Quando perguntam “aborto sim ou não?”, Digo: “Separação Igreja / Estado”

"Até agora, a democracia celebra a diversidade e a manifestação de diferentes posições diante de uma medida que mudaria para sempre o sistema jurídico, de saúde e social da Argentina."

Lenços verdes, violetas, celestes e todos os tipos de cores são criados para estabelecer suas opiniões sobre a posição das mulheres e a dívida histórica que a sociedade tem com seus direitos.

No ambiente, há uma certa suscetibilidade e tensão. Dado isso, muitas igrejas e seus paroquianos preferiram manter um silêncio cauteloso, enquanto outras não toleram a mudança nas regras que governam a sociedade e saem para defender suas visões de mundo.

Antes de implantar mais um argumento sobre a legalização da interrupção voluntária da gravidez, quem escreve esta coluna sente a necessidade de se definir: mulher, cristã e com plena consciência feminista sobre a necessidade de redefinir o papel da mulher após séculos de gravidez.

Acusações, controvérsia, escândalo: o aborto volta à cena em breve.

Degradação

Na Argentina, o Projeto de Lei de Interrupção Voluntária da Gravidez (IVE) foi apresentado pela primeira vez em 2007 no Congresso da Nação Argentina e em outras sete vezes consecutivas nos anos subseqüentes. Somente em 2018 ele foi tratado, embora rejeitado quando 38 senadores votaram contra e 31 a favor (mais 2 abstenções e 1 ausência).

A Campanha Nacional pelo Direito ao Aborto Legal, Seguro e Livre define quem o constitui:

"Atualmente, conta com a adesão de 305 grupos, organizações e personalidades ligadas a organizações de direitos humanos, campos acadêmicos e científicos, profissionais de saúde, sindicatos e diversos movimentos sociais e culturais".

Por outro lado, a Unidade Provida também foi formada e luta contra seu lugar no debate público:

“Somos uma rede de mais de 150 organizações que promovem o direito de viver de mulheres e crianças para nascer. O aborto legal é um fracasso social. Destrói uma mulher, termina a vida de uma criança e nos torna todos mais desumanos. Nos unimos para defender o direito de viver de todos os argentinos, para que ninguém sofra ou morra de aborto. Porque todo ser humano tem o direito de viver."

Longe de ignorar que dentro do grupo contra a interrupção legal há aqueles que não se reconhecem como religiosos, basta esboçar seus critérios fundamentais para alertar os critérios católicos apostólicos romanos, em sua maioria apoiados por uma importante gama de devotos evangélicos, que governam sua posição .

Até agora, a democracia celebra a diversidade e a manifestação de diferentes posições diante de uma medida que mudaria para sempre o sistema jurídico, de saúde e social da Argentina.

Jurguen Habermas, um dos pensadores mais importantes da história e um grande defensor da democracia, definiu o espaço público do debate como uma esfera ideal para fins de consenso:

A entrada é fundamentalmente aberta a todos os cidadãos. Em cada conversa em que indivíduos se reúnem em público, uma parte do espaço público é constituída. […] Os cidadãos se comportam em público, quando se reúnem e concordam livremente, sem pressão e com a garantia de poder expressar e publicar livremente sua opinião, sobre as oportunidades de agir de acordo com interesses gerais”.

Aceitar o contrato democrático implica aceitar as regras do jogo. O Estado democrático tem a responsabilidade de fornecer os meios para a livre expressão da opinião pública, sem acordos econômicos que a condicionem ou preferências religiosas que a determinem.

Nesse ponto, você pode perguntar:

  • Por que os parâmetros morais de um setor da sociedade governam para o todos?
  • Até que ponto é conveniente para o Estado governar com a moral cristã?
Acima: Manifestação de feministas em frente ao Congresso da Nação Argentina
o dia do tratamento da Lei da Interrupção Voluntária da Gravidez.
Abaixo: Senadores durante a sessão.

Suposição

Uma suposição fundamental: quem escreve isso não é o parâmetro da moralidade ou da ética ou da lei. Nem é o único embaixador de Deus no mundo, com todas as implicações de não se apropriar desse título.

Embora uma pessoa possa ter convicções morais firmes e procurar agradar a Deus acima de todas as coisas, ela também deve reconhecer e aceitar que as sociedades do século XXI não apóiam nenhum comportamento com marcas medievais.

Um conciliador entre empirismo e racionalismo, e criador do conceito de ilustração como princípio norteador da modernidade, Immanuel Kant, definiu:

"A lei é o conjunto de condições que permitem que a liberdade de cada um acomode a liberdade de todos".

Uma pergunta pode ser mais esclarecedora do que uma afirmação. É possível que o debate seja parcialmente explicado pela intolerância dos grupos religiosos tradicionais em relação à perda de seu poder sobre a sociedade, em termos de ética e moralidade?

Separação Igreja e Estado

O Estado argentino é secular. O Estado argentino é secular?

Na Constituição Nacional Argentina, não há dúvida, nem o Presidente da Nação já é obrigado a ser católico; nem a educação pública nem qualquer instituição estatal devem ser governadas pela moral católica.

No entanto, a lista de contradições entre o que a norma determina e o que acontece na vida cotidiana é extensa. Começando com o apoio econômico da Nação ao clero apostólico católico romano … pelo menos até a rejeição da Lei de Interrupção Legal da Gravidez.

