Cristãos e armas, um debate atual

rifle de assalto AR-15
Jeff Henry explica a técnica de tiro com rifle de assalto AR-15 para membros da equipe de diáconos da Igreja de Mountain Springs, no Colorado, que se exercitam em um campo de tiro em março de 2020, sobre como bloquear um ataque terrorista em seu templo.

Jeff Henry explica a técnica de tiro com rifle de assalto AR-15 para membros da equipe de diáconos da Igreja de Mountain Springs, no Colorado, que se exercitam em um campo de tiro em março de 2020, sobre como bloquear um ataque terrorista em seu templo.

No Antigo Testamento, abundam as histórias bíblicas de confrontos armados e nos quais alguns tiram a vida de outros. No entanto, no Novo Testamento, as armas do cristão são o poder do Espírito, a oração e o testemunho. Qual é a perspectiva correta? Olho por olho ou oferecer a outra bochecha?

Na verdade, o debate não é sobre armas, mas sobre a atitude de cada um.

Os três valores que devem prevalecer são

  • misericórdia
  • humildade
  • amar.

A decisão sobre as armas virá além.

Os cristãos agitam bandeiras lendo "God and Guns" enquanto participam do "Oregon for Trump 2020 Labour Day Cruise Rally" no Clackamas Community College em Oregon City, Oregon na segunda-feira 09/07/2020.

-----------------------

Histórias

Mas Moisés liderou o povo de Israel em várias batalhas. Joshua também. Gideon foi um herói militar. Samson também. Davi foi um líder militar antes de ser rei.

Em 1 Reis 18, o profeta Elias ordenou que os sacerdotes de Baal fossem mortos: “Ninguém fique vivo”.

E em nenhum lugar o Antigo Testamento ensina um soldado a abandonar seu armamento. Pelo contrário, Saul foi condenado por quebrar a ordem de exterminar Amaleque e seu povo.

Aqueles que defendem a posse de armas têm antecedentes a invocar.

Mas é que Jesus mudou tudo. A Bíblia está antes de Jesus e de Jesus em diante. Isso é muito óbvio, mas existem aqueles que abundam em

  • orgulho
  • amor próprio
  • auto-suficiência.

A conseqüência é recorrer à ação direta e pelas próprias mãos. Onde esta Deus? Esse suposto cristão o deixou sem espaço.

"Você diz:" Eu posso fazer qualquer coisa", mas nem tudo é bom para você. Você diz:" Eu posso fazer qualquer coisa", mas nem tudo é benéfico. Não se preocupe com o seu próprio bem, mas para o bem dos outros." 1ª Coríntios 10:23 e 24

O debate sobre armas não é sobre armas.

A questão central é o propósito do que fazemos e para o que vivemos.

No início da grande tragédia, no Jardim do Getsêmani, Jesus impediu Pedro de usar a espada e ele mesmo decidiu não invocar os anjos em busca de ajuda porque tinha um objetivo.

Todos são livres para portar armas ou não portar armas, mas primeiro devem responder a algumas perguntas:

  • É o Reino desta Terra ou não?
  • Justiça é de Deus ou dos homens?
"Eu cuido melhor de mim do que de Deus." É uma opção possível, mas então por que se chamar de cristão e dizer que confia em Deus? ----------------------------

Antecedentes

Mariateresa Fumagalli e Beonio Brocchieri escreveram um texto, anos atrás, intitulado "Cristãos de armas - De Santo Agostinho ao Papa Wojtyla".

A livraria online Amazon revisou o livro assim:

“Quando o poder político, sob o imperador Constantino, opta pela proteção do Deus dos cristãos, abandonando os antigos deuses do panteão romano, começa um longo, contraditório e terrível processo para a nova religião: a incompatibilidade entre a fé cristã e o serviço militar desaparece e, apenas dois anos após a vitória de Constantino na Ponte Milvio, o Conselho de Arles decreta que "aqueles que deixarem o exército serão separados da comunhão". Os símbolos do martírio cristão - a areia sangrenta, a fascinação  da luta, as armas da virtude, a coroa da vitória - significam a linguagem e a teoria da "guerra justa".

O Império Romano do Oriente precisava do cristianismo para apoiar a continuidade do Exército, composto principalmente de mercenários persas adoradores do Sol, mas que haviam participado da "conversão" generalizada que Constantino impôs por conveniência política.

