
  • Estou orando com um senso de urgência e com "o amor de Cristo que nos constrange" pelo arrependimento desse inimigo?
  • Se o Espírito Santo vasculhar meu coração, você descobrirá que estou mais preocupado em mostrar que estou certo, que realmente e honestamente defendo a verdade de Cristo?
  • Se tenho que apresentar defesa, estou fazendo isso, considerando que estou falando com um portador da imagem de Deus?
  • Estou falando com verdade, sanidade e integridade ou estou usando argumentos exagerados e inflados contra essa pessoa e em meu processo de defesa?
  • Estou perdoando essa pessoa?
  • Estou me tornando alguém como meu inimigo, refletido no meu manejo da situação?

Em todas essas situações, ore por sabedoria e tente não perder a oportunidade de ser como Cristo e mostrar a Cristo.

Desperdiçado

Completamente fora de cena, havia um tema muito especial do dia: a defesa do meio ambiente. Horas antes, os participantes receberam um pedido especial de jovens líderes cristãos, que apelaram para uma carta pública.

O texto que caiu em um saco quebrado foi o seguinte:

«Aos participantes do Café da Manhã Nacional de Oração 2020 na quinta-feira (6 de fevereiro),

Hoje eles se reúnem em oração por nossa nação e nosso mundo, pela saúde de nossa democracia, pelo bem de nossos vizinhos, pela extensão do reino da justiça e da paz de Cristo até os confins da terra.

Isso é correto e bom.

Muitos de vocês presentes hoje estão reunidos em nosso nome. Vocês são pastores, líderes de denominação e anciãos na fé. Sua geração nos ensinou a levar a sério a autoridade das Escrituras, a proclamar o senhorio de Cristo em todas as coisas e a seguir apaixonadamente a missão da Igreja no mundo. Por essa herança de fé, somos verdadeiramente gratos.

É com esse espírito de gratidão que lhe escrevemos hoje, como jovens cristãos, implorando que você lide com a crise climática com a urgência plena e fiel que ela exige.

Não é segredo que o diálogo público sobre as mudanças climáticas tenha sido amargamente polarizado e divisivo, e que os cristãos tenham sido tão culpados quanto qualquer um por perpetuar essa realidade. Contudo, o evangelho de Jesus Cristo nos chama a fazer melhor do que repetir as meias-verdades partidárias e recuar para as trincheiras tribais.

Ele nos chama a buscar a verdade e anunciá-la com esperança.

Ele nos chama a proclamar suas boas novas a todos, especialmente aos pobres e oprimidos (Lucas 4: 18-19).

Ele nos chama a amar a Deus com tudo o que temos e a amar o próximo como se suas circunstâncias atuais e perspectivas futuras fossem nossas (Mateus 22: 34-40).

Tomar medidas climáticas ousadas e fiéis é uma oportunidade para melhorar em cada um desses comandos, para melhorar o anúncio das boas novas de Jesus Cristo em um mundo em aquecimento.

Aceitar as descobertas do rigoroso estudo da criação e acreditar nos relatos de primeira mão dos impactos climáticos de nossos irmãos e irmãs cristãos em todo o mundo não é controverso nem partidário, é cristão. Para nós, trata-se de defender a vida e a saúde humana, buscar justiça e compaixão e cuidar de toda a criação de Deus.

Como pessoas de amor, coragem, transformação e esperança, a ação climática não é algo a evitar ou temer. Pelo contrário, é uma oportunidade poderosa e profética para sermos o sal e a luz que Jesus nos chama a ser.

Como jovens criados por muitos de vocês para serem apenas esse tipo de pessoa, é isso que pedimos: Ao orar hoje, ore pela criação que geme por Deus e por nossos vizinhos vulneráveis ​​que estão sendo prejudicados. Ao retornar amanhã às comunidades que lidera, viva essas orações com coragem e convicção.

Apresente a seus seguidores a riqueza dos ensinamentos das Escrituras sobre o amor de Deus pelo mundo de Deus e nosso chamado para cuidar dele.

Defender a vida apoiando políticas que farão a transição de nossa economia de combustíveis fósseis sujos e tóxicos para energia limpa e renovável.

Ame seu Deus agindo para proteger as boas obras de suas mãos.

Ame seus vizinhos que lutam por um mundo onde eles têm ar puro para respirar, água potável para beber e um clima estável para as próximas gerações.

Enquanto você ora e age, estamos com você no poder e na comunhão do Espírito Santo, para que juntos possamos ser a resposta para nossas orações.

No amor de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo,

Rev. Kyle Meyaard-Schaap
Organizador e porta-voz nacional
Jovens Evangélicos pela Ação Climática
Katelyn Beaty
Autor e palestrante
Andre Henry
Diretor do Programa Evangélicos pela Ação Social
Jessica Moerman
Membro da Política de Ciência e Tecnologia da AAAS
Co-fundador da Grace Capital City Church. (siga as assinaturas).

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

O National Prayer Breakfast é um evento anual organizado pela The Fellowship Foundation, que ocorre em Washington D.C. (EUA) na primeira quinta-feira de fevereiro de cada ano. O fundador do evento, em 1953 (quando foi chamado Café da Manhã de Oração Presidencial), foi Abraham Vereide, embora quem o tenha tornado tão influente na sociedade americana seja seu sucessor, Douglas Coe; e seu porta-voz mais famoso foi o pastor Billy Graham, os principais líderes do Congresso dos EUA e o presidente em exercício, resultando em um fórum político-social-comercial que propõe criar relacionamentos que de outra forma não seriam possíveis. Os ateus americanos consideram uma violação da separação entre Igreja e Estado, de acordo com o primeiro. Emenda à Constituição. No entanto, os líderes cristãos afirmam isso, especialmente protestantes e evangélicos. Em 2020, a ideia central era amar os inimigos, mas o presidente Donald Trump distorceu a proposta de Jesus.

- Advertisment -

más leídas

Você tem um templo e a questão é como você cuida dele

Cada vez mais escolhidos Mais e mais pessoas estão optando por reduzir o consumo de alimentos de origem...

Dura competência entre Trump vs. Biden pelo voto dos eleitores católicos

No jornal The Washington Post, Matt Wiser descreve a situação: "A luta para conquistar eleitores católicos indecisos nas eleições...
Y conocerán la verdad, y la verdad los hará libres.