sexta-feira 18 setembro, 2020
Home Entrevistas A Guerra Fria que nunca acabou
CINEMA, POLÍTICA E RELIGIÃO

A Guerra Fria que nunca acabou

A propaganda política desempenhou um papel fundamental durante as quatro décadas que duraram a Guerra Fria. Seu objetivo era destacar o domínio e a superioridade dos Estados Unidos como uma superpotência mundial. Parte dessa mensagem ainda é sutilmente percebida em algumas produções audiovisuais atuais. Esta situação coloca o cristão na necessidade de adotar uma posição contra o nacionalismo, baseada em princípios bíblicos.

Duas ideologias antagônicas disputavam centímetro a centímetro por poder e influência em um conflito prolongado que começou no final da Segunda Guerra Mundial e durou até o final dos anos 1980.

Os Estados Unidos, o maior expoente do capitalismo, lutavam com a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, que liderava o bloco comunista.

A ausência de confrontos diretos durante a Guerra Fria foi compensada pela ameaça potencial permanente da corrida armamentista e o choque constante de ideias que polarizou o mundo em dois campos.

Ao longo do confronto, os Estados Unidos utilizaram a tela grande e o tela pequena como plataformas para lançar a sua propaganda. Longe de estar extinta, esta estratégia mediática perdura até hoje.

A estreia da segunda temporada de The Umbrella Academy na Netflix trouxe mais uma vez à mesa um tema que também esteve presente em outras produções cinematográficas do século passado.

Heróis mundiais 

Baseado em uma história em quadrinhos criada pelo músico e cartunista Gerard Way, The Umbrella Academy conta a história de sete irmãos com habilidades sobrenaturais e os conflitos que eles enfrentam em sua família única.

Eles nasceram em circunstâncias extraordinárias e foram adotados por Sir Reginald Hargreeves, um excêntrico cientista bilionário que os tratou com frieza e os treinou para se tornarem uma equipe de vigilantes. Mas a indiferença paterna e a disfunção familiar acabaram afastando-os de casa.

Após a morte de seu pai, os irmãos Hargreeves se reúnem em sua casa de infância, bem a tempo de evitar que o mundo seja devastado por um cataclismo, mas a catástrofe ocorre apesar de seus esforços.

Buscando mudar os eventos, eles viajam no tempo e aparecem no início dos anos 1960. O problema é que carregam consigo o fim do mundo, só que desta vez será em 25 de novembro de 1963.

A causa? Uma guerra nuclear entre os Estados Unidos e a União Soviética.

Os Hargreeves embarcam em uma luta contra o relógio enquanto tentam desvendar as causas do desastre, que parece estar relacionado ao plano de assassinar o presidente John F. Kennedy. A catástrofe é iminente e apenas um grupo de super-heróis americanos pode evitá-la.

Paz e unidade sob que bandeira?

Em 1985, quatro anos antes da queda do Muro de Berlim, foi lançado o quarto episódio da saga Rocky, dirigido e estrelado por Sylvester Stallone.

O filme está cheio de propaganda anti-soviética, mas a mensagem se concentra na cena final.

Rocky Balboa enfrenta o boxeador russo Ivan Drago em Moscou para vingar a morte de seu amigo Apollo Creed.

Quando a luta começa, a multidão vaia Rocky. O soviético toma a iniciativa e parece que vai vencê-lo, mas de repente leva alguns bons golpes que o deixam sem sentido.

Os espectadores começam a torcer pelo americano. “Os aplausos agora vão para o Rocky Balboa. De repente, Moscou é a favor de Rocky”, comenta o repórter da luta.

O resultado la luta é vitória para Rocky. Em seu discurso final ele se dirige à multidão e diz: “Durante essa luta, eu vi muitas mudanças, em como vocês se sentem por mim e como me sinto por vocês. Aqui estavam dois caras se matando, mas acho que é melhor do que vinte milhões. O que estou tentando dizer é que se eu posso mudar, e você pode mudar, todos podem mudar!"

O filme termina com os soviéticos festejando ao redor de Rocky, envoltos na bandeira americana.

“O melhor país do mundo”

The Little House on the Prairie é lembrada por retratar a vida da família Ingalls e do povo de Walnut Grove. Sua segunda temporada foi ao ar entre 1975 e 1976.

Um dos capítulos se passa em 1876 e mostra os preparativos para a celebração do centenário da nação.

No entanto, o aumento dos impostos estaduais gera descontentamento na população, ameaçando cancelar a comemoração.