Qual a posição dos cristãos que não acostumam vociferar sua posição?Tais como os adventistas do 7mo. Dia nos novos tempos de divisão entre os religiosos e os que defenden o secularismo do estado?

O Dr. Juan Martín Vives, no artigo "Cristãos com visão de túnel", publicado na página adventista, declara:

É claro que nós, cristãos, podemos nos sentir validamente preocupados com as várias tendências sociais atuais. Existem posições crescentes sobre a moral, a família, a sexualidade humana, o começo e o fim da vida, que sutil ou abertamente contradizem nossa visão de mundo baseada na Bíblia. No entanto, é necessário entender que haverá muitas ocasiões em que os padrões definidos pela sociedade não coincidem com os que consideramos cristãos. Essa lacuna, que em maior ou menor grau sempre existiu, certamente a partir de agora será cada vez maior. De qualquer forma, a maneira de fechar isso não é afirmar que a lei obriga todos a agir de acordo com nossas convicções, mas convencer o maior número possível de pessoas com nossa palavra e nosso exemplo. ”

Nesse contexto, em que a lei ainda contempla em certa medida a liberdade das minorias religiosas, para que não sejam impostas crenças de outras denominações majoritárias, por que reverter o caminho, procurando atribuir os princípios cristãos à lei?

O plano original de Deus considerava a existência de um mundo perfeito, harmonioso e governado em plena conexão com a divindade. No entanto, não só tinha que ser um plano B, mas C, D, etc. etc. etc.

Negar as características que descrevem o mundo de hoje, tentando retornar à política medieval, não tem lugar na democracia em vigor hoje. E é isso que as minorias religiosas devem comemorar.

Quando o Filho de Deus desceu à Terra, ele esclareceu o elo entre os governantes e suas convicções. Os fariseus e os herodianos procuraram prendê-lo com a pergunta: "É lícito dar tributo ao cessar ou não?"

"Lícito" também pode ser traduzido como legal, ou seja, a pergunta que esses grupos fizeram a ele pode ser interpretada como: é teologicamente legal prestar homenagem a César?

As opções oferecidas para responder foram sim ou não. Ambas as respostas teriam consequências e um grupo agradaria e o outro teria um motivo para acusá-lo. Mas ele respondeu:

“De César”, responderam eles.
E ele lhes disse: “Então, dêem[a] a César o que é de César e a Deus o que é de Deus”
.

MATEUS 22:21

Jesus, como em muitas outras ocasiões, surpreendeu os presentes ao erguer uma terceira opção: estabelece uma separação entre a Igreja e o Estado.

Mapa com o qual a Wikipedia ilustra o aborto no mundo.

3rd. Opção

Por um lado, pode-se afirmar, a partir da Bíblia, que o aborto não é o plano de Deus, mas uma conseqüência do dom da livre decisão que Ele dá ao ser humano.

Em Êxodo 21: 22-23, a punição para os israelitas é mais agravada para aqueles que cometem homicídio contra a mulher do que para o bebê que ela carrega em seu ventre:

Se alguém brigar, ferir uma mulher grávida e ela abortar, mas sem a morte, elas serão punidas de acordo com o que o marido da mulher lhes impõe e os juízes julgam. Mais se houver morte, você pagará vida por vida."

Mas também, por outro lado, existem fundamentos para sustentar que a vida intra-uterina é considerada uma pessoa da perspectiva divina:

"Antes de formar no útero,
Eu já tinha escolhido você;
antes de você nascer,
Eu já tinha te separado;
Eu te designei um profeta para as nações
. "

JEREMIAS 1:5

Entrar na discussão teológica sobre o aborto seria um tópico para outras linhas. De qualquer forma, a busca pela verdade deve ser contínua e deve basear-se apenas nas Escrituras Sagradas, como ordenou Martin Luthero: "scriptura única".

Diante desse dilema, há algo claro: quando perguntam, o aborto sim ou não? Eu digo: "Separação Igreja-Estado".

O mencionado Juan Martín Vives lança mais luz sobre isso, descrevendo uma religião de cristãos com visão de túnel:

“[Essa religião] não é movida pelos valores positivos que a inspiram, mas pela oposição a esses fenômenos que considera incorretos ou perigosos. Uma religião vazia, pronta para lutar até a morte para manter alguns símbolos culturais do cristianismo, mas sem estar muito interessada em representar os valores de Cristo que inspiraram esses símbolos […] O problema não é que o cristão se envolva na política. Pelo contrário, são necessárias mais pessoas com valores comprometidos com a construção de sua comunidade. O problema são aqueles que, com bandeira religiosa, tentam fazer com que o Estado imponha suas próprias opiniões sobre toda a sociedade. Acima de tudo, quando todas as suas preocupações cristãs são limitadas a duas ou três questões específicas. ”

As regras do reino de Deus não são conquistadas pela força, não são impostas, nem são deste mundo, “meu reino não é deste mundo. Se meu reino fosse deste mundo, meus servos lutariam para que eu não fosse entregue aos judeus; mas agora meu reino não é daqui." (João 18:36)

Enquanto democracia, minorias religiosas, profissionais e mulheres tiverem o direito total de decidir, não cabe aos grupos de crentes impor seus princípios morais ao Estado que deveria ser secular.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.