sexta-feira 23 outubro, 2020
Home Saudável Os alimentos à base de plantas de boa qualidade
MEDICINA FUTURA

Os alimentos à base de plantas de boa qualidade

Num contexto em que milhões de pessoas adoecem e morrem de diabetes, obesidade ou câncer, é imprescindível repensar a prática médica e a cultura alimentar. Também é pertinente diferenciar o vegetarianismo e o veganismo de uma dieta baseada em vegetais, integral e de boa qualidade.

Alimentos de boa qualidade à base de plantas ganharam boom, popularidade e apoio cada vez mais científico. Ele adquire ainda mais valor na atual situação mundial da saúde, embora seja essencial saber diferenciá-lo de um plano vegetariano ou vegano de baixa qualidade.

A dieta do século XXI

A dieta humana sofreu profundas mudanças à luz da história e, portanto, modificou os modos de ingestão de nutrientes pelos indivíduos.

No entanto, desde o final da Segunda Guerra Mundial, iniciou-se um processo no qual produtos sutilmente ultraprocessados ​​ganharam terreno nas mesas das famílias em todo o mundo.

As inovações tecnológicas na produção, processamento e conservação de alimentos, juntamente com o crescente uso de vitaminas artificiais e a invenção de ingredientes, mudaram os pratos trazidos para a mesa a taxas mais rápidas do que a capacidade de analisar o impacto.

Com algumas décadas adicionadas ao século XXI, a situação está piorando: mais de quatro milhões de pessoas morrem a cada ano de diabetes, mais de 2,8 milhões de obesidade e mais de 18 milhões de pessoas que sofrem de câncer.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) estima que nos Estados Unidos 60% dos adultos têm pelo menos uma doença crônica e mais de 70% dos dólares gastos em medicamentos são dedicados ao tratamento de doenças derivado de um estilo de vida saudável [1].

Indústria de laticínios.

"Nenhuma doença que possa ser tratada com dieta deve ser tratada por qualquer outro meio" - Maimónides

Dieta à base de plantas

Ana sai de férias e quer perder os quilos extras, então vai para a nutricionista, que tem a responsabilidade de garantir que ela dê combustível suficiente ao corpo do paciente, mas ao mesmo tempo gera o déficit necessário para perda de peso.

No plano de dieta, Ana deve deixar de lado grandes características, vegetais ricos em amido, cereais, farinhas e, é claro, açúcares.

O café da manhã consiste em uma fatia de queijo e uma de presunto, com chá com leite e eventualmente uma fruta. No entanto, recomenda um suplemento que lhe dará os nutrientes que faltam.

Esta história, repetida na vida de milhares de mulheres e homens, responde a um critério específico em que a alimentação controlada é restrita a um período de tempo com o único objetivo de perda de peso, influenciada pela busca por facilidade de acesso e baixa custos.

No entanto, diante desse paradigma de saúde, a medicina do estilo de vida aparece ao lado de dietas à base de plantas: trata-se de respeitar os alimentos integrais com o objetivo de maximizar o consumo de nutrientes densos da natureza e minimizar os processados, óleos e alimentos derivados de animais como ovos e laticínios (de acordo com o artigo "O poder das plantas" [2]).

Em outras palavras, predominam vegetais cozidos ou crus, frutas, grãos, ervilhas, lentilhas, soja, sementes, nozes e são especialmente pobres em gordura.

Esse modelo envolve repensar a perspectiva sobre a doença, o bem-estar e as maneiras de se deslocar de um lado para o outro com o desafio de modificar todo um sistema médico. E ainda mais, ele enfrenta o próprio ego dos profissionais de saúde pagos há séculos como uma voz autorizada e indiscutível.

Predominam vegetais cozidos ou crus, frutas, grãos, ervilhas, lentilhas, soja, sementes, nozes e são especialmente pobres em gordura.

O poder das plantas

Os resultados de basear uma dieta completamente no que a própria natureza traz não são apenas um desafio para o paradigma médico, mas também lutam por um lugar na própria cultura moderna.

No entanto, se essas premissas são colocadas em equilíbrio com os benefícios obtidos, fica claro como é conveniente para o ser humano.

No simpósio do International Journal of Disease Reversion and Prevention of 2019 [1], foi declarado que a dieta baseada em plantas:

  • Reverte doença cardíaca coronária.
  • Diminui eventos cardiovasculares.
  • Diminui a mortalidade de pacientes cardíacos.

O Dr. Benjamin Ha também testemunhou esses resultados desde que adotou essa visão de mundo em seu consultório porque seus pacientes perderam peso, reverteram a diabetes tipo 2, diminuíram a pressão e reduziram drasticamente a necessidade de prescrições médicas.

Mas não apenas por esses motivos, esse médico ganhou notoriedade. Seu caso tornou-se popular depois de mudar da postura crítica para a dieta baseada em plantas até que ele veio recomendá-lo e praticá-lo em sua vida privada.