Assim nasceu a ideia da “guerra justa”, uma deformação que conduziu a tragédias e males muito distantes do propósito de Deus, mas levada a cabo pelos chamados cristãos.

O semilólogo, filósofo e linguista Umberto Eco comentou o livro de Fumagalli e Brocchieri:

'Cristãos de armas' passa por antigas práticas e teorias de cerca de 15 séculos de Cristianismo, para mostrar com documentos em mãos todas as vezes que os padres e doutores da Igreja, teólogos e santos, justificaram ou mesmo glorificaram a guerra. Fumagalli demonstra como com esta série de partidários de guerra se entrelaçam os esforços apaixonados de homens da Igreja que tentaram amenizar os conflitos armados ditando regras destinadas a minimizar o horror, como a condenação da guerra santa por Marsilio de Padua aos pronunciamentos pontifícios , de Bento XV a João XXIII, contra a "matança inútil". Mas, precisamente por causa dessa dialética entre "guerreiros" e "pacíficos", teríamos que rejeitar o argumento de que os tempos eram o que eram. foi possível ir contra a mentalidade da própria época.

Embora, em conclusão, Fumagalli veja essas contradições como ligadas aos nossos mais profundos instintos de agressividade, diria, antes, que a mensagem evangélica, para se tornar uma religião oficial, teve que fazer as contas com o mundo em que estava inserida, com os usos e costumes ferozes do Império, com a mística guerreira dos povos bárbaros. Uma coisa é a mensagem cristã, outra é a civilização cristã como fenômeno romano-bárbaro”.

A descrição realista de Echo dos eventos em que as armas empunhadas por cristãos foram uma ferramenta de deformação da Fé e o massacre do próprio Cristianismo é devastador.

Larry Pratt parece afirmar que se Abel tivesse que ter uma boa faca para enfrentar Caim, o conflito em Gênesis estaria resolvido. ----------------------------

Grande confusão

Larry Pratt é o vice-presidente executivo da Fundación de Dueños de Armas, que tenta mostrar que portar armas é de um bom cristão.

Dado que o TERCEIRO ANJO tenta conhecer os argumentos antes de dar uma opinião, aqui está um dos fundamentos de Larry Pratt para o cristão pegar em armas:

"(...) Talvez devêssemos começar do início, ou pelo menos bem perto do início, em Gênesis 4. Neste capítulo, lemos sobre o primeiro assassinato. Caim ofereceu um sacrifício inaceitável a Deus, e Caim ficou chateado porque Deus insistiu que faça a coisa certa. ”Em outras palavras, Caim ficou com raiva porque não conseguia fazer o que queria.

Em vez de obedecer a Deus, Caim decidiu matar seu irmão Abel. Não havia armas de fogo disponíveis, embora pudesse muito bem ser uma faca. Se foi uma faca ou uma pedra, a Bíblia não diz. A questão é que a causa da morte de Abel foi o mal no coração de Caim, não a disponibilidade da arma do crime.

A resposta de Deus não foi proibir o uso de pedras ou facas, ou qualquer outra arma usada por Caim, mas banir o assassino. Mais tarde (ver Gênesis 9: 5-6), Deus instituiu a pena de morte, mas não disse uma palavra sobre a proibição de armas. (…)

A Bíblia distingue claramente entre as funções do magistrado civil (o governo) e os deveres de um indivíduo. Em outras palavras, Deus delegou a administração da justiça aos magistrados civis. Os indivíduos têm a responsabilidade de proteger suas vidas dos invasores. Cristo se referiu a esta distinção na passagem de Mateus 5. (...)

Tanto o Antigo como o Novo Testamento toleram a autodefesa do indivíduo, mesmo que isso signifique tirar a vida do ofensor em certas circunstâncias. (…) ".

Nesse caso, é possível estabelecer uma série de objeções históricas e teológicas, mas, de forma mais simples, há algumas questões:

  • Se minha defesa depende de mim, qual é o papel do Espírito Santo?
  • Se me sinto mais seguro carregando uma Glock 37 do que implorando a Deus, por que perder tempo desenvolvendo minha fé?
Kyle Rittenhouse na noite do protesto após os 7 tiros de um policial contra Jacob Blake. Kyle matou 2 manifestantes afro-americanos e feriu outro, mas grupos cristãos que apóiam Donald Trump estão levantando dinheiro para financiar sua defesa legal. -----------------------------

Uma arma para Jesus?