Entre os moradores mais afetados está Yuli Pyatakov, um imigrante russo que perde suas terras e é forçado a deixar a cidade com sua família.

No momento da despedida, Yuli incentiva os vizinhos e lembra-lhes das liberdades de que desfrutam. Em contraste, ele relata as injustiças que sofreu na Rússia e afirma que não há outro lugar como a América.

Ele termina dizendo: “Em minhas orações, agradeço porque minha família e eu pudemos vir morar aqui. E peço a Deus que todos os outros que deixamos também venham aqui, na casa da liberdade: os Estados Unidos da América, o melhor país do mundo ”.

A última cena mostra o russo hasteando orgulhosamente a bandeira americana.

Reino humano vs. Reino divino

A mensagem de superioridade presente na propaganda anticomunista durante a Guerra Fria (e também hoje) pode ter, para alguns, justificativas teológicas.

O lema “In God we trust” "Em Deus confiamos" é para eles a prova de que os Estados Unidos são um país cristão e, portanto, uma nação favorecida por Deus.

No entanto, vários ministros e representantes do setor evangélico protestante mostram sua preocupação com relação às formas "santificadas" de orgulho nacional. Um deles é Greg Boyd, teólogo e pastor da Igreja Woodland Hills em St. Paul, Minnesota.

Em seu livroThe Myth of a Christian Nation: How the Quest for Political Power Is Destroying the Church  O mito de uma nação cristã: como a busca pelo poder político está destruindo a igreja, Boyd afirma que o reino que Cristo veio estabelecer foi radicalmente diferente de qualquer versão do reino deste mundo.

A título de autocrítica, ele aponta que um segmento importante do evangelicalismo norte-americano tornou-se culpado de idolatria política e nacionalista, tentando fundir o Reino de Deus com os interesses nacionais e formas particulares de governo. Comenta sobre isto:

Como resultado, tornou-se humanamente impossível para muitos ao redor do mundo ouvir as noticias como boas novas. Em vez disso, por causa de suas associações com o reino mundial, eles ouvem o evangelho como más notícias, como notícias americanas, notícias capitalistas exploradoras, notícias ambiciosas, notícias violentas e notícias moralmente decadentes. Eles não podem ver a beleza da cruz porque tudo o que a bandeira americana representa para eles está no caminho."

"Meu reino não é deste mundo"

Nesse contexto, parece sensato adotar uma postura como a que Mark Galli, ex-editor-chefe do Christianity Today, adotou em um artigo sobre o Dia da Independência:

Resumindo, os Estados Unidos são uma nação como todas as outras, de uma forma abençoada por Deus, de uma forma sob o julgamento de Deus. E assim será até que o Senhor volte”.

A vinda de Cristo tornará evidente o contraste entre sua forma de governo e os reinos deste mundo.

Em seus sonhos, o rei babilônico Nabucodonosor podia apreciar essa diferença fundamental. O Reino de Deus parecia-lhe totalmente alheio aos impérios humanos, diretamente de outra natureza.
O cristão não deve deixar de ser um bom cidadão ou orar por seus governantes. Ainda assim, você é encorajado a colocar o Reino de Deus como uma prioridade (Mateus 6:33), enquanto as palavras de Jesus soam como um lembrete permanente: "O meu reino não é deste mundo" (João 18:36).

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

A propaganda política desempenhou um papel fundamental durante as quatro décadas que duraram a Guerra Fria. Seu objetivo era destacar o domínio e a superioridade dos Estados Unidos como uma superpotência mundial. Parte dessa mensagem ainda é sutilmente percebida em algumas produções audiovisuais atuais. Esta situação coloca o cristão na necessidade de adotar uma posição contra o nacionalismo, baseada em princípios bíblicos.

- Advertisment -

más leídas

Como ser um especialista em fazer as pazes sem realmente querer isso

Para muitos, a notícia foi inesperada e até maluca. Para outros, simplesmente confirmou o que já havia sido previsto em meados de...

Muitas igrejas cristãs, mas qual é a verdadeira?

A oração unânime leva à unidade. "Eu não oro apenas por eles. Eu também oro por aqueles que acreditarão...

3 histórias de encontro com Yeshua

Stan Telchin foi um escritor judeu, orador público e missionário que morreu em 06/04/2012 em Sarasota, Flórida (EUA), aos 87 anos.

Mielite transversa: a doença que hoje está na boca de todos

A mielite transversa é uma inflamação rara que afeta toda a extensão da medula espinhal, por isso é caracterizada como transversa. Conseqüentemente,...
Y conocerán la verdad, y la verdad los hará libres.