Como ele comenta em um artigo de sua autoria [2], foi depois de testemunhar em primeira pessoa a transformação resultante da mudança na dieta, que começou a prescrevê-la. “Os resultados me surpreenderam. Dentro de algumas semanas, muitos pacientes conseguiram reduzir ou eliminar os medicamentos para hipertensão e diabetes que tomavam há anos. Disseram-me que, se soubessem que poderiam parar de tomar os medicamentos simplesmente mudando a dieta, já o teriam feito antes.”

As batatas fritas podem ser classificadas como vegetarianas, porém longe de serem saudáveis

"Deixe comida seja seu alimento e seu alimento, seu remédio" - Hipócrates

Boa qualidade à base de plantas

Alimentos de baixa qualidade são a principal causa de morte no mundo e as taxas de obesidade são as mais altas da história. A pior parte é que a tendência piora ano a ano.

Isto é afirmado em um estudo [3] publicado na revista Nutrients no ano passado, no qual foram avaliadas alterações nos valores de 79 pacientes, incluindo carnívoros e 24 vegetarianos e veganos.

Quando os indivíduos completaram o período de investigação com uma dieta totalmente baseada em vegetais, sem contagem de calorias ou peso da porção, o descobrimento forneceram resultados a curto prazo, como: perda de peso, redução da pressão arterial e redução do colesterol.

Os resultados não variaram significativamente entre pacientes não vegetarianos, vegetarianos ou veganos. Em resumo, qualquer um dos regimes pode ser nutricionalmente deficiente, e é por isso que falamos sobre alimentos integrais à base de produtos vegetais.
Na publicação citada, é apresentada a proposta alimentar para as 79 pessoas, que também foi recomendado como suplemento de vitamina B12:

Alimento permitido

  • Vegetais sem amido.
  • Legumes ricos em amido (batatas, legumes).
  • Frutas (inteiras, frescas ou congeladas, não secas, em suco ou misturadas).
  • Grãos integrais.
  • Bebidas vegetais ou não calóricas (leite de soja sem açúcar ou bebidas com nozes, água, chá verde, café e chá descafeinado).
  • Todas as especiarias e ervas aromáticas.
  • Sementes ricas em gorduras ômega-3 (sementes de linho moídas, sementes de chia).

Alimentos excluídos

  • Todos os produtos de origem animal: carne, frango, peixe e frutos do mar; ovos; produtos lácteos.
  • Farinhas refinadas.
  • Todos os óleos comestíveis e gorduras sólidas adicionados.
  • Substitutos de carne e queijo veganos que contenham óleos adicionados.
  • Doces (balas, barras de granola, biscoitos, bolos e bolos).
  • Bebidas calóricas ou adoçadas artificialmente (incluindo sucos e vitaminas de frutas 100%).

Alimentos limitados (consuma com moderação, se você o fizer)

  • Legumes com alto teor de gordura: nozes torradas cruas ou secas; sementes (exceto as anteriores); coco; abacate
  • Frutos secos
  • Adoçantes adicionados (incluindo adoçantes naturais ou menos refinados)
  • Soja refinada ou glúten de trigo (tofu, proteína isolada de soja, seitan)
  • Bebidas alcoólicas (de preferência 2 bebidas / semana ou menos)
  • Refrigerantes

----------------------------

1- Krystal Lin (2019) “Proceedings: American College of Occupational and Environmental Medicine: Innovation and Forward Thinking Symposium Evidence-Based Nutrition Information that You Didn’t Learn in Medical School”. International Journal of Disease Reversal and Prevention (IJDRP).

2- Benjamin Ha (2019) “The Power of Plants: Is a Whole-Foods, Plant-Based Diet the Answer to Health, Health Care, and Physician Wellness?”. The Permanente Journal.

3- Erin K. Campbell, Mohammad Fidahusain and Thomas M. Campbell (2019) “Evaluation of an Eight-Week Whole-Food Plant-Based Lifestyle Modification Program”. Nutrients. doi:10.3390/nu11092068

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Num contexto em que milhões de pessoas adoecem e morrem de diabetes, obesidade ou câncer, é imprescindível repensar a prática médica e a cultura alimentar. Também é pertinente diferenciar o vegetarianismo e o veganismo de uma dieta baseada em vegetais, integral e de boa qualidade.

- Advertisment -

más leídas

De Daniel ao Apocalipse, semelhantes, mas complementários

Existem quatro livros na Bíblia que são considerados especialmente apocalípticos; Eles são Daniel, Ezequiel, Zacarias e Apocalipse. Então, vamos...

Obrigado por isso, por aquilo e por tudo

É notável a quantidade de menções que existem sobre a importância da gratidão e, no entanto, é uma atitude incomum na maioria...
Y conocerán la verdad, y la verdad los hará libres.