O Religion News Service conta uma história muito interessante:

Em fevereiro de 2017, Srinivas Kuchibhotla e Alok Madasani, ambos indianos, estavam saboreando uma bebida depois do trabalho no Austins Bar and Grill quando um homem chamado Adam Purinton começou a gritar com eles e a questioná-los sobre seu status de imigração.

Purinton foi expulso do bar, mas voltou com uma arma de fogo e matou Kuchibhotla e feriu Madasani e outro homem que veio em seu socorro.

Purinton se declarou culpado das acusações de assassinato e crime de ódio e está cumprindo quatro sentenças de prisão perpétua.

Richard Berry, que contou essa história a Jack Jenkins, disse que após o tiroteio e outros incidentes violentos em sua cidade, ele se perguntou se Deus aprovaria o porte de uma arma escondida para se defender ou a outros. E ele decidiu que a resposta de Deus era sim.

“Se um crime violento está ocorrendo, ou se uma mulher está sendo estuprada, é errado, biblicamente, defender essa pessoa para que ela não morra?” ele perguntou a Jenkins.

Um site de crowdfunding cristão arrecadou mais de US $ 480.000 para pagar a defesa legal de Kyle Rittenhouse, de 17 anos, acusado de matar dois manifestantes e ferir outro com seu rifle AR-15, durante os protestos contra a justiça racial. em Kenosha, Wisconsin. Evangélicos brancos devotos participaram da campanha de arrecadação de fundos.

De acordo com Kristin Kobes Du Mez, autora de "Jesus e John Wayne: Como os evangélicos corromperam uma fé e fraturaram uma nação", a ideia de que um cristão pode ser um "cara legal com uma arma" é muito forte em muitas comunidades evangélicas brancas. .

"Os evangélicos conservadores acreditam que o mundo pode ser um lugar maligno e às vezes a violência é necessária para trazer a ordem", disse Du Mez.

Seria injusto circunscrever a ideia de Religião e Armas ao Cristianismo. No Islã, há casos marcantes. Por exemplo, o que foi o Estado Islâmico, que comete atrocidades em nome de Alá e do Profeta (Muhammad). --------------------------------

Balas e bíblia

É precisamente isso que os seguidores de John Correia, o fundador do Active Self Protection, um programa de treinamento de autoproteção para ajudar “pessoas de todas as esferas da vida a desenvolver a atitude, as habilidades e a planejam defender a si mesmos e suas famílias do perigo."

Defensor apaixonado da posse de armas, Correia dirige um canal de vídeos no YouTube em que analisa imagens de incidentes violentos e descreve como os "mocinhos" poderiam ter atenuado a situação.

Correia insiste que é apaixonado por Jesus. No passado, ele foi pastor da West Greenway Bible Church e também foi professor adjunto de estudos bíblicos na Universidade Cristiana do Amazona.

Correia organizou recentemente um congresso intitulado “Balas e Bíblias”, que inclui um culto e um sermão proferido por Correia.

Não hesitamos em tentar focar em Jesus e que ele seja glorificado em nosso tempo”, disse Correia na entrevista ao Jenkins.

O desenho é uma explosão válida: Você imagina Jesus assim? --------------------------

Tal como Larry Pratt, Correia invoca as Escrituras para argumentar que, em caso de ataque, o cristão tem direito à legítima defesa. Seu exemplo favorito é encontrado no livro de Neemias, quando os judeus tiveram que se defender enquanto reconstruíam o muro e o templo em Jerusalém.

Alguns consideram que Correia se inspira num conceito do filme de 2015, "American Sniper", onde o pai do protagonista, Chris Kyle, diz à família que "existem três tipos de pessoas neste mundo: ovelhas, lobos e cães pastores ".

De acordo com o pai de Kyle, as ovelhas fingem que o mal não existe e não sabem como se proteger. Os lobos usam a violência para atacar os outros.

Depois, há aqueles que foram abençoados com o dom da agressão e uma necessidade urgente de proteger o rebanho”, diz ele. "Esses homens são uma raça rara que vive para enfrentar o lobo. Eles são o cão pastor."

No entanto, Correia rejeitou a abordagem: “Aos olhos de Deus sou uma ovelha”, mas reconheceu que esta anedota “é muito popular nos meios de defesa cristã”.

A imagem é do rifle de assalto “Crusader”, fabricado pela empresa Spike's Tactical, da Flórida (EUA), que tem a cruz dos Cavaleiros Templários –a ordem religiosa que lutou nas Cruzadas– gravada a laser e um fragmento do Salmo 144: "Bendito seja o Senhor, minha rocha, que treina minhas mãos para a guerra e meus dedos para a batalha." O porta-voz da empresa, Ben Thomas: "Queríamos garantir que a arma nunca pudesse ser usada por terroristas muçulmanos para matar pessoas inocentes ou promover sua agenda radical". -------------------------------

Um equilíbrio impossível

"Uma das tarefas que um pastor recebe é cuidar do rebanho, e isso inclui proteger o rebanho espiritual e biblicamente. Levo muito a sério a tarefa de zelar pelo rebanho, o povo de Deus, de maneira física." disse em 2017 o Rev. Jack Graham, pastor da Prestonwood Baptist Church e ex-presidente da National Southern Baptist Convention. Ele estava participando de um evento de treinamento de segurança organizado pela megaigreja da região de Dallas.

É o mesmo tipo de treino que Berry frequentou na conferência 'Bullets and Bibles' de Correia.

Berry carrega uma arma escondida e passa muito tempo em um campo de tiro local, bem como na igreja. Ele não é um extremista. Ele deixou o Partido Republicano quando Donald Trump chegou ao poder (ele agora se identifica como independente) e acredita que muitas expressões do Cristianismo evangélico moderno não levam as Escrituras a sério e desprezam os outros.

Ele também diz que "não defenderia" o jovem Rittenhouse sem saber por que um garoto de 17 anos viajou vários quilômetros até um local de violência para brandir seu rifle, o que era uma provocação, e depois atirar nele.

Berry parece sincero quando diz: "Acho que um homem violento acabará tendo um fim violento." Sua solução, ele insistiu, é mais "mocinhos" com armas para garantir a defesa. “Seu objetivo não é matar. Seu objetivo é parar a violência. "

Mas entre a sinceridade de Berry é evidente que Deus estava perdido, como se fosse um labirinto.

Berry pode ser honesto, mas quando o tiroteio começa, os limites estão perdidos. A violência aumenta facilmente. E nada disso concorda com a idéia de que um cristão deva refletir a imagem de Deus diante de seus semelhantes. No entanto, isso está acontecendo hoje entre muitos cristãos.

Novamente: a questão não é a arma. É o que está acontecendo com Deus. Como imaginamos Deus. Qual é a nossa conexão com Deus. O que esperamos de Deus em nossas vidas.

A imagem é a mensagem. O presidente do Brasil e capitão aposentado do Exército, Jair Messias Bolsonaro, em manifestação cristã e vestindo uma camiseta que diz "Jesus", explica como dispararia seu rifle. -------------------------------

Extremismo

Correia acredita que quando Jesus falou em "dar a outra face" estava a falar de insultos pessoais e não de violência física.

Correia é o caso típico do cristão que exige de Deus que adapte os seus ensinamentos aos seus pontos de vista humanos e não o contrário.

De acordo com a versão 2018 do Estudo Cooperativo de Eleições do Congresso, nos EUA, evangélicos brancos (54,4%) e mórmons (51,9%) expressaram seu apoio majoritário à legislação que facilitaria a obtenção de autorização para porte de armas escondido. Vá adorar a Deus com uma Magnum em sua jaqueta. Eles o deixariam na porta ou o carregariam enquanto se ajoelhavam para falar com Deus?

Michael W. Austin, professor de filosofia na Eastern Kentucky University e autor de "Deus e armas nos Estados Unidos", disse que, ao longo do tempo, uma simpatia se desenvolveu entre os cristãos conservadores por armas de fogo como um forma de proteção pessoal.

Eu acho que há uma mistura única de fé, patriotismo, militarismo, autossuficiência, família e, às vezes, tradições regionais na América, que levou muitos a pensar que a posse de armas é um direito essencial, como algo em que Os cristãos devem acreditar”, disse Austin.

Incrível esse Cristianismo que não tem lugar para Cristo.